05 - out
  

Síndrome de Wolff-Parkinson-White

Categoria(s): Cardiogeriatria, Dicionário




Resenha

Em 1930, Wolff-Parkinson-White descreveram a síndrome caracterizada por intervalo PR curto e complexos QRS de morfologia anormal, associada a crises de taquicardia paroxística.

O complexo QRS exibe no eletrocardiograma convencional um empastamento inicial que recebe o nome de onda delta, que e um dos pontos de diagnóstico para esta síndrome. Este empastamento se deve a passagem do estímulo originário do no sinual através de um feixe anomalo de condução intra-atrial.

Um grupo de pacientes considerados de alto risco são os que apresentam período refratário efetivo anterogrado curto, pois nele e maior o risco de condução atrioventricular rápida, podendo o flutter atrial evoluir para fibrilação ventricular. Este grupo de pacientes pode ser identificado pelo estudo do Hissiograma do feixe de His ou pela determinação aproximada do período refratário da via anômala no teste de esforço.


A figura ilustra o feixes do sistema nervoso próprio do coração, responsável pelos estímulos elétricos cardíacos (coloração amarela). Os circuitos anormais estão representados pelas setas brancas. Na parte inferior da figura o traço eletrocardiografico característico com a presença da onda delta.

WPW – Teste de esforço

Os portadores da síndrome de Wolff-Parkinson-White tem um comportamento peculiar durante o esforço fisico, que deve ser considerado quando da análise dos resultados. Estudos recentes tem valorizado o teste de esforço como meio não invasivo, no estudo dos diferentes comportamentos do padrão WPW diante do exercício, na observação da influência da pré-excitação no segmento ST e na verificação de pequena incidência de arritmia cardíaca durante e após o teste.

A persistência do padrão de QRS com onda delta ocorre em 80% dos testes. Porém, nos casos em que o intervalo PR se normaliza e a onda delta desaparece, explica-se pela facilitação da condução ao nível do no atrioventricular durante o exercício.

Nos teste em que procura determinar a resposta isquêmica, observa-se que as alterações do segmento ST sugestivas de isquemia também ocorre em 40% pacientes com WPW sem coronariopatia, considerando-se este grupo com “falso positivo” para o teste de esforço.

Tratamento

1. Farmacológico
Estudos com 20 anos de acompanhamento em crianças portadoras de WPW controladas com digital, mostraram o caracter benigno desta patologia na maioria das crianças, embora estudos mais rescentes demonstrem que esse fármaco pode encurtar o período refratário da via anômala e deve, portanto, ser evitado.

2. Cirúrgico
Cobb e col em 1968, tratou cirugicamente com sucesso paciente com síndrome de WPW. A partir de então as cirurgias para os casos com difícil controle clínico passaram a ser utilizadas.

De uma forma geral, as indicações para o tratamento cirúrgico incluem insucesso do tratamento fármacológico, intolerância a anti-arrítmicos e presença de fibrilação atrial espontânea em pacientes com condução atrioventricular acelerada por via anômala com período refratário curto.

Atualmente abordagem cirúrgica, para a ressecção da via anômala, se faz por duas formas a endocárdica, conforme a técnica descrita p[or Ferguson e col, e a via epicárdica descrita por Guiraudon e col. As complicações mais comuns associadas a cirurgia são síndrome pós-pericárdiotomia, disfunção ventricular direita, síndrome de baixo débito, fibrilação atrial e infarto do miocárdio.

3. Eletrofulguração
Um bom recurso terapêutico para as síndromes de Wolff-Parkinson-White que respondem mau a terapia convencional e a fulguração ou ablação das vias anômalas por radiofreqüência (veja a figura acima com  eletrodo posicionado na via anômala).

A fulguração endocavitária por radiofreqüência é feita nos laboratórias de cateterismos cardíacos.

O sucesso da fulguração vária na dependência da localização e das propriedades eletrofisiológicas das vias anômalas. Para tal, e necessário um estudo eletrofisiológico detalhado e o mapeamento minucioso das vias anômalas. O mapeamento e a fulguração são realizados tanto na inserção atrial como na ventricular da via anômala.

Na via lateral esquerda e posterosseptal esquerda, a fulguração é realizada na região do anel mitral através da técnica de cateterização retrogada do ventrículo esquerdo. O cateter é posiconado entre o anel mitral e o ventrículo. O local ideal é onde se encontra o menor intervalo VA durante a taquicardia ortodrômico e/ou eletrograma unipolar com padrao QS precedendo a onda delta durante taquicardia antidrômica ou estimulação atrial com máxima pré-excitação. Outra importante referência e quando se consegue registrar o eletrograma da via acessória.

Na via acessória direita, posterosseptal direita e posterosseptal verdadeira a técnica é realizar fulguração na região do anel tricúspide, porém pela região atrial.
Nas vias esquerdas o anél atrioventricular é facilmente reconhecido pelo posicionamento de um cateter no seio coronário. Nas vias direitas, pode-se posicionar um fio guia de angioplastia dentro da coronária direita para referência do anel tricúspide.

Referências:

Wolff L, Parkinson T, White PD – Bundle branch block with short PR interval in healthy young people prone to paroxysmal tachycardia. Am Heart J.1930;5:685.

Wolff L, White PD – Syndrome of short PR interval with abnormal QRS complexos and paroxysmal tachycardia. Arch Intern Med,1948;82:446.

Barbero-Marcial M, Sosa E, Pileggi F et al – Tratamento cirúrgico das taquicardias paroxisticas da síndrome de Wolff-Parkinson-White. Arq Bras Cardiol,1982;38:33.

Fantini FA, Sternick EB, Gontijo Fo B et al – Cirurgia para síndrome de Wolff-Parkinson-White no 1 ano de vida. Arq Bras Cardiol.1993;60(4):253-256.

Giardina ACV, Ehlers KH, Engle MA – Wolff-Parkinson-White syndrome in infants and children. A long term follow-up study. Br Heart J. 1972;34:839-846.

