26 - jul

Lisossomo – Qual seu papel celular?

Categoria(s): Avanços da Medicina, Biogeriatria, Biologia, Conceitos

Lisossomo – Qual seu papel celular?

 

Christian de Duve

 

LisossomaNascido no Reino Unido em 1917, filho de pais belgas ali refugiados durante a guerra, Christian de Duve estudou medicina e química na Bélgica. Recebeu o Prêmio Nobel em 1974, pela descoberta de dois tipos de organelas celulares: os peroxisomas, vesículas que contêm enzimas de detoxificação das células, e os lisossomas, cuja função é degradar as partículas que vêm do exterior da célula e reciclar as organelas e outros componentes celulares que já ultrapassaram o seu tempo de vida útil.

Lisossomos

LisossomoOs lisossomos têm como função a degradação de partículas advindas do meio extra-celular, assim como a reciclagem de outras organelas e componentes celulares envelhecidos. Seu objetivo é cumprido através da digestão intracelular controlada de macromoléculas (como, por exemplo, proteínas, ácidos nucléicos, polissacarídeos, e lipídios), catalisada por cerca de 50 enzimas hidroliticas, entre as quais se encontram proteases, nucleases, glicosidades, lipases, fosfolipases, fosfatases, e sulfatases. Todas essas enzimas possuem atividade ótima em pH ácido (aproximadamente 5,0) o qual é mantido com eficiência no interior do lisossomo. Em função disto, o conteúdo do citosol é duplamente protegido contra ataques do próprio sistema digestivo da célula, uma vez que a membrana do lisossomo mantém enzimas digestivas isoladas do citosol (essa função é exercida, aparentemente, pelos carboidratos que ficam associados à face interna da membrana), mas mesmo em caso de vazamento, essas enzimas terão sua ação inibida pelo pH citoplasmático (aproximadamente 7,2) causando dano reduzido à célula.

Fisiologia dos lisossomos

O Lisossomo é uma parte fundamental da célula. A formação do lisossomo representa a intersecção entre a via secretória (rede Trans-Golgi), através da qual as proteínas lisossomais são processadas, e a via endocítica, através da qual as moléculas extracelulares são adquiridas na membrana celular.

Vacúolo autofágico – Apoptose – Os lisossomos são parte importante na chamada morte celular programada (apoptose) onde parte das células ou as próprias células são “digeridas, e seu material é reaproveitado para novas células.

Vacúolo digestivo – Defesa celular – Durante a endocitose, materiais extracelulares são internalizados através de vesículas endocítosas revestidas por clatrina, que se desprendem da membrana plasmática e depois fundem com o endossomo precoce. Os componentes membranosos são então reciclados e o endossomo precoce gradualmente amadurece para um endossomo maduro que é o precursor do lisossomo. Uma das mudanças mais significativas desse amadurecimento é a queda do pH para aproximadamente 5,5, que desempenha um papel vital na entrega das hidrolases ácidas lisossomais pela rede Trans-Golgi ao endossomo maduro.

Tags: , , , , ,

Veja Também:

Comentários    







11 - jul

Biopesticidas – Proteínas inativadoras de ribossomos (RIPs)

Categoria(s): Avanços da Medicina, Biologia, Câncer - Oncogeriatria, Farmacologia e Farmácia, Nutrição, Saúde Geriátrica

Biopesticidas – Proteínas inativadoras de ribossomos (RIPs)

As plantas possuem um grande arsenal de substâncias utilizadas como defesa contra os agentes agressores, tanto predadores (insetos) como patógenos (bactérias, fungos, vírus). As proteínas inativadoras de ribossomos* (RIPs) e as ureases estão entre as proteínas que são abundantes nas plantas e podem ser utilizadas como biopesticidas e revolucionando a indústria de agrotóxicos. As ureases são metaloenzimas dependentes do níquel que catalisam a hidrólise da uréia para formar amônia e dióxido de carbono. A semente do feijão-de-porco, Canavalia ensiformis, é fonte rica de urease, sob a isoforma de canatoxina com grande atividade inseticida.

A ricina pertence a uma classe de enzimas conhecida como proteínas inativadoras do ribossomo (RIP -Ribosome-inactivating proteins). Normalmente essas proteínas não apresentam toxidez, pela incapacidade de penetrarem na célula e atingir os ribossomos; estão presentes em produtos largamente ingeridos na alimentação humana, como gérmen de trigo e cevada. No caso da ricina, esta subunidade A se encontra ligada à subunidade B, que se liga à parede celular e permite a entrada da subunidade A por endocitose para o citossol e promove a morte da célula por inibição da síntese protéica (ação de despurinar ribossomos).

Na área médica a ricina tem se destacado entre um grupo de proteínas tóxicas que vêm sendo usadas com o objetivo de matar células cancerígenas. Para chegar ao alvo, a toxina é ligada a um anticorpo que reconhece especificamente a célula que se deseja eliminar, possibilitando que a ricina penetre a célula e provoque a toxidez.

Retículo endoplasmático – É um sistema intracelular considerado uma rede de distribuição, levando material de que a célula necessita, de um ponto qualquer até seu ponto de utilização. O retículo endoplasmático tem portanto função de transporte servindo como canal de comunicação entre o núcleo celular e o citoplasma. O material (aminoácidos e sais minerais) são trabalhados no Complexo de Golgi cuja função primordial é o processamento de proteínas ribossomaticas e a sua distribuição por entre essas vesículas. Todo esse processo requer energia na forma de ATP (Adenosina Tri-fosfato) que é fornecida pelas mitocrôndias, verdadeiras centrais de energia da célula. Portanto, os ribossomos  são as estruturas responsáveis por fazer a síntese de proteínas. Quando os ribossomos são inativados não ocorre a produção das proteínas e a célula morre (apoptose celular).

Assista o vídeo que ilustra os elementos componentes de uma célula.

Em 1978, durante a Guerra Fria, Georgi Markov, escritor e jornalista búlgaro que vivia em Londres, morreu após ser atacado por um homem que injetou ricina em seu organismo. Há relatos de que a substância também foi usada na Guerra Irã-Iraque, durante os anos 80.

A ricina se classifica como uma lectina, ou seja, uma proteína que tem um sítio receptor específico para um açúcar ou uma unidade de oligossacarídeo; pertence à família das lectinas A-B, isto é, composta por duas subunidades, uma delas com atividade enzimática e a outra com um sítio de ligação específica ao açúcar galactose, exercendo seu mecanismo de toxidez através da inativação dos ribossomos.

Referências:

Battelli MG – Cytotoxicity and toxicity to animals and humans of ribosome-inactivating proteins. Mini Rev. Med Chem 4:513-521,2004.

Hughes JN, Lindasy CD and Griffitahs GD – Morphology of ricin and abrin exposed endothelial cells is consistent with apoptotic cell death. Hum. Exp. Toxicol 15:443-451,1996.

Stirpe F – Ribosome-inactivating proteins. Toxicon 44:371-383,2004.

Tags: , , , , , , , , ,

Veja Também:

Comentários    




" A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica.
Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da sua confiança "