06 - out

Calcitonina

Categoria(s): Bioquímica, Dicionário

Dicionário

A calcitonina age como um antagonista fisiológico do PTH, impedindo que o cálcio se eleve acima dos níveis fisiológicos. Atua principalmente no osso, causando uma diminuição da reabsorção óssea através da inibição da atividade osteoclática (osteoclastos – células que reabsorvem tecido ósseo antigo). A secreção da calcitonina, produzida pela células (C) principais da tireóide (também pode ser produzida pelas células do pulmão e cérebro), é estimulada pelos níveis plasmáticos de cálcio, quando estes são elevados, a produção de calcitonina aumenta. Os níveis de calcitonina caem com a idade, e de forma acelerada nas mulheres após a menopausa. A produção de calcitonina é estimulada pelos estrogênios, o que pode explicar este fato.

Tem sido feitos estudos clínicos com resultados promissores, utilizando tanto o paratormônio, como a calcitonina, como coadjuvante o uso de cálcio, vitamina D, oligoelementos (zinco, boro, magnésio, cobre, manganês) e exercícios físicos, no tratamento da osteoporose.

Referência:

Celestino CA, Aversari FRV – Marcadores Bioquímicos do metabolísmo ósseo. In: Pinotti JA, Fonseca AM, Bagnoli VR – Tratado de Ginecologia Universidade de São Paulo. Cap 53.

Tags: , ,

Veja Também:

Comments (2)    







11 - jul

Osteoporose – Entendendo o metabolísmo ósseo

Categoria(s): Biogeriatria, Bioquímica, DNT, Reumatologia geriátrica

Conceitos

Colaborador : Ruy Barbosa Oliveira Neto *

* Biólogo, Pós-graduando do Curso de Saúde e Medicina Geriátrica da Metrocamp

No tecido ósseo existe uma constante atividade osteoblástica (síntese de matriz, com impregnação de íons cálcio e fosfato na mesma) e uma constante atividade osteoclástica (lise do tecido ósseo com mobilização de íons cálcio e fosfato do tecido ósseo para os líquidos corporais). A atividade osteoblástica é feita por células chamadas osteoblastos; a atividade osteoclástica, por sua vez, pelos osteoclastos.

Papel do paratormônio

O paratormônio é um hormônio produzido por 4 glândulas, chamadas paratireóides, que se localizam atrás da glândula tireoide, que fica localizada no pescoço. Um aumento na secreção de paratormônio promove, nos ossos, um aumento da atividade osteoclástica, o que transfere íons cálcio e fosfato destes tecidos para o sangue. Além disso, o paratormônio aumenta também a atividade da membrana osteocítica que, por meio de transporte ativo, transfere grande quantidade de íons cálcio dos ossos para o sangue. Ambos os eventos promovem uma elevação da calcemia.

Papel da calcitonina

tireoide
Corte histológico de uma tireóide normal 1 – células parafoliculares ou células C; 2 -folículo tireoideano, rodeado pela células tireoideanas produtoras dos hormônios tireoideanos; 3 – Substância colóide (depósito de hormônio).

A calcitonina é produzida pelas células parafoliculares ou células C da tireóide (número 1 da figura). Um aumento na secreção de calcitonina promove, nos ossos, um aumento da atividade osteoblástica. Através desta, ocorre uma maior síntese de tecido ósseo (matriz protéica), o que atrai grande quantidade de íons cálcio e fosfato do sangue para este novo tecido. Na matriz, cálcio e fosfato combinam-se entre si e com outros íons, formando os diversos sais ósseos, que são responsáveis pela rigidez do tecido ósseo. Valores de referência homens até 12 pg/mL e mulheres até 5 pg/mL.

Componentes minerais dos ossos – Os mais importantes sais ósseos são: fosfato de cálcio, carbonato de cálcio e hidroxiapatita.

O aumento da atividade osteoblástica, portanto, promove uma redução da calcemia, pois uma considerável quantidade de cálcio migra do sangue para os ossos.

Metabolísmo do cálcio

No sistema digestório – Como diariamente todos temos uma pequena perda de cálcio através da diurese, é importante que também tenhamos, pelo menos, uma reposição desta perda através de nossa alimentação. O cálcio, presente em diversos alimentos, é absorvido através da parede do intestino delgado (transporte ativo). Mas, para que ocorra uma adequada absorção se faz necessário a presença de uma substância denominada 1,25-diidroxicolecalciferol.

Formação da 1,25-diidroxicolecalciferol.

Na nossa pele existe, em abundância, um derivado do colesterol denominado 7-desidrocolesterol. Através da irradiação ultravioleta (pelos raios solares) grande parte desta substância é convertida em colecalciferol (vitamina D3). No fígado, o colecalciferol é convertido em 25-hidroxicolecalciferol. Este, nos rins, converte-se em 1,25-diidroxicolecalciferol (esta conversão também exige a presença de paratormônio).

No sistema urinário – Nos túbulos contornados distais dos nefrons há um mecanismo que reabsorve íons cálcio do lúmen tubular para o interstício, e conseqüentemente para o sangue, ao mesmo tempo em que transporta íons fosfato em sentido contrário. Na presença de paratormônio este transporte aumenta, fazendo com que mais cálcio seja reabsorvido (reduzindo a perda urinária deste íon) ao mesmo tempo em que mais íons fosfato seja excretado (aumentando a perda urinária de fosfato).

No epitélio intestinal - O 1,25 diidroxicolecalciferol ativa principalmente uma tríade de reações tais como: ativação de uma proteína fixadora de cálcio, ativação das ATPases estimuladas pelo cálcio e ativação das fosfatases alcalinas. Esses tres processos concomitantemente, somatizam e possibilitam a absorção do cálcio pelo epitélio intestinal.

