28 - ago
  

Emoções – Amígdala cerebral e o instínto de sobrevivência

Categoria(s): Neurologia geriátrica, Psicologia geriátrica




Emoções – Amígdala cerebral e o instínto de sobrevivência

A amigdala uma pequena estrutura do sistema nervoso em forma de amêndoa, importante na aquisição de informações de perigo, processamento, elaboracão e produção de respostas aos agentes estressores.

Ela está situada dentro da região antero-inferior do lobo temporal, que se interconecta com o hipocampo, com o tálamo, com os núcleos septais e com o córtex pré-frontal. Essas conexões garantem seu importante desempenho na mediação e controle das atividades emocionais, como amizade, amor e afeição, nas exteriorizações do humor e, principalmente, nos estados de medo e ira e na agressividade.

Portanto, a amigdala é fundamental para a auto-preservação, por ser o centro identificador do perigo, gerando medo e ansiedade e colocando a pessoal em situação de alerta, aprontando-se para se evadir ou lutar.

No tálamo a amigdala se coneta com o núcleo dorsomedial, que por sua vez se projeta para áreas corticais. Nos núcleos da base a amígdala inerva a porção ventral, que recebem as principais projeções do córtex pré-frontal (córtico-estriatal), envolvidas com o processo motor. Com todas estas conexões, a amígdala se destaca como um ponto nodal de uma rede que interliga estruturas corticais e subcorticais envolvidas no processamento de estímulos estressantes.

Estudo experimentais em animais mostrou que a destruição experimental das amigdalas (são duas, uma para cada um dos hemisférios cerebrais) faz com que o animal se torne dócil, sexualmente indiscriminativo, afetivamente descaracterizado e indiferente às situações de risco. O estímulo elétrico dessas estruturas provoca crises de violenta agressividade. Em humanos, a lesão da amígdala faz, entre outras coisas, com que o indivíduo perca o sentido afetivo da percepção de uma informação vinda de fora, como a visão de uma pessoa conhecida. Ele sabe quem está vendo mas não sabe se gosta ou desgosta da pessoa em questão.

Referências:

Pergher GK, Grassi-Oliveira R, De Ávila LM, Stein LM. Memória, emoção e humor. Rev Psiquiatr RS. 2006;1(28):61-8.

Lent R. Cem bilhões de neurônios. 2ª ed. São Paulo: Atheneu; 2005.

Ballone GJ. Estresse e Alterações Cerebrais. In: Psiqweb   [on line]

 

Tags: , , , ,




Comentário integrado ao Facebook:


Deixe seu comentário aqui !