Tags: , , , ,




Comentário integrado ao Facebook:


74 Comentários »

  1. jakelline comenta:

    30 novembro, 2008 @ 7:52 PM

    oi, meu filho de 10 anos foi diagnosticado com wpw fez uma ablação que viu que eram dois nervinhos mas o medico disse que tinha visto um terceiro mas quando foi procurar não achou, sera que tem chance de voltar e ele ter que fazer outra ablaçao, obrigado desde ja.

  2. benedito comenta:

    10 março, 2009 @ 8:08 PM

    Em 2005 graças a exames de rotina, fiquei sabendo que era portador de wpw. No ano seguinte o médico realizou uma ablação, foi tudo bem. Mas há alguns meses tenho sentido fisgadas fortes no peito esquerdo, fiquei em dúvida se pode ter algo a ver com meu antigo problema, pois não voltei ao médico para nova avaliação. Desde já agradeço a atenção.

  3. WOLNEY JOSE SOARES comenta:

    21 abril, 2009 @ 7:34 PM

    EM 27/03/2009 FIZ UMA ABLACAO NO INCOR POIS ERA PORTADOR DE WPW DESDE OS 15 ANOS SOFRIA COM ESSA DOENCA HOJE ESTOU COM 45 ANOS , ISSO TUDO DEVIDO NO MOMENTO QUE ME DAVA AS CRISES NUNCA FOI REGISTRADO SEMPRE MELHORAVA APOS ALGUM TEMPO, MAIS UM DIA FUI PARAR NO PRONTO SOCORRO POIS A CRISE PERSISTIU POR 50 MINUTOS SEM INTERRUPCAO E TUDO FOI REGISTRADO PELO ELETRO CARDIOGRAMA NO PRONTO SOCORRO DA MINHA CIDADE , E FOI CONSTATADO ATRAVES DO ESTUDO ELETROFISIOLOGICO QUE EU TINHA UMA VIA ANOMALA VIA ACESSORIA NA PARTE SUPERIOR ESQUERDA DO MEU CORACAO POIS ERA PORTADOR DE TAQUICARIDA PAROXISISTICA SUPRAVENTRICULAR , PORTANTO APOS A ABLACAO COM MUITO SUCESSO SEGUNDO LAUDO MEDICO OU SEJA OBSTRUCAO TOTAL DA UNICA VIA ACESSORIA QUE TINHA, ESTOU MUITO BEM POR SINAL. PERGUNTO, hoje ja na minha casa eu venho sentindo batimentos extras, anormais antes de um batimento normal ou seja uma batida rapida ou uma batida bastante lenta dando a impressao que o coracao da uma parada , exceto taquicardia que nao tive mais gracas a deus , sinto quase todos os dias umas quatro vezes ao dia esses batimentos anormais dura aproximadamente 10 segundos cada vez que da , o que e interessante e que e os mesmos sintomas que eu sentia antes de me dar a taquicardia ocorria isso antes , o que podera ser sera que corro o risco de voltar novamente as crises.

  4. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    22 abril, 2009 @ 7:54 PM

    Wolney, Você ainda está na fase rescente do cirurgia. Pode ocorrer algumas instabilidades elétricas. Aguarde um pouco mais. Não deixe de visitar o seu cardiologista para acompanhamento.

  5. karla comenta:

    30 julho, 2009 @ 8:25 AM

    meu marido descobri q ta com essa doença…
    e eu to muito preocupada …
    eu quero saber se essa doença é grave ,qual o risco q ela trás?
    e qual é melhor forma de viver com e o q evitar?
    obrigado

  6. Valdinei de Freitas comenta:

    14 agosto, 2009 @ 4:17 PM

    Os portadores da Síndrome enquadram-se no grupo de risco relativamente a Gripe H1N1?

  7. Renata comenta:

    30 agosto, 2009 @ 10:53 AM

    Fiz uma ablação em 2003, e no ano passado a cardiologista disse que ainda tinha a sindrome de wpw e me receitou 60mg de sotalol.A vida toda terei que tomar remédio?

  8. Andrea comenta:

    17 outubro, 2009 @ 7:47 AM

    A um mês atrás descobri que meu filho de 17 anos tem WPW, só que ele não apresenta nenhum sintoma Descobri atavés do eletro. Nós caso que não apresentam sintomas é preciso fazer a ablação?

  9. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    17 outubro, 2009 @ 8:34 AM

    Andrea,
    A ablação está indicada somente para os casos com muitos sintomas (taquicardia).

  10. Rafaeli comenta:

    3 dezembro, 2009 @ 9:39 AM

    Descobrimos, eu e meu noivo que ele esta com a sindrome, nos queriamos saber quanto em media custa uma cirurgia, poi o caso dele jah foi diagnosticado que é casa de cirurgia mesmo, e nos naum queremos esperar a boa voltado do sistema unico de saude, queria saber se vc pode me diser quanto custa em media uma cirurgia destas, obrigada, aguardo sua resposta

  11. OLIMPIO comenta:

    2 janeiro, 2010 @ 9:46 AM

    Olá,boa tarde a todos que lerem esta mensagem e um feliz e próspero 2010! Tenho WPW há vários anos, já me submeti à 3 ablações e uma quarta tentativa no INCOR e ainda tenho disparos devidos a esforço e às vezes em repouso mesmo,sou funcionário público estadual e estou atualmente na condição de parcialmente incapaz trabalhando administrativamente.Gostaria que por gentilesa se alguém puder me esclarecer (ajudar) em saber se esta tal WPW se enquadra em cardiopatia grave uma vez que de acordo com o estatuto dos militares esta condição daria direito a aposentadoria por invalidez.

  12. SILVIA GOMES comenta:

    12 janeiro, 2010 @ 9:55 AM

    Como faço para encontrar um médico que cuide deste problema ou que atenda area de arritmia e atenda o plano de saude da amesp pois tenho um encaminhamento do meu cardiologista para esta area para fazer exames mais preciso

  13. Camila Urgal comenta:

    15 janeiro, 2010 @ 11:44 AM

    Olá,gostaria de saber quanto custa um estudo eletrofisiológico do coração?!E em que hospitais fazem esse estudo,e quais aceitam pelo SUS!
    AGUARDO RESPOSTA!

