11 - ago
  

Perda de Massa muscular (Sarcopenia) – Avaliação da força muscular

Categoria(s): Fisioterapia, Nutrição, Ortopedia geriátrica, Terapeuta ocupacional




Perda da força muscular

A força muscular é força que determinado músculo utiliza para a realização de qualquer tarefa física, em graus variados e para membros específicos. Nos indivíduos idosos, a diminuição da força é um fenômeno que pode levar ao declínio na execução das atividades diárias normais (levantar-se de uma cadeira, do vaso sanitário, carregar compras) e/ou na intensidade dessas atividades.

Essa redução também está relacionada à alta prevalência de quedas e dificuldades na mobilidade dos indivíduos, podendo conduzi-los à dependência de terceiros para a realização das tarefas do dia-a-dia.

Alguns estudos apontam para redução da força muscular com o avanço da idade, diferenciada entre os membros inferiores e superiores, devido às alterações diferenciais nos padrões de movimento no envelhecimento, sendo necessários testes específicos aos membros.

Avaliação dos braços – A forma mais utilizada em estudos clínicos e epidemiológicos para verificar a força de membros superiores é através da preensão manual, conhecida como dinamometria. Durante a execução do teste, o idoso permanece sentado, com o cotovelo apoiado em uma mesa, antebraço estendido à frente, palma da mão para cima e exercia a maior preensão possível. Esse procedimento deve ser realizado duas vezes, com pequeno intervalo entre as execuções (1 minuto).

Avaliação das pernas – Observando que a potência máxima da extensão das pernas era correlacionada com a velocidade de levantar-se de uma cadeira, Bassey et al foram os primeiros a demonstrar o valor prático da manutenção da força muscular nas tarefas diárias. Posteriormente, vários estudos epidemiológicos têm utilizado o tempo gasto pelo indivíduo idoso para levantar-se e sentar-se em uma cadeira (número de vezes seguidas) como uma medida da força de membros inferiores em indivíduos idosos. A força e a resistência muscular dos membros inferiores foi verificada através de medida tempo dependente. O indivíduo iniciava o teste na posição sentado, braços cruzados sobre o peito, devendo se levantar cinco vezes, o mais rápido possível, sem fazer nenhuma pausa. O teste é considerado concluído com êxito quando realizado em tempo igual ou inferior a 60 segundos.

Antes da realização do teste, após demonstração pelo examinador, deve perguntar ao idoso se ele se sente confiante para levantar-se rapidamente de uma cadeira cinco vezes seguidas. No caso de resposta afirmativa, pede-se para ele demonstrar. Após esse procedimento, perguntava-se ao idoso se ele sente confiança para levantar-se de uma cadeira e sentar-se cinco vezes seguidas, agora, com os braços cruzados à frente do peito. No caso de resposta afirmativa, era, então, realizado o teste. Se o idoso demonstrasse cansaço, era dado um pequeno intervalo (1 a 3 minutos).

Avaliação muscular global – As medidas da força muscular são  obtidas utilizando-se o Teste Muscular Manual (TMM) e são classificados de acordo com a tabela abaixo. Os grupos musculares normalmente testados são das articulações dos ombros, quadris e joelhos.

Escala de Força Muscular (Miller & Hahn,1996)

Grau 5 …….. Força normal
Grau 4++ …. Capaz de vencer a força da gravidade e uma resistência significativa, mas com um força abaixo do normal
Grau 4+ …… Capaz de vencer a força da gravidade contra uma resistência moderada
Grau 4 …….. Capaz de vencer a força da gravidade contra uma resistência pequena
Grau 3 …….. Capaz de vencer a força da gravidade sem resistência
Grau 2 …….. Incapaz de vencer a força da gravidade, mas capaz de se mover em um plano
Grau 1 ……… Esboço de contração ou contração muscular discreta sem movimentação articular
Grau 0 …….. Paralisia total do músculo

Referência

Bassey E.J.; Fiatarone M.A.; O’Neill E.F.; Kelly M.; Evans, W.J.; Lipsitz L.A. Leg extensor power and functional performance in very old men and women. Clin Sci 1992; 82: 321-7.

Miller DW, Hahn JF – Chapter !: General methods of clinical examination. pags 31-32. IN Youmans JR – Neurological Surgery $ edition. WB Saunders Company,1996.

Brill P.A.; Macera C.A.; Davis D.R.; Blair S.N.; Gordon N. Muscular strength and physical function. Med Sci Sports Exerc, 2000; 32(2): 412-6.

Ostchega Y.; Harris T.B.; Hirsch R.; Parsons V.L.; Kington R.; Katzoff M. Reliability and prevalence of physical performance examination assessing mobility and balance in older persons in the US: data from the third National and Nutrition Examination Survey. J Am Geriatr Soc 2000; 48(9): 1136-41.

Tags: , , , ,




Comentário integrado ao Facebook:


Deixe seu comentário aqui !