Arquivo de 17/jun/2012





17 - jun

Câncer de pênis – A vítima do preconceito

Categoria(s): Câncer - Oncogeriatria, Notícia, Sexualidade e DST, Urologia geriátrica

Câncer de pênis – A vítima do preconceito

O Brasil é o recordista mundial em casos de câncer de penis. Os pacientes procuram tardiamente os serviços médicos, e o resultado, em geral, é a amputação peniana, com consequências pessoais terríveis.

Estudos do INCA (Instituto Nacional do Câncer) e o Instituto de Virologia da Fundação Oswaldo Cruz, mostraram que 75% dos casos de câncer de pênis estava associado ao HPV, vírus cuja principal forma de transmissão é por via sexual, reforçando a necessidade de esclarecimento e prevenção, onde a higiene é fundamental.

Cumpre lembrar que o vírus HPV é responsável por quase a totalidade dos casos de câncer de colo de útero.

Tags: , , , , , ,

Veja Também:

Comentários    







17 - jun

Lesões da pálpebra – Blefarocalásio

Categoria(s): Oftalmologia geriátrica

Lesões oculares

Blefarocalásio

Blefarocalásio é o excesso de tecidos palpebrais, incluindo pele, músculo orbicular pré-septal e gordura retro-septal. Quando a margem palpebral superior encontra-se num nível mais baixo do que o normal, na posição primária do olhar, temos a ptose palpebral. Na figura observa-se que o excesso de tecido palpebral inferior frouxo causou a exposição da mucosa conjuntival com conseguente irritação. A incapacidade do orbicular em ocluir da fenda pálpebra recebe o nome de  lagoftalmo.

O envelhecimento das estruturas palpebrais na população idosa causa alterações anatômicas e funcionais que originam sintomas freqüentes de obstrução e fadiga visual, dificuldade para ler, lacrimejamento e cefaléia por ativação constante da musculatura frontal.

Tratamento
– O tratamento dos pacientes com queixas funcionais relacionadas ao blefarocalásio e à ptose palpebral senil deve iniciar-se com rigoroso exame clínico, para que um plano cirúrgico individualizado adequado possa ser traçado. Porém, devemos entender que a recuperação do paciente é mais lenta e está relacionada com a idade, presença de co-morbidades e dissecções cirúrgicas mais extensas.

Referência:

Finsterer J. Ptosis: causes, presentation, and management. Aesthetic Plast Surg. 2003;27(3):193-204.

Older JJ. Ptosis repair and blepharoplasty in the adult. Ophthalmic Surg. 1995;26(4):304-8.

Tags: ,

Veja Também:

Comentários    




" A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica.
Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da sua confiança "