  14. Rinaldo Dantas comenta:

    14 março, 2010 @ 9:25 PM

    Quem tem sindrome de WPW, tem direito a aposentadoria por invalidez.

  15. Maria Aparecida comenta:

    15 março, 2010 @ 9:49 AM

    Olá, sou funcionária pública( professora),tenho a sindrome de wpw, os sintomas estavam bem intensos e tive que fazer uma ablação em 19 de fevereiro de 2010 o médico me disse que foi um sucesso, mas está com menos de um mês e estou com os mesmos sintomas até mais intensos, fiz um outro eletrocardiograma e acusou o mesmo problema, estou muito preocupada e com muitas dúvidas a respeito de uma nova ablação. Gostaria de receber orientações e saber se tenho direito a aposentadoria por invalidez e em que quadro me encaixo?

    Obrigada pela atenção.
    Que o Senhor Guie sua vida!

    Rinaldo Dantas você está afirmando ou perguntando? Se você estiver afirmando, onde obteve esta informção?

  16. socorro silva comenta:

    17 março, 2010 @ 9:17 PM

    Descobri através de um eletrocardiograma que tenho WPW há sete anos atrás e sinto sempre uma forte dor do lado esquerdo e disparos no coração,a médica que me acompanha diz que é normal mas fico sempre com um pé atrás,será que vou viver muitos anos? Tenho 44 anos e gostaria de ver meus netos nascerem e crescerem. Será que tenho direito a aposentadoria por invalidez?

  17. FABIANA SILVA MONTEIRO comenta:

    23 março, 2010 @ 9:25 AM

    EU TENHO WOLF PARKISON WHITE,JA FAZ 7ANOS E TODO ESSE TEMPO TOMO REMEDIO TRES VESEZ AO DIA, TODOS OS DIAS. FAÇO TRATAMENTO NO INSTITUTO DO CORAÇÃO EM SÃO PAULO… E GOSTARIA DE SABER SE POSSO TOMAR A VACINA H1NI… GRATA

  18. NOVAES comenta:

    19 abril, 2010 @ 9:38 PM

    Descobri que tinha WPW em 1989 durante fase de intenso stress e até Nov de 1992 tomei ATLANSIL, porém após um atendimento médico devido a um acidente de trânsito, o médico me alertou sobre os riscos do uso prolongado do medicamento. Deixei de usá-lo imediatamente e desde então não manifestei mais os sintomas como palpitação que era bastante frequente até aquela data. Interessante é que eu tomava o medicamento de 2ª a 6ª feira e se acaso esquecesse de tomá-lo na 2ª feira, na terça era certeza: palpitação. Sou casado há 25 anos, estou com 49 anos e levo uma vida normal, sem excessos, sem fumo, pouca bebida e um pouco de natação e ciclismo. Detalhe: também não me preocupei mais com WPW, não realizei exames depois disso e só agora estou por curiosidade buscando mais informações.

  19. michele comenta:

    24 abril, 2010 @ 8:08 PM

    Meu marido tem a sindrome, estou confiante na ablação que será feita nele dia 26/04/2010, no hospital ADVENTISTA SILVESTRE NO RIO DE JANEIRO, voltatrei aqui para dizer que ele estará bem, confio muito em DEUS e no DR. Rodrigo.

  20. Rafaela comenta:

    14 julho, 2010 @ 10:21 AM

    Bom Dia! Dr. Armando.

    Sempre tive problemas com palpitações, mas só agora, aos 23 anos, após uma crise forte detectei que estou com WPW.
    Fiz vários exames, como ECO, HOLTER e TESTE ERGOMETRICO e a minha médica no primeiro momento disse que estava tranquilo e que deveria apenas acompanhar, só que em menos de 3 meses tive outra crise e desta vez documentada por eletro e então a minha médica disse que deveria fazer uma ablação, mas que poderia continuar na academia.
    Ao consultar outro médico de confiança da família, ele confirmou que devo fazer a ablação mas que devereia interromper imediatamente a academia ate que fizesse o procedimento.
    Estou muito nervosa, tendo problemas com insonia e tambem pensamentos atordoantes porque estou preucupada com o risco de morte subita e tambem dos riscos de ablação. poderiam por gentileza me passarem mais informações quanto a estas duvidas expostas e tambem sobre continuar fazendo exercicios fisicos.

    Obrigada

    Obrigada

  21. mendes comenta:

    8 setembro, 2010 @ 12:56 PM

    eu tenho wolff parkinson what. o quer eu nao posso fazer?
    tipo jogar bola corre etc.