Conclusão

Portanto, para que ocorra uma boa absorção de cálcio através de nosso sistema digestório, é necessário que: o cálcio esteja presente no alimento (DIETA). não haja falta de vitamina D3 em nosso organismo (para isso é necessária a exposição do corpo aos raios solares ou uma alimentação rica em fontes desta vitamina), a presença do hormônio paratormônio (para que ocorra a conversão de 25-hidroxicolecalciferol em 1,25-diidroxicolecalciferol).

A concentração de cálcio no plasma e seus efeitos no organismo

Mais de 99% do cálcio presente em nosso corpo se encontra depositado em tecidos como ossos e dentes. Sendo assim, o cálcio na forma iônica dissolvida em nosso plasma corresponde a menos de 1% do total de cálcio que possuímos. É muito importante que o nível de cálcio plasmático se mantenha dentro do normal (valor de referência entre 8,4 e 10,2 mg/dL).

Hipercalcemia – Em uma situação de hipercalcemia as membranas das células excitáveis se tornam menos permeáveis ao sódio, o que reduz a excitabilidade da mesma, como conseqüência, ocorre uma hipotonia muscular esquelética generalizada. E no músculo cardíaco ocorre um aumento da força contrátil durante a sístole ou mesmo uma parada cardíaca, devido à redução da excitabilidade das fibras de His-Purkinje.

* A hipercalcemia pode ser causada por: hiperparatireoidísmo primário, neoplasias com envolvimento ósseo, particularmente câncer de mama, pulmões e rins, e no mieloma múltiplo. Pode ser vista na tirotoxicose, acromegalia, intoxicação pela vitamina D, excesso de antiácidos e na fase diurética da necrose tubular aguda.

Hipocalcemia – Em uma situação de hipocalcemia, ao contrário, as membranas celulares se tornam excessivamente permeáveis aos íons sódio. O aumento na permeabilidade ao sódio torna as membranas mais excitáveis, assim, os músculos esqueléticos se tornam mais hipertônicos, podendo ocorrer inclusive uma manifestação de tetania (hipocalcêmica). O músculo cardíaco se contrai com menos força.

* Os valores diminuídos do cálcio ocorre no hipoparatireoidísmo primário ou pós cirurgia da tireoide, na deficiência da vitamina D, insuficiência renal crônica, pancreatite aguda, acidose crônica, hipoalbuminemia e hipofunção hipofisária.

Controle da Calcemia – Quando o nível plasmático de cálcio se torna abaixo do normal, as paratireóides aumentam a secreção de paratormônio, este faz com que a calcemia aumente, retornando ao normal. Quando o nível plasmático de cálcio se torna acima do normal, as células parafoliculares da tireóide aumentam a secreção de calcitonina, esta faz com que a calcemia se reduza, retornando ao normal.

Referências:

GHORAYEB, N., BARROS,T. O Exercício. ed. Atheneu, 1999. Pg. 387

GUEDES, D.P., GUEDES, J.E.R.P., Controle do peso corporal: Composição corporal, atividade física e nutrição .ed. Midiograf, 1998. Pg.157

MAZZEO, R.S., CAVANAGH, P., EVANS, W.J., FIATARONE, M.ª, HAGBERG,J., MCAULEY, E., STSRIZE I.J., Exercícios e atividade física para pessoas idosas. Revista Atividade Física e Saúde, v.3, nº.1, p.48-78,1998

NAGIER, M.D.N., ESTORF, M.D.I., Seu corpo de A a Z: Guia prático de exercícios de recuperação e conservação. Rio de Janeiro, 1988. Pg.228-233

NIEMAN, D.C., Exercício e saúde: Como se prevenir de doenças usando o exercício como seu medicamento, ed. Manole, 1999. Pg. 105-118

NUNER, J.F., FERNANDES, J.A., Influência da ginástica localizada sobre a densidade óssea em mulheres de meia idade. Revista Atividade Física e Saúde, v.2, nº.3, p.14-21,1997

OURIQUES, E.P.M., FERNANDES, J.A., Atividade física na terceira idade: uma forma de previnir a osteoporose? Revista Atividade Física e Saúde, v.2, nº.1, p.53-68,1997

PINTO, R.M.A., CHIAPETA, S.M.S.V., O cálcio, o estrogênio e a atividade física na intervenção da osteoporose em mulheres no climatério. Revista Mineira de Educação Física, v.3, nº.1, p.05-16, 1995

RASO,V., ANDRADE, E.L., MATSUDO, S,M., MATSUDO, V.K.R., Exercícios com peso para pessoas idosas. Revista Atividade Física e Saúde, v.2, nº.4, p.17-26, 1997

Tags: , , , , , , , ,

Veja Também:

Comments (29)    







26 - jan

Paratormônio – PTH

Categoria(s): Dicionário, Endocrinologia geriátrica

Dicionário

O PTH é um hormônio secretado pela glândula paratireóide, cuja função principal é de regular o teor de cálcio e fósforo no organismo. Atua aumentando o número de osteoclastos, promovendo ativa osteólise osteocítica. Atua também modulando a atividade osteoblástica. O PTH funciona aumentando a liberação de cálcio e fósforo dos ossos e diminui a perda de cálcio pela urina e aumenta a excreção urinária de fósforo.

O PTH aumenta a reabsorção do ion cálcio no túbulo renal distal e diminui a reabsorção de fósforo no túbulo proximal. Quando os níveis séricos de cálcio esta baixo ocorre um aumento da secreção do PTH.

A glândula paratireóide é formada por 4 glândulas situada na porção posterior da glândula tireóide.

1. Glândula Tireóide

2. Glândulas Paratireóides

Tags: , , ,

Veja Também:

Comments (127)    




" A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica.
Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da sua confiança "