10 - mai
  

Aneurisma cerebral com hemorragia subaracnóide

Categoria(s): Angiologia Geriátrica, Emergências, Neurologia geriátrica




Conceito

A hemorragia subaracnóide (HSA) é uma doença comum, correspondendo a cerca de 5% dos eventos cerebrovasculares, tendo os aneurismas saculares da base do crânio como responsáveis em 80%  dos casos. A despeito dos avanços diagnósticos e terapêuticos, existe alta taxa de mortalidade (25%) e morbidade (50%). O prognóstico freqüentemente se correlaciona com o estado de consciência no momento da intervenção. Em geral, seus achados costumam ser de cefaléia de instalação abrupta e grave, podendo ocorrer isoladamente ou estar acompanhada de perda da conciência, náusea, vômito, rigidez cervical, fotofobia, déficits neurológicos focais ou apoplexia.

Uma vez estabelecida a hemorragia, é necessário suporte clínico intensivo e a realização de tomografia computadorizada (TC) deve ser feita imediatamente. Porem, e a punção lombar só deve ser realizada somente se a TC for normal. Dentro das primeiras 24 horas, a sensibilidade da TC é maior que 95%. Entretanto, decresce com o tempo, e após 5 dias do início dos sintomas a sensibilidade é de 50%.

A angiografia cerebral seletiva é necessária para documentar a presença e as características anatômicas do aneurisma.

Tratamento – O tratamento adequado conciste na obliteração do aneurísma através de abordagem cirúrgica direta, ou através de colocação de stents ou balões destacáveis, previne o ressangramento e dá possibilidade de tratar as complicações que podem ocorrer.

As complicações graves da HSA incluem ressangramento, vasoespasmo, hidrocefalia obstrutiva, apoplexia, hiponatremia, edema pulmonar neurogênico e disritmias cardíacas.

A nimodipina, via oral, tem-se mostrado útil na prevenção da isquemia por vaso espasmo.

Referências:

Mayberg MR, Batjer HH, Dacey R, Diringer M, Haley EC, et al – Guidelines for the management of aneurysmal subarachnoid hemorrhage. A statement for healthcare profissionals from a special writing group of the Stroke Council. Am Heart Association. Stroke. 1994;25:2315-2328.

Tags: , , ,




Comentário integrado ao Facebook:


Deixe seu comentário aqui !