  22. FabioChies comenta:

    15 setembro, 2010 @ 1:17 AM

    Olá, pessoal!
    Olha só. Tenho 29 anos e descobri que tinha WPW aos 12 anos numa montanha russa. Depois não senti mais nada até os 14, quando numa aula de educação física tive novamente a palpitação. Resisti até os 16 anos, mas então começou a dar palpitação toda hora. Tinha muitas crises. Vocês sabem, aquela sensação chata, mas sem taquiarritmia, só a palpitação. Bem fui num cardiologista e ele fez um eletrocardiograma que detectou a “onda delta” tradicional. Bem, nem acreditei. Na hora meu mundo caiu. Ele me receitou um antiarrítmico, que eu não tomei. Pois com 16 anos eu me recusava a aceitar essa idéia. Então tomei remédio para stress e pareceu ter sumido. Passei alguns meses e então começou a dar de novo. Aos quase 17 anos fui noutro cardiologista, que fez outro eletro, ecografia, hotler, enfim, tudo, e novamente o mesmo diagnóstico … WPW. Mas ele disse que não iria me receitar nenhum remédio e que era algo benigno, que não era para mim me preocupar e era pra voltar novamente depois de uma ano. Bem, não voltei. Passaram-se 10 anos, até que em 2006 tive uma taquiarritmia, eu seja meu coração disparou a mais de 200bps. Bem, me controlei e me recuperei. Mas não havia aceitado a situação ainda. Fui num psiquiatra, que me receitou remedios para depressão, para dormir e ATENOLOL 25mg, bem fraquinho, que é um antiarritmico. Então não senti mais as taquiarritmias, mas as palpitações se mantinham. Aliviavam por um ou dois meses, depois voltavam e as vezes eu ficava um dia ou dois tendo a cada pouco. Muito estressante. Em 2008, nova crise, refiz todos exames de novo, eco, eletro, esteira, mesmo resultado. Ainda assim aguentei até o início deste ano, depois decidi que era hora de desistir. Chega de lutar, fui procurar um cardio eletrofisiologista e por um fim nisso. Foi o que fiz, pesquisei um dos melhores e fui. Morreeeendo de medo, pois já sabia o que me aguardava. Chegando lá, encontrei na sala de espera outras pessoas com o mesmo problema, uma que teve que colocar marcapasso depois da ablação, que é o pior resultado que pode ter, um dos seus piores efeitos colaterais. Mas são poucos os casos, mas existem e lá estav um. GELEI. Quando entrei para falar com o médico, ele olhou meus exames e foi categórico: “Temos que fazer um estudo eletrofisiológico para definir que tipo de WPW você tem. Se é benigno ou não, se você corre risco de morte súbita ou não, enfim. Ele me afirmou que sem o exame não tinha como dar certeza de nada. Ele, ainda bem, não me deu tempo para pensar. Ele já ligou pra sua secretária e mandou ela tomar todas as providências. Isso foi numa sexta-feira e na terça-feira seguinte realizei a ablação. Ainda bem, pois se eu tivesse que esperar mais um dia, eu acho que elouqueceria. O pior foi na segunda-feira de noite depilar as virilhas no banho, eu tremia as pernas. Bem, realizei enfim o procedimento, quase morri de medo. Quando entrei na sala cirúrgica, me apavorei com a quantidade de equipamentos e a equipe: anestesista, tres cardiologistas, enfermeiras, enfim. Já tinha estado numa sala de cirurgia, mas não hemodinâmica. è muuuito diferente. O fato é que no que deitei na mesa, o anestesista me levou rapidinho para outro plano. Anestesia foi local, mas o sedativo me pôs em alpha e só acordei na sala de recuperação, onde fiquei por um dia. Resultado, a ablação foi parcial. Foram abladas algumas vias, com exceção de uma que estava muito perto do feixe de hiss e que, segundo o médico, quando simularam uma fibrilação atrial em mim (eles põe teu coração pra bater a mais de 200bps para ver se aguenta) ferificaram que aquela via que ficou é benigna, pois ela aguentou até 300bps. Segundo o médico somente abaixo de 220bps é que oferece risco de morte. Voltei para casa e depois de 3 dias, vida normal. Retornei ao médico para revisão e ele me explicou que a via que ficou não oferece risco e que se ele tentasse ablá-la, talvez eu tivesse que por um marcapasso, havia risco. Enfim, contudo ele manteve o atenolo, que segundo ele é um dos remédios mais fracos, e eme liberou pra todas as atividades. Desde então, não senti mais nada. Isso foi em março. Não sei se vai continuar assim ou o quê. Mas por enquanto está ótimo. Tenho que voltar ano que vem para um reconsulta. Mas acho que o resultado foi positivo. Pelo menos estou vivendo melhor agora e mais tranquilo. O médico me disse que tem WPW que é muito pior, que esta por fora do coração ou sei lá, que as vezes tem que fazer com o peito aberto daí. E tem pessoas que não conseguem viver de tanto que atrapalha. Mas agora tem até a crioabalação pra WPW, que é feita com gelo parece. Diz ele que em breve vai estar no Brasil. Ele foi pros EUA fazer um curso lá e lá já está em uso. Parece que é bem mais segura. Enfim, não se assutem, tem muito tratamento e dá pra resolver. Eu sofri muito mais durante os anos que vivi na dúvida, do que com a abalação. É considerado um procedimento muito simples pelos médicos e vai ficar ainda mais. Abraço e oa sorte a todos. Qualquer coisa, podem me escrever no meu email, se eu puder ajudar, será um prazer.

  23. FabioChies comenta:

    15 setembro, 2010 @ 1:22 AM

    Meu email fabiochies@terra.com.br

  24. solange raitz comenta:

    2 outubro, 2010 @ 8:22 PM

    Meu filho de 17 anos tem WPW, nunca demostrou qualquer sintoma até que na semana passada depois de uma festa ele teve desmaios,pressao baixa , isso p0de ter algo com a sindome? .

  25. daniela de oliveira comenta:

    18 novembro, 2010 @ 7:28 PM

    Ola a todos!descobri a alguns meses por acaso que tenho wpw e desde entao sao consultas mensais num hospital especializado em doencas coronarias que fica a 600 km da minha cidade, ja fiz cateterismo com ablacao mas infelizmente nao deu certo, ja estou no segundo tipo de medicamento e nao vejo solucao nem luz no fim do tunel.A sensacao diaria de estar cansada, tonta,saindo do corpo ao menor esforco me faz sentir que estou entrando em depressao, pois sempre fui muito saudavel e gosto de praticar esportes e cantar e sao coisas que ja nao posso mais fazer.estou sempre a procura de novos procedimentos e medicamentos e por isso achei esse site.Meus medicos sao otimos profissionais e fazem com que tudo seja leve mas na ablacao tive que sofrer compressao manual e mecanica na perna por sentir dores e ter formado um hematoma e ate hoje um mes apos estou com a area roxa e dolorida, o que ajuda a nao esquecer o que terei que passar novamente mes que vem ou no proximo.O que posso fazer para ter mais qualidade de vida…nao sou sedentaria e tenho vivido de forma a quase nao me mexer pra nao ter tanta taquicardia.SOCORRO!

  26. Fabio comenta:

    19 novembro, 2010 @ 7:43 AM

    Solange, pode ser. É bom você levar ele em um eletrofisiologista. Saber que tipo de WPW você tem é fundamental. Eu nunca desmaiei, graças a Deus. Mas desmaiar pode significar uma forma mais perigosa de WPW. Contudo, não se assuste, pois meu eletrofisiologista disse que operou um garoto de 15 anos que desmaiou jogando futebol e quando finalizou o procedimento viu que a via anomala dele não era o motivo do desmaio, pois ela era benigna, e inclusive o liberou para os esportes de novo.

