//*** MARCEL => "pub-4189979764094081"; //*** ANA => "pub-2835477731727458"; /*** INDEX ***/ function AdSense_Topo_Index() { } /*** INDEX SEGUNDO POST ***/ function AdSense_Index_Segundo_Post() { } /*** PAGE / SINGLE ***/ function AdSense_Topo_PageSingle() { } /*** LINK ***/ function AdSense_SideBar_Link() { } /*** 404 NOT FOUND ***/ function AdSense_404_Topo() { } /*** 500 ERROR ***/ function AdSense_500_Topo() { //*** EDITE O ARQUIVO 500.shtml } /*** FRAME ***/ function AdSense_Frame_Topo() { //*** EDITE O ARQUIVO frame.htm } /*** SINGLE TOPO ***/ function AdSense_Single_Topo() { } /*** SINGLE RODAPE ***/ function AdSense_Single_Rodape() { } /*** PAGE TOPO ***/ /*** PAGE RODAPE ***/ /*** INDEX SEGUNDO POST ***/ function AdSense_Sidebar_Busca() { echo ( '
Google
' ); } ?> 2011 janeiro 25

Arquivo de 25/jan/2011





25 - jan

Febre do ORO – O que é?

Categoria(s): Conceitos, Infectologia, Programa de saúde pública

Orientações

O isolamento inicial do vírus ORO foi feito em Trinidad, em 1995, do sangue de um nativo, portador de uma síndrome febril benigna.

Tem sido relatados febre do ORO no Brasil, Panamá, Peru e Trinidad. A maioria tem sido limitada à região amazônica brasileira, sem casos de doença em outras áreas do Brasil.

Com poucas exceções, todas as ocorrências têm sido na forma epidemias urbanas, durante as quais dezenas e milhares de pessoas são infectadas. Em 1961, documentou-se a primeira de uma série de epidemias que viriam a ser causadas pelo vírus ORO nos 20 anos seguintes, todas na Amazônia. Até 1980, todas as epidemias foram registradas no Pará, sendo que três delas incidiram na própria capital do estado. Estimativas conservadoras revelaram que pelo menos 165.000 casos dessa virose ocorreram durante essas epidemias.

Tags:

Veja Também:

Comentários    




" A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica.
Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da sua confiança "
do_action('wp_footer'); ?>