26 - ago

Dor Lombar – Câncer metastático

Categoria(s): Câncer - Oncogeriatria, Fisioterapia, Ortopedia geriátrica, Reumatologia geriátrica

Dor Lombar – Câncer metastático

As metástase dos carcinomas de mama, pulmão, próstata e tubo digestivo geralmente ocorrem na coluna vertebral ou torácica, raramente na coluna cervical, ocasionando dor contínua, ora diurna ora noturna, levam a instalação rápida de amiotrofias associadas a anorexia, emagrecimento acentuado e anemia.

O exame radiológico convencional pode revelar a lise dos corpos vertebrais, poupando os discos intervertebrais.

A figura ao lado mostra os locais que podem ocorrem metátases dos carcinomas.

O tratamento resume-se a tratamento do tumor e as metástase podem regredir com a utilização de radioterapia, melhorando a qualidade de vida do paciente.

Tags: , , , , , , ,

Veja Também:

Comentários    







26 - jun

Câncer de mama – Geneticamente não existe um câncer igual ao outro

Categoria(s): Câncer - Oncogeriatria, Ginecologia geriátrica, Notícia

Câncer de mama geneticamente distintos

“Recentemente, começamos a perceber que o câncer de mama não é uma doença única, apresentando vários subtipos diferentes. No entanto, o que o estudo mostra é que a diversidade e as diferenças entre as pacientes é muito maior do que imaginávamos,” conta o Dr. Sunil Lakhani, da Universidade de Queensland, na Austrália.

Quando os pesquisadores examinaram todos os genes no genoma de 100 mulheres que tiveram câncer de mama, eles chegaram a uma conclusão impressionante: não havia similaridade entre nenhuma delas. É como se cada uma das mulheres tivesse tido uma doença diferente.

Este e novos estudos podem dar indícios sobre as razões de tantos casos de câncer de mama não responderem ao tratamento, vislumbrando-se a busca de planos individualizados de tratamento.

Recentes avanços em genética molecular permitiram um melhor entendimento da gênese desta neoplasia. Seu desenvolvimento parece decorrer da ativação ou alteração da expressão de oncogenes e/ou perda ou inativação de genes supressores. Segunda última classificação da Organização Mundial da Saúde existem pelo menos 17 tipos de câncer de mama. Havendo dois genes potencialmente relacionados aos diversos tipos tumorais: o gene HER2 e o gene FGFR1.

Veja mais na página – Câncer de Mama e a Genética

 

Tags: , , ,

Veja Também:

Comentários    







14 - jun

Câncer de Mama – Projeto mulheres de peito

Categoria(s): Câncer - Oncogeriatria, Ginecologia geriátrica, Notícia, Sexualidade e DST

Notícia: Projeto mulheres de peito

Tragédias e Comédias de um Câncer, escrito por Mirela Janotti que conta sua história de superação de um câncer de mama.

À partir dele, quatro profissionais de comunicação formaram o grupo Mulheres de Peito com o objetivo de levar mensagem de superação as mulheres que vivenciam esta terrível doença.

Saiba mais sobre o projeto no site Mulheres de peito

 

Tags: , , ,

Veja Também:

Comentários    







20 - abr

Mamografia – Como é feita?

Categoria(s): Avanços da Medicina, Câncer - Oncogeriatria, Endocrinologia geriátrica, Ginecologia geriátrica

Avanços da medicina

Mamografia
A mamografia constitui, hoje, um instrumento poderoso para a redução de mortes por câncer de mama. Como o tecido da mama é difícil de ser examinado com o uso de radiação penetrante, devido às pequenas diferenças de densidade e textura de seus componentes como, tecido adiposo e fibroglandular, a mamografia possibilita somente suspeitar e não diagnosticar um tumor maligno. O diagnóstico é complementado com o uso de biópsia e ultrasonografia. Com estas técnicas, permite a detecção precoce em pacientes assintomáticas e imagens de melhor definição em pacientes sintomáticas.

A imagem é obtida com o uso de um feixe de raios X de baixa energia, produzidos em tubos especiais, após a mama ser comprimida entre duas placas. As características de operação do mamógrafo, da processadora e da combinação filme-écran, permite a obtenção de boas imagens.

O risco associado à exposição à radiação é mínimo, principalmente quando comparado com o benefício obtido. A chance de acidentes é muito pequena devido às características do feixe de raios X utilizado , a geometria de irradiação e por constituir um aparelho operado eletricamente.

Referência:

Ministério da Ciência e Tecnologia. CNEN. Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), CNEN NN -3.01. Diretrizes básicas de proteção radiológica, Brasilia; 2005.

Tags: , , , , ,

Veja Também:

Comentários    







11 - jan

Polipose Intestinal – Síndrome de Cowden

Categoria(s): Câncer - Oncogeriatria, Dermatologia geriátrica

Dicionário

A Síndrome de Cowden é uma manifestação cutânea com transmissão genética autossômica dominante. O gene de suscetibilidade para a síndrome foi designado PTEN (phosphatase and tensin homologue deleted on chromosome 10) que pode acometer vários órgãos, como pele, mucosa oral, tireóide, mamas, ovários e sistema nervoso central. Os órgãos extracutâneos mais comumente afetados são mama e tireóide. Alterações mamárias variam de doença fibrocística a adenocarcinoma. Na tireóide pode ocorrer carcinoma ou adenoma, sendo este último o mais freqüente. Sua tríade dermatológica clássica compõem-se de triquilemomas faciais múltiplos com pápulas orais, pólipos digestivos e cistos de ovário.

Assim, é muito importante a pesquisa de possíveis neoplasias na mama e tireoide nos casos com triquilemomas faciais.

Referências:

Perriard J.; Saurat J.; Harms M. An Overlap of cowden`s disease and Bannayan-Riley-Ruvalcaba syndrome in the same family. J Am Acad Dermatol 2000;42:348-50.
Stratakis C. A.; Ball D. W.: A Concise Genetic and clinical Guide to Multiple Endocrine Neoplasias and Related Syndromes. J of Ped. End.& Metab 2000;13 :457-465.
Mallory SB. Cowden Syndrome (Multiple Hamartoma Syndrome). Genodermatoses with malignant potential. In: Maddin S, McLean D, eds. Dermatologic Clinics. Philadelphia WB Saunders, 1995;13(1):27-31.

Tags: , , , , , , , , , ,

Veja Também:

Comentários    



Page 1 of 512345

" A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica.
Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da sua confiança "