    Daniela, essas sensações que vc tem, tortura, de estar cansada, ou saindo do corpo, você perguntou para seu médico se isso é do WPW ou se é dos medicamentos ou de um quadro depressivo???? Porque, pode não ter nada a ver com seu WPW. Quantos anos você tem? Olha, não sei, mas se se caso fosse grave os médicos teriam colocado um marcapasso, acho. Pelo menos, meu médico disse que esse seria o procedimento em última instância, caso necessário fosse.

  27. edna de tatui comenta:

    9 fevereiro, 2011 @ 8:31 PM

    sou portadora de wpw tive gravides gemelar equase morri poque nao podia tomar os medicamentos graças s DEUS em primeiro lugar e a equipe medica que cuidou de mim da clinica de cirurgia cardiaca dr silas galvao do hospital da beneficiencia portuguesa em sao paulo nao tenho mais taquicardia a 16 anos estou curada fiz duas ablaçao

  28. sara comenta:

    20 fevereiro, 2011 @ 9:12 PM

    tenho sindrome de wolf,fiz ablação trans cateter mais ainda sinto dores no peito pq?

  29. sara comenta:

    20 fevereiro, 2011 @ 9:32 PM

    Olha, Sara, eu não sei lhe responder. Eu nunca tive dor no peito. O WWP pode dar muitos tipos de sintomas, para mim sempre foi problema as palpitações. Procure seu eletrofisiologista e se informe. Pode ser até psicológico ou outro problema que nem com o coração. Eu te aconselharia ligar para teu médico.

  30. Daniele comenta:

    21 março, 2011 @ 8:05 PM

    Venho sentindo muita taquicardia desde 2009 fui ao cardiologista fiz exames que não deu nada, mais essa semana piorou muito esses sintomas então vou de novo ao medico ver se ela faz o pedido pra fazer esse exame quero me curar disso pois esses sintomas traz uma angustia muito grande um medo que só quem senti pode explicar.

  31. Josie Teixeira comenta:

    11 abril, 2011 @ 10:53 AM

    Descobrimos recentemente (2009) que minha mãe têm WPW após uma crise de taquicardia, esteve em atendimento com cardiologista o qual encaminhou para um serviço especializado em Belo Horizonte. porém na época resolvi levá-la a outro cardiologista amigo meu, para ouvir uma segunda opinião e o mesmo solicitou um ecodopller com esforço, durante o exame minha mãe teve problemas sua pressão arterial não abaixava, sentia muita cefaléia e foi encaminhada para o setor de emergêrcia do hospital e dali passou a aguardar vaga para realização de um cateterismo que obteve um resultado inconclusivo. Minha pergunta é: como que um problema desses considerado genético veio se manifestar somente agora aos 52 anos de idade? Estou preocupada pois não foi indicado nenhum antiarrítimico, ela faz uso apenas de enalapril 10 mg, e na última quinta-feira teve uma crise, mais leve, precordialgia, dor em Membro superior esquerdo e cefaléia, além da taquicardia foi medicada para dor (Buscopam) no Pronto atendimento e depois liberada e essa semana por insistência minha irá procurar o cardiologista que diagnosticou WPW para dar continuidade ao tratamento. Minha mãe corre risco de ter morte súbita? mesmo tendo crises espaçadas? Por favor me mandem um e-mail. Obrigada!

  32. Fabio comenta:

    14 abril, 2011 @ 9:06 AM

    Josie, a sua mãe chegou a fazer o cateterismo? Foi um estudo eletrofisiologico? Qual foi o resultado do laudo. Somente o estudo eletrofisiologico pode definir se há risco para sua mãe ou não. Que tipo de WPW ela possui, se benigno ou não. Se for perigoso, o médico irá, durante o procedimento de estudo eletrofisiologico, mapear as vias anômalas e fazer a abalação delas. Se não é possível e oferece risco de morte, eles colocam até mesmo um marcapasso em último caso, mas em útimo mesmo. Mais de 90% dos casos ou são resolvidos com ablação ou não trazem risco a vida da pessoa. Então, sugiro que você procure um bom médico e informe-se melhor, pois os sintomas de sua mãe podem não ter nada a ver com o WPW. Ele pode ser hipertensa e a taquicardia ser disso. Buscopan não tem nada a ver com WPW. O enalapril já é um anti-hipertensivo e pode também atuar no controle da taquicardia, mas pode não estar sendo o adequado para sua mãe. Acho melhor você procurar um bom médico. Abraços!

  33. Daniela pereira de oliveira comenta:

    14 abril, 2011 @ 1:40 PM

    Eu tenho a WPW e como podes ver no post acima estava apavorada no início, mas ao longo do tempo descobri que com cuidado, medicação correta e seguindo a orientação médica certinha dá para levar uma vida normal.
    Tenho quarenta anos, “fumava”, sempre fui muito agitada, faço caminhadas diarias e estudo a noite e mesmo assim estou bem, me cuido, deixei de fumar(confesso não está sendo fácil), mas sinto que risco de morte não corro. Meu primeiro cateterismo não deu certo, mas no ultimo exame o medico não achou problema algum, tenho outra consulta em junho que espero que revele que realmente não tenho mais o problema. Portanto Josie se sua mãe seguir as recomendações medica direito e tomar a medicação é grande a chance dela sentir melhora. Espero ter ajudado de algum jeito.Abraços.

