21 - jan

Dor Lombar – Espondiloartrite: Novos conceitos

Categoria(s): Conceitos, Fisioterapia, Reumatologia geriátrica

Dor lombar

espondiliteEspondiloartrite

Algumas doenças articulares têm algumas similaridades nos mecanismos patológicos devido à semelhança do quadro clínico e de fatores hereditários. As manifestações clínicas mais comuns são: artrite (inflamação da articulação), principalmente nas articulações vertebrais e sacroilíacas, pesquisa negativa de fator reumatóide, processos inflamatórios em tendões e ligamentos atrelados aos ossos e marcador genético em comum (HLA-B27). As doenças que se enquadram neste perfil são: espondilite anquilosante, artrite reativa, artrite psoriásica, artrite enteropáticas, espondiloartrite de início juvenil e espondiloartrite indiferenciada.

O diagnóstico pode basear-se com achados laboratoriais, radiológicos e, sobretudo, na anamnese e no exame físico. As espondiloartrites, segundo dados epidemiológicos, atingem mais homens, brancos e com presença de HLA-B27 positivo.

Novos conceitos foram propostos pelo grupo ASAS – Assessment on SpondyloArthritis International Society – no The European League Against Rheumatism (EULAR) 2009, residem na diferenciação das espondiloartrites em  axiais e periféricas.

Nas espondiloartrites axiais segundo os novos critérios enfatiza-se a clinica da dor lombar inflamatória de mais de três meses de evolução em indivíduos com menos de 45 anos, associado ao diagnóstico sacroilite por imagem (raios-X ou RNM) e a presença do HLA-B27.
Nas espondiloartrites periféricas enfatiza-se o diagnóstico precoce de sintomas e outros achados clínicos manifestos, como psoríase, doença inflamatória intestinal, uveíte, dor lombar de caráter inflamatório, além da presença de HLA-B27.

Referência:

Bianchi W.Espondiloartrites.Boletim da Sociedade de Reumatologia do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, v.38, n132, p.21-23, abril/junho 2009.

Tags: , , , , ,

Veja Também:

Comentários    







06 - nov

Artrite e colite

Categoria(s): Caso clínico, Gastroenterologia, Reumatologia geriátrica

Interpretação clínica

  • Homem de 52 anos vai ao consultório com queixa de episódios de poliartrite migratória envolvendo os joelhos, tornozelos, ombros e punhos nos últimos dois anos. Os sintomas aumentam e diminuem em intensidade, mas ele nunca ficou assintomático. Tem apresentado episódios de diarréia – três a cinco evacuações de fezes semimoldadas por dia –  e perdeu 8,0 kg nos últimos 2 anos. Nega febre, ou problemas cardiológicos ou respiratórios.
  • Ao exame físico leve edema pré-tibial, joelhos edemaciados, dolorosos a movimentação, pequeno derrame articular. Limitação da rotação em ambos os quadris, mas nenhuma dor à mobilização passiva. Exame cardiopulmonar normal.
  • O fator reumatóide é negativo, o anticorpo antinuclear é menor que 1/40 e velocidade de hemossidimentação é de 45 mm/hora.

Como entender o caso? existe correlação entre a colite e a artrite?

Retocolite ulcerativa idiopática

Este paciente pode ser portador da chamada  artrite enteropática ou artrite da doença inflamatória intestinal (DII), desenvolve-se em até 20% dos pacientes com doenças inflamatórias intestinais, tais como retocolite ulcerativa idiopática e a doença de Crohn (conhecida como ileíte regional).  A retocolite ulcerativa idiopática e a doença de Crohn podem ser distinguidas uma da outra clinica, endoscópica, patológica e sorologicamente em mais de 90% dos casos; as remanescentes são consideradas como sendo DII indeterminadas.

Ambas, retocolite ulcerativa idiopática e doença de Crohn, têm curva de incidência bimodal, com maior pico em torno da idade de 20 anos e pico menor na idade de 50 anos, mas cada doença pode ocorrer em qualquer idade.

Os aspectos clínicos sugerem uma retocolite ulcerativa, como ilustra a figura acima, que poderá ser confirmada com o exame de colonoscopia e biópsia do segmento afetado.

Retocolite ulcerativa idiopática – Os pacientes com colite ulcerativa se apresentam com diarréia e hematoquezia (sangue nas fezes), geralmente não são tabagistas e têm ulcerações superficiais se extendendo do reto até os colons, com abscessos da cripta. O diagnóstico diferencial da colite ulcerativa inclui colite infecciosa, colite induzida por estrogênio ou antiinflamatórios não hormonal (AINEs), isquemia, vasculite, lesões por irradiação, colite por exclusão de segmento colônico ou linfoma.

Doença de Crohn – Os pacientes com doença de Crohn comumente se apresentam com diarréia, dorno quadrante inferior direito do abdome com massa inflamatória, febre e perda de peso. Esses pacientes, geralmente são fumantes e têm ulcerações aftosas ou lineares discretas com áreas de inflamação descontínuas ou salteadas. Granulomas não caseosos são encontrados em 30% desses pacientes.

As manifestações clínicas apresentam-se com uma sinovite periférica correlacionada com fases de agudização da doença de base. A sacroileíte e a espondilite não estão relacionadas com atividades da doença de base. Os sintomas articulares costumam anteceder as alterações intestinais.

Teste laboratorial HLA B27 - O HLA B27 está presente em 50% dos pacientes com doença de Crohn e retocolite ulcerativa idiopática . Mas, na Doença de Whipple (ou granulomatose intestinal lipofágica com densa infiltração da parede intestinal), na doença celíaca (enteropatia induzida por glúten de causa desconhecida), na síndrome da alça cega (bypass jejunoileal), na amebíase e na giardíase também podem desenvolver espondiloartropatias, mas sem associação com o HLA B27.

A combinação de dor articular, diarréia, perda de peso e dor pleurítica em um homem de meia-idade é característica da doença de Whipple. A pesquisa para o Tropheryma whippelli no tecido obtido do intestino delgado é o teste que define o diagnóstico. Este paciente negou problemas no aparelho respiratório o que praticamente afasta esta hipótese.

Veja mais sobre:

Doença de Crohn

Doença inflamatória intestinal – Terapia biológica

Doença de Whipple

Referência:

Enzenauer RJ, Root S – Arthropathy and celiac disease. J Clin Rheumatol. 1998;4:205-208.

Fiocchi C – Inflammatory bowel disease – etiology and patogenesis. Gastroenterology 1998;115:182-205.

Tags: , , , , , ,

Veja Também:

Comentários    




" A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica.
Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da sua confiança "