19 - jul

Alteração da personalidade – Encefalite límbica paraneoplásica

Categoria(s): Câncer - Oncogeriatria, Genética médica, Neurologia geriátrica, Pneumologia geriátrica, Semiologia Médica

Síndrome paraneoplásica: Alteração da personalidade

 

Na sua forma clássica, a encefalite límbica se apresenta com o desenvolvimento rápido de irritabilidade, depressão, distúrbios do sono, crises convulsivas, alucinações e perda de memória a curto prazo

 

Encefalite límbica – O termo encefalite límbica se refere à encefalite do lobo temporal e frequentemente de outras estruturas límbicas. A encefalite é um diagnóstico patológico que deveria ser feito apenas após confirmação tecidual, por autópsia ou por biópsia cerebral. Entretanto, na prática, a maioria dos pacientes é diagnosticada se apresentar quadro clínico sugestivo (febre, cefaléia, rebaixamento do nível de consciência, evidência de inflamação no cérebro, tais como aumento dos glóbulos brancos (pleocitose) no líquido cefalorraquidiano ou inflamação na neuroimagem, especialmente se o agente causador da doença não for identificado. Assim, a encefalite límbica é caracterizada pelo comprometimento de memória recente, crises parciais complexas do lobo temporal e sintomas psiquiátricos. Os achados típicos da RM são sinais de anormalidade nos lobos temporais mais sem reforço na fase contrastada.

Quadro inicial da encefalite límbica é semelhante a depressão ou ansiedade e marcado desinteresse social, apatia e alterações da personalidade. Apresenta déficit importante de memória recente, perda progressiva do nível de consciência, agitação psicomotora, quadros de psicose ou delirium. É considerada um síndrome paraneoplásica onde encontramos o anticorpo associado  ANNA-1 (anti-Hu), estando relacionado com Câncer de Pulmão (oat cell = células pequenas)  e linfoma.

Teste sorológico Anti-Hu ou Anti-Anna 1 – neuronopatia sensorial paraneoplásica

Esse exame deve ser solicitado em todos os pacientes com neuronopatia sensorial aguda ou crônica, principalmente se houver ataxia da marcha e história de tabagismo. O câncer mais comumente associado é o de pequenas células do pulmão. Um resultado negativo não exclui a possibilidade de câncer subjacente.

Encefalite associada ao anticorpo anti – Ma2

A encefalite associada ao anticorpo anti – Ma2 afeta o sistema límbico, o diencéfalo ou porção superior do tronco encefálico. Além do quadro clínico de encefalite límbica, os pacientes podem apresentar sintomas hipotalâmicos e rigidez grave, hipocinesia e limitação de movimentação vertical do olhar. Até 30% dos pacientes respondem ao tratamento do tumor, comumente testicular, e à imunoterapia. Outros anticorpos encontrados em pacientes com encefalite límbica são o anti -B R serina/treonina quinase 2 e o anti – adenilato quinase 5.

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Veja Também:

Comentários    







20 - dez

Aumento do escroto – Câncer do testículo: Seminoma

Categoria(s): Câncer - Oncogeriatria, Urologia geriátrica

Seminoma: Câncer do testículo

Seminoma é um tumor germinativo do testículo, e representa 30 a 40% dos tumores testiculares, ocorrendo numa faixa etária 10 anos superior àquela da maior parte dos tumores testiculares. Origina-se do epitélio germinativo dos túbulos seminíferos. Pode ser dividido em dois grandes grupos: Seminomas clássicos e seminomas espermatocíticos.

Os seminomas clássicos representam mais de 90% dos seminomas. Êles podem conter células gigantes trofoblásticas (que são responsáveis pela produção da gonadotrofina coriônica) veja a seta figura ao lado  ou podem ser anaplásicos (em que há um grande número de mitoses). O seu pico de ocorrência é em torno dos 41 anos de idade. O prognóstico do seminoma é bom, principalmente nos casos em que está restrito ao testículo e melhor ainda nos casos de seminoma espermatocítico. Nestes casos, 95% dos pacientes podem ser curados.

 

Alguns pacientes desenvolvem a forma clássica, a encefalite límbica se apresenta com o desenvolvimento rápido de irritabilidade, depressão, distúrbios do sono, crises convulsivas, alucinações e perda de memória a curto prazo

 

Encefalite associada ao anticorpo anti – Ma2 – A encefalite associada ao anticorpo anti – Ma2 afeta o sistema límbico, o diencéfalo ou porção superior do tronco encefálico. Além do quadro clínico de encefalite límbica, os pacientes podem apresentar sintomas hipotalâmicos e rigidez grave, hipocinesia e limitação de movimentação vertical do olhar. Até 30% dos pacientes respondem ao tratamento do tumor, comumente testicular, e à imunoterapia.

Tratamento

O tratamento é a orquiectomia e radioterapia dirigida ao retroperitoneo, pois os linfonodos retroperitoneais são os mais atingidos pelas metástases. A quimioterapia é reservada apenas aos casos mais avançados.

Os seminomas espermatocíticos representam menos de 10% dos seminomas. O seu pico de incidência é aos 65 anos de idade, tem bom prognóstico e atinge grandes volumes. A orquidectomia isolada é habitualmente o tratamento adequado.

Diagnóstico laboratorial – Os tumores germinativos não seminomatosos (85%) e os seminomatosos (10%) apresentam capacidade de sintetizar glicoproteínas que são utilizados como marcadores tumorais (gonadotrofina coriônica humana–hCG e alfa fetoproteína –AFP e LDH). O hCG e AFP estão relacionados com a atividade do tumor, e os níveis de LDH correlacionam-se com o volume tumoral

 Referências:

Mostofi FK, Sesterhenn IA, Davis CJ. Immunopathology of germ-cell tumors of the testis. Semin Diagn Pathol 1987;4:320-41.

Jacobsen GK, Henriksen OB, Von Der Maase H. Carcinoma in situ of testicular tissue adjacent to malignant germ-cell tumors: a study of 105 cases. Cancer 1981;47:2660-2.

Pottern LM, Goedert JJ. Epidemiology of testicular cancer. In: Javadpour N, ed. Principles and management of testicular cancer. New York: Thieme. 1986. p.108-19.

Tags: , , , , , , , , ,

Veja Também:

Comentários    




" A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica.
Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da sua confiança "