  34. Mendes comenta:

    30 abril, 2011 @ 10:32 AM

    Eu tenho 18 anos descubri Wolff Parkinson White aus 17 queria saber quantos porcento de chance de sopreviver na cirurgia
    e quanatos de cura quero a verdade e arriscado

  35. lucimara comenta:

    18 junho, 2011 @ 6:01 PM

    descobri que wpw há pouco tempo e ainda tenho ´preocupações

  36. kamila carlos de oliveira comenta:

    27 junho, 2011 @ 5:02 PM

    Ola; eu descobri que estava com a sindrome de WPW em fevereiro de 2009 e fiquei muito assustada com a noticia pois pensei que não fosse resistir a cirurgia mas graças a DEUS fiz a cirurgia em outubro de 2009 e deu tudo certo graças a DEUS ; O meu medico me disse que depois da cirurgia eu não iria sentir mais nenhum sintoma e não foi assim apos a cirurgia fiquei bem ums 2 meses mas depois veio a falta de ar e palpitaçoes novamente, resolvi fazer outro elotrocardiograma para saber se havia mais um nervinho e o resultado foi animador pois não havia mais problemas no meu coração mais por que esses sintomas? meu medico me disse que eu ja estava com depressão e me receitou um remedio para os nervos pois ja estava ficando muito nervosa de sentir dores e não ser nada.
    Depois da cirurgia ja fiz ums mais de 10 exames eletro, eco, holter….. e todos não acusam nada
    eu queria uma explicação para o meu caso pois eu ainda tenho sintomas de arritimia , quando eu me esforço para fazer caminhada vem as palpitaçoes por volta de ums 20 minutinhos e os sintomas emocionais tambem me da falta de ar ….
    por favor me ajudem a entender se eu não tenho mais o nervinho e nada no coração por que eu tenho os mesmos sintomas???

  37. Claucia Britto comenta:

    9 agosto, 2011 @ 9:07 PM

    Oi,eu também sou portadora da sindrome de WPW, descobri que estava com esta doença em 2006 e logo fiz uma ablação,que momentaneamente deu certo,mas com o tempo voltei a sentir os sintomas novamente e tomo sotalol de 160mg,gostaria de saber se o portador deste síndrome tem direito a aposentadria ou afastamento temporario pelo INSS.

  38. conceição comenta:

    11 outubro, 2011 @ 5:38 PM

    Oi o meu filho também é portador do WPW sendo que os médicos de Campos dos Goytacazes, não diagnosticaram a doença.Ele tinha uma pequena ausencia de segundos . O Neuro diagnosticou como Ausência e ele usou remédios controlados por mais de doze anos.Aos dezesseis ele ficava muito cansado e resolvi levar a um Clinico a doença não era diagnosticada no ECG e nem no ECO, só quando fez o Roter que foi detectado. Ai começou a minha maratona nos cardiologistas,ele estava morrendo e ninguém percebia, sendo que em nossa cidade não possuia esse procedimento e os médicos nem sabiam onde era feita esta cirurgia. O que gastei de ligações… Enfim encontrei um Anjo(médico). Que nem conhecia agente e nos encaminhou a SP ,Hospital B. Portuguesa onde fomos muito bem recebidos,sendo submetido a oblação que foi um sucesso… Acho que aqui em minha terra as pessoas morriam e nem sabiam de quê? Espero que esse quadro tenha mudado, tive que acionar o Ministério Púbico para ele poder fazer o procedimento em SP ele so não morreu porquê sou guerreira,pois o plano não quiz cobrir alegando doença pré existente.

  39. Esther comenta:

    13 outubro, 2011 @ 11:16 AM

    Alguém pode me responder????????? Em maio de 2011 fiz ablação no incor, pois tinha WPW, a minha frequencia era até 160, após a cirugia continuo com a frequencia de até 120 – 130, e sinto muita falta de ar. O médico me receitou um medicamento, mas cai a pressão. Não estou tomando mais…..não posso caminhar nem 200 mts., nem tomar banho direito. Aguardo..tenho 59 anos.

  40. valbia comenta:

    5 novembro, 2011 @ 9:00 AM

    conceição também sou de campos dos goytacazes e tenho um filho de dois meses que passou mal e foi internado na UTI mas cardiopediatra detectou WPW. gostaria de saber qual é o procedimento após esse período crítico?

  41. Daniela Ribeiro comenta:

    21 novembro, 2011 @ 10:30 AM

    Olá, tenho minha frequencia cardiaca muito alta, sinto muita falta de ar, a tenho desmaiado e com frequencia sinto tonturas, tenho acompanhamento médico a 2 anos mais ele so me pede o eletro, e me passa remédios para controlar a pressão, a qual ja chegou a 26 por20, agora está controlada. Mais a arritimia é muito alta não ando muito pois sinto tontura e meu coração parece q vai sair pela boca, conversar também ficou complicado pois a falta de ar é muita…Quero muito a ajuda de pessoas q entende…

  42. Daniela Ribeiro comenta:

    21 novembro, 2011 @ 10:32 AM

    Caso seja Necessário tenho 30 anos.

  43. daniela pereira de oliveira comenta:

    21 novembro, 2011 @ 11:04 AM

    Olá a todos!
    Assistindo a um programa médico , fiquei sabendo que uma vez que tenhamos diagnóstico de wpw, não podemos deixar de lado os cuidados nunca, mesmo sem sintomas e passar por procedimentos cirurgicos só os realmente necessários. Eu fiz o cateterismo com ablação, fiz todo o tratamento medicamentoso e sinto-me bem e pensava em passar por um procedimento estético que infelizmente fiquei sabendo não será possivel, pois uma vez que tenhamos sentido os sintomas , sempre seremos considerados portadores da síndrome.

  44. Fabio comenta:

    21 novembro, 2011 @ 2:30 PM

    Daniela, procure um eletrofisiologista urgente. Você já está com insuficiência cardíaca em função possivelmente dos remédios que está tomando. Vc precisa de ajuda especializada. Não perca tempo. Abraços!

  45. HUDSON comenta:

    21 novembro, 2011 @ 8:15 PM

    oi pessoal, descobri hoje que tenho essa doença tambem, gostaria de saber se vai ficar tudo bem comigo, pois quero continuar minha vida normalmente, fazendo o que gosto de fazer, será que tenho que fazer cirurgia, pois essa doença ocorre em 4 de 100 mil pessoas mas as cirurugias diz que a cada 1000 pessoas morre 1 pessoa, entao estou com medo, me ajudem

  46. daniela pereira de oliveira comenta:

    22 novembro, 2011 @ 12:48 PM

    Fabio, vc não entendeu….eu faço acompanhamento cardiologico, sim!! Tenho uma equipe ótima que me dá suporte e faço exames regularmente. Obrigada pela preocupação e mensagem, abraços.

