Arquivo de Terapias Alternativas





12 - abr

Dieta – Labirintite

Categoria(s): Gerontologia, Nutrição, Otorrinolaringologia geriátrica, Terapias Alternativas

Dieta – Labirintite

 

Orientação alimentar


Como deve ser o hábito alimentar para os pacientes com labirintite?

Os hábitos alimentares da civilização urbana atual, a tendência de importar modelos de consumo têm levado ao abandono de importantes componentes da dieta, com a presença progressiva das chamada refeições rápidas, ricas em carbohidratos e gorduras. O sedentarísmo agrava a situação. O desjejum é negligenciado, o almoço é rápido (não tem tempo a perder) e o jantar farto e copioso, geralmente na altas horas da noite e logo seguido de sentar-se em frente o televisor ou deitar-se.

 

Algumas recomendações dietéticas são importantes não só para as pessoas com labirintopatia, mas de um forma geral a todos nós.

  1. Procure comer bem pela manhã, menos no almoço e muito menos à noite. Evite jantar muito tarde e logo ir dormir. “Noitadas” freqüentes não faz bem para nínguem.
  2. Durante o dia, procure não ficar mais que três horas sem se alimentar.
  3. Evite o uso de carboidratos de absorção rápida (açúcar refinado, mascavo ou cristal). Dê preferência para adoçantes e dietéticos.
  4. Massas e comidas gordurosas (especialmente carnes e frituras) devem ser limitadas a pequenas quantidades.
  5. Coma frutas e legumes.
  6. Procure comer devagar e mastigar bem os alimentos.
  7. Lembre-se os alimentos são os melhores remédios.
  8. Beba de quatro a seis copos de água por dia.
  9. Evite a ingestão de bebidas alcoólicas.
  10. Procure beber pouco café, no máximo 3 xícaras por dia.

Tags: ,

Veja Também:

Comentários    







12 - mar

Síndrome pré-menstrual – Tratamento

Categoria(s): Endocrinologia geriátrica, Gerontologia, Ginecologia geriátrica, Psicologia geriátrica, Terapeuta ocupacional, Terapias Alternativas

Síndrome Pré-menstrual

 

Tratamento

 

A SPM pode ser tratada em diferentes níveis, de acordo com as necessidades da paciente. Primeiro, a paciente deve entender o processo pelo qual está passando. Em segundo lugar, conforme os sinais e sintomas predominantes, algumas medidas gerais podem ser úteis para aliviar os quadros mais leves, como a atividade física e atividades relaxantes, como dança e Yoga. Deve-se usar roupas adequadas leves, ter repouso suficiente, alimentação leve e variada, menor ingestão de sódio e água, visando reduzir a retenção hidrossalina.

A maioria dos estudos sistemáticos tem avaliado a eliminação das flutuações hormonais e supressão da ovulação ou a “correção” da desregulação dos neurotransmissores com medicamentos antidepressivos ou ansiolítico como a fluoxetina, a sertralina e a paroxetina.

Uma vez confirmado o diagnóstico, modificações no estilo de vida, suplemento de cálcio, vitamina B12 e Vitex agnus castus são opções não farmacológicas.

 

<< diagnóstico
  Cuidados alternativos>>

Referências:

Silva CML, Gigante DP, Carret MLV, Fassa AG. Population study of premenstrual syndrome. Rev. Saúde Pública. 2006;40(1):47-56.

Valadares GC, Ferreira LV, Correa Filho H, Silva MAR. Transtorno disfórico pré-menstrual revisão: conceito, história, epidemiologia e etiologia. Rev. psiquiatr. clín. 2006;33(3):117-23.

Tags: , ,

Veja Também:

Comentários    







09 - mai

RELAXAMENTO: “A busca do equilíbrio”

Categoria(s): Gerontologia, Psicologia geriátrica, Saúde Geriátrica, Terapias Alternativas

Yogaterapia

O viver em harmonia

Colaboradora: Professora Cléo Cyrino*

* psicanálista e yogaterapeuta

RELAXAMENTO: “A busca do equilíbrio”

Um dos grandes desafios de nossa época é criarmos instrumentos para suportar as pressões e tensões do cotidiano. Nesse ritmo acelerado de vida, a busca pela sobrevivência, a angústia, a ansiedade e o medo, nos levam a um desgaste orgânico e mental, cada vez maior.

Muitas pessoas querendo um resultado imediato na busca do equilíbrio perdido, procuram conforto nos tranqüilizantes, tornando-se muitas vezes, dependentes químicos.

Infelizmente, o que estas pessoas se esquecem, é que o antídoto para essas circunstâncias está em suas próprias mãos, basta que aprendam a recuperar a habilidade de relaxar, pois o relaxamento é uma ferramenta útil para aliviar o stress, é um sedativo natural, um sistema auxiliar de cura que ajuda devolver o estado fundamental de equilíbrio e saúde integral do ser humano.
O relaxamento constitui a base e um dos focos principais da prática do Yoga, pois através deste estado de receptividade interna em que nos colocamos ao relaxar, podemos vivenciar a paz tão desejada.