  47. daniela pereira de oliveira comenta:

    22 novembro, 2011 @ 1:12 PM

    Olá Hudson!
    É normal o seu medo inicial, tambem senti ao descobrir e é com razão que sentimos, eu fiz cateterismo com ablação, em otubro do ano passado e por um periodo ainda senti a batida, mas hoje não sinto mais nada.
    O que tens que fazer é consultar, seguir as recomendações médicas e procurar ter uma qualidade de vida melhor, temos que fazer algumas mudanças de inicio e com o tempo acostumamos. Eu consigo hoje ter folego para cantar no coral do qual participo e até minhas caminhadas estou retomando aos poucos,mas não esqueço de ir devagar e com cautela, afinal uma vez que tenhamos o diagnostico sempre temos que nos cuidar, mesmo tratando e não sentido mais nada.Abraços.

  48. Fabio comenta:

    22 novembro, 2011 @ 11:16 PM

    Daniela Pereira de Oliveira:

    Desculpe-me, mas eu estava falando com a outra Daniela, a Daniela Ribeiro. Acho que houve um mal-entendido!

    Abraço!

  49. Daniela Ribeiro comenta:

    23 novembro, 2011 @ 11:39 AM

    Oi Fábio sua resposta me deixou mais preocupada pois na região onde mora não tenho uma boa medicina, não tenho uma equipe medica completa.Quero q vc me enforme os sintomas detalhados pois amanha estarei indo ao meu cardiologista. Tenho problemas de má formação em todo o aparelho urinario, nos rins principalmente por isso minha pressão é altissima, mais tenho amor pela a vida e caso eu esteja com essa sindrome irei para outros lugares a procura de recussos, preciso de ajuda, mina família está muito preocupada pois tenho sentido bastante tonturas e as palpitaçoes são muito fortes, é alguns esperam que eu morra a qualquer momento…Mais agradeçoa DEUS por vc ter aparecido…kkkkkk…e já está me ajudando….

  50. FABIO comenta:

    5 janeiro, 2012 @ 4:00 PM

    valeu fabiochies pela fita… me animou … eu tenho WPW… nunca gostei muito de estudar, mais com esse problema eu to estudando sobre isso pra valer…mais todos me tranquilizaram…disseram que corre tudo bem… pior é estar com wpw…

  51. fernanda comenta:

    10 janeiro, 2012 @ 9:32 PM

    oi meu marido tem 31 anos e descobriu que tem wpw eu estou muito preocupada pois ele tem muito medo de morrer queria que me esclaresecem uma coisa que tem essa doeça nao pode trabalhar tem o direito de ficar encostado me ajude qual e o medicamento indicado

    obrigada

  52. fernanda comenta:

    10 janeiro, 2012 @ 9:34 PM

    ele ta tomando verapamil mas tem muitos sintomas

  53. Eduardo comenta:

    23 janeiro, 2012 @ 3:48 PM

    Tenho 25 anos descobri a +- 3 semanas que possuo WPW em um eletrocardiograma.
    Quarta-feira 23/01/2012 vou no instituto do coração em porto alegre para fazer os procedimentos.
    Fumo uma carteira de cigarro por dia, porém quando era mais jovem sempre fiz esportes e sempre usei ao maximo minha capacidade corporal fazendo exercicios ou brincando.
    Nunca tive restrições para nada.
    Agora gostaria de saber se largar o cigarro é algo muito importante ja que vou fazer a ablação e pelo que tem risco da Sindrome voltar.
    meu email é eduardo_angus@hotmail.com

  54. Ronaldo Morais comenta:

    21 fevereiro, 2012 @ 1:35 AM

    Olá pessoal, tenho 38 anos descobri meu WPW com 16 anos, fui uns dos primeiros a utilizar a ablação no Brasil como cura, desde então fiz por volta de 15 ablações em nenhuma delas com sucesso… Mas tudo bem convivo com WPW muito bem, sem nenhuma restrição, esporte, diversão, montanha russa (disney)… sempre com o meu sotacor…Caros colegas com sidrome WPW é uma doença fácil de se viver nada de fim do mundo… Fé em Deus…Boa noticia…. não sei o que aconteceu mais já fazem 10 dias que não tomo medicamento…(sotacor)… é esta tudo normal… Será que foi embora WPW…

  55. Núbia comenta:

    22 março, 2012 @ 11:39 PM

    descobrimos que com 45dias de vida meu sobrinho esta com wpw, gostaria de saber os risco. Hoje ta com 2anos e deu bronquite asmatico isso pode agravar

  56. Fabio Chies comenta:

    23 março, 2012 @ 8:35 AM

    Núbia, também tenho asma. Uma coisa não tem relação com a outra. A única coisa é que o broncodilatadores que normalmente usamos para a asma potencializam crises de taquicardia. Mas fora isso, não conheço outros problemas. Os riscos só seu médico poderá dizer. Pode não haver nenhum, como na maioria dos casos. Abraço!

  57. cristina comenta:

    29 março, 2012 @ 3:31 AM

    meu filho fez trez ablações, não resolveu o problema, descobrimos aos dezoito anos quando ele ia servir a marinha desde então ele ,e depressivo

  58. cristina comenta:

    29 março, 2012 @ 3:36 AM

    meu filho não dorme durante a noite com medo de dar alguma coisa errado, vamos ao médico de madrugada e os exames estão no padrão para quem tem wpw, preciso de uma ajuda para saber o que posso fazer para ajuda-lo, ele é uma pessoa difícel, na última ablação a doutora dele disso que não podia fazer nada por estar muito próximo a coronária, fico preocupada

  59. cristina comenta:

    29 março, 2012 @ 3:45 AM

    como posso ter o Email das pessoas que comentaram, talvez isso me ajude um pouco conversar com pessoas com o mesmo problema

  60. Everton comenta:

    4 abril, 2012 @ 2:23 PM

    Olá pessoal, em 2010 descobri que tinha WPW durante um jogo de futebol eu apaguei, já era a terceira vez que isto acontecia, porém até aquele momento não tinha procurado um medico, então fiz alguns exames e meu cardiologista marcou uma cirugia de ABLAÇÃO, fiz a cirurgia um mes após saber que tinha o problema, de la pra cá estou fazendo acompanhamento, primeior foi quinzenal, depois mensal, trimestral, semestral, sempre tenho que fazer exames. Meu medico me liberou para praticar exercicios, porém não corro 5 minutos e ja estou com muita falta de ar e cansaço.
    Meu médico me deu todo apoio e informações necessarias, mas não consigo ficar tranquilo, minha vida jamias foi a mesma, mas a familia e amigos nos fazem esquecer os problemas e continuar vivendo com alegria.