Ao reduzirmos a tensão muscular e respirando bem devagar, vamos aquietando nossa atividade mental, nos desligando das preocupações do dia-a-dia e isto é extremamente terapêutico e benéfico tanto para a mente quanto para o corpo.
O relaxamento é obtido principalmente através da observação e conscientização do corpo, tanto das principais regiões de tensão quanto do ritmo respiratório.

SUGESTÃO PARA UM RELAXAMENTO DIÁRIO

A melhor posição para relaxarmos é deitados de costas , numa superfície não muito mole . Os olhos suavemente fechados, pernas separadas e pés com os artelhos voltados para o lado de fora. Os braços devem ficar separados nas laterais do corpo, com as palmas para cima. Os ombros devem ser conservados abaixados e a cabeça em linha reta com o corpo. O queixo não deve pender nem para o peito, nem para trás, facilitando assim a respiração.

Através deste estado de quietude interior, podemos adotar um modo de vida mais saudável e feliz, que permite entre outras coisas uma ampliação de nossa consciência, nos levando ao auto-conhecimento e à medida que aumentamos a nossa auto-compreensão, nosso vínculo espiritual se fortalece, tornado-nos capazes de compartilhar o que temos de mais belo e profundo com os outros.

10 MINUTOS DE RELAXAMENTO
*Comece fazendo algumas respirações profundas, conscientizando – se do movimento respiratório, apenas observando a entrada e a saída do ar. .
*Sentindo cada parte do corpo, tente localizar tensões, reconhecendo-as como recados de seu corpo apelando para que você relaxe.
*Inspire e tome consciência dos pés, expire e relaxe.
*Inspire- sinta as pernas, joelhos, coxas, nádegas- expire e relaxe.
*Inspire – expandindo abdome e peito- expire e relaxe todo o tórax.
*Inspire- sinta ombros, braços, cotovelos, antebraços e mãos – expire e relaxe.
*Inspire- sinta pescoço, músculos faciais, olhos , maxilares, boca – expire e relaxe.
*Inspire- comande saúde à todos os órgãos, glândulas, ao sangue, ossos, enfim à todas as células de seu corpo- expire e relaxe.
*Nos instantes seguintes, fique apenas desfrutando de um agradável estado de leveza, num sentimento de profunda gratidão , sintonizando- se com a Paz e a Vida Universal.
*Ao completar os 10 min., lentamente movimente seus pés, mãos , cabeça, espreguice-se e SORRIA!

Tags: , ,

Veja Também:

Comentários    







30 - abr

Medicina Biocatalítica – Diátese IV: Anérgica

Categoria(s): Terapias Alternativas

Oligoterapia


Neste biotipo de diátese as trocas celulares estão muito diminuídas, quase nulas, há a insuficiência global de reações autodefensivas, e impotência terapêutica a qualquer tratamento. Os sintomas variam desde anergias transitórias (pós virais, choques morais, pós cirúrgicas ou pós traumáticas) até quadros degenerativos, lesionais e morte.

Os sintomas principais são: fadiga global, que não melhora por repouso,quadros depressivos, tendência a melancolia e tristeza, desejo de retiro e isolamento, diminuição das faculdades intelectuais, infecções de evolução rápida, severas e recidivantes, com falta de resposta à antibioticoterapia, senescência global, rapidamente evolutiva, câncer e todas degenerações celulares.

O tratamento desta diátese requer a prescrição de um complexo oligoterápico (cobre-ouro-prata).

As Diáteses primárias (I e II) e secundárias (III e IV) podem apresentar-se imbricadas ou isoladas.

Tags: , , , ,

Veja Também:

Comentários    







23 - abr

Medicina Biocatalítica – Diátese III: Neurodistônica

Categoria(s): Terapias Alternativas

Oligoterapia


Neste biotipo de diátese da maturidade. A característica principal é o aparecimento de sintomas distônicos, tipo neurovegetativos, evoluindo frequentemente para quadro de ansiedade crônica. Observa-se a perda da vitalidade e o envelhecimento precoce. É de difícil ocorrência nas crianças, mas é comum nos adultos

De uma maneira geral nos idosos as doenças orgânicas iniciam sua passagem pelos distúrbios do funcional. Temos como exemplo: alterações endócrinas e sinais e sintomas da menopausa, artrose, transtornos circulatórios periféricos e centrais, dislipidemias, manifestações distônicas epigástricas, perdas de memória, alergias crônicas.

O tratamento desta diátese requer a prescrição do complexo oligoterápico manganês-cobalto (Mn-Co);

Tags: , ,

Veja Também:

Comentários    



Page 1 of 912345...Last »

" A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica.
Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da sua confiança "