  61. RIZOLANGELA DOS SANTOS comenta:

    20 abril, 2012 @ 11:50 PM

    fiz o exame ECG e confirmou que tenho pre arritmia gostaria de saber se esse problema tem cura e o que tenho que fazer para viver mas .

  62. elizangela comenta:

    2 maio, 2012 @ 12:49 AM

    minha filha de 11 anos tem esses sintoma descubrimos que ele tem essa doença não sei o fazer estou muito preoculpada mais não sei por onde começar ela teve crise taquicardia +cianose

  63. Narciso comenta:

    21 maio, 2012 @ 9:23 AM

    Com 23 anos descobri que tenho wpw,mais nunca procurei um médico nem tomo remedio para me tratar pois jovem rebelde sabem como é? Hj com 23 me precoucupo mais,queria saber quais os riscos que corro ja que não me trato? Fico mais preoucupado pois meu pai teve um enfarte dormindo.

    Obrigado.

    Narciso Luiz.

  64. Narciso comenta:

    21 maio, 2012 @ 9:24 AM

    Corrigindo hj com 29.

  65. Narciso Alves comenta:

    22 maio, 2012 @ 10:47 AM

    Quanto tempo pode viver uma pessoa diagnosticada com SWPW,mais que não se cuida a 06 anos?

  66. Luzia Caio comenta:

    31 maio, 2012 @ 5:07 PM

    Gostaria de saber para quem é portador da síndrome de WPW pode realizar cirurgias invasivas? Pois, sou poradora desta síndrome,já realizei uma única vez cirurgia das palpebras e ocorreu tudo bem.
    Pretendo fazer cirurgias de fins sintéticos……posso ou não realizà-las???????? Agra decida!

    Ah,tenho 59 anos.

  67. gisele comenta:

    27 junho, 2012 @ 2:16 PM

    Eu tenho 22 anos e descobri que tenho WPW então os meus cardiologistas me indicarão a cirurgia, mas estou com muito medo, pois até 1 mês atráz não tinha nada ou pelomenos não sabia,porque afinal, já nasci com essa não conformidade.
    A cirurgia é tranquila? ou tenho que me preocupar mais?

    grata

  68. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    27 junho, 2012 @ 8:43 PM

    Gisele,
    As técnicas modernas de correção das arritmias é bem eficiente e com poucos ríscos. Geralmente feito por ceteter. Converse com seu médico a respeito de como vai ser feita a cirurgia. Confie que tudo vai dar certo.

  69. valquiria santos comenta:

    8 julho, 2012 @ 12:27 AM

    Em 2010 meu marido e eu descobrimos que ele aos 41 anos tinha a sidrome de WPW, após uma forte crise de arritimia, ele passou por uma ABLAÇÃO por cateterismo mais nao foi possivel cauterizar a via anomala pois se o dr insistisse em cauteriza-la poderia haver um bloqueio total das duas vias e ele nao resistiria. Após sua recuperacao voltamos ao medico e ele insistiu em meu marido tentar outra vez a ABLAÇÃO e se nao der certo o procedimento, o dr entao teria que cauterizar a via anomala e a via normal e instalaria antes um macapasso permanente, mais meu marido nao quer nem ouvir falar em macapasso.Nos ja procuramos varios especialista nesse caso e todos dizem a mesma coisa que o primeiro medico. Atualmente nos estamos com uma medica especialista em WPW que ja tentou convence-lo mais nao tem jeito, ele esta tomando RITIMONORME de 300 mg duas vezes ao dia, mais mesmo assim as vezes ele tem algumas crises e isso me deixa muito preocupada, porque ele é fucionario publico e trabalha na parte administrativa e sofre muitas cobranças e pressoes no trabalho e quando ele esta muito estressado por conta disso e justamente quando começa as crises a medica dele ja deu um laudo medico para ele relatando que ele nao pode sofrer estas pressoes psicologicas, mais ele tem resceio de entregar este laudo no trabalho e inves de melhorar as pressoes fiquem pior uma vez que todos no setor ja sabem de sue problema inclusive que o estresse aumenta as crises e no entanto nao estao nem ai. Fica aqui meu relato e minha tristeza por saber que alguns seres humanos que se acham os super-herois que nunca irao passar por problemas de saúde algum e se acham no direito de provocar pessoas assim como meu marido e querer mais que morram diante ate mesmo de seus olhos, pois esta sindrome pode sim provocar morte súbita. Que Deus proteja a meu marido e a todos as pessoas que infelizmente sofrem com esta sindrome e tambem com A DOENÇA CHAMADA MALDADE.

  70. Everton comenta:

    30 novembro, 2012 @ 9:20 AM

    Pessoal, eu fiz o comentário em 4/abril, minha vida estava tudo tranquilo depois da ablação, até que decidi ficar sem fazer os exames necessários acordo solicitação de meu médico, então passados mais 6 meses do que fora solicitado tive uma forte dor no peito e passei a noite toda no hospital sendo monitorado, isto a mais ou menos 15 dias, na noite passada novamente tive fortes dores no peito e mais uma vez constatado arritmia e passei novamente, estou fazendo novamente todos os exames e vamos ver no que vai dar.
    Porém meu coração agora tem que aguentar, pois faz 4 meses que me tornei pai de gêmeas, haja coração.
    Abraços e que Deus abençoe a todos.

  71. Jocimar Aparecido carvavhlo comenta:

    21 janeiro, 2013 @ 9:59 AM

    Tenho wpw, a 3anos tomo propafenona300mg,as vezes não me sinto muito bem, mas já marquei a ablação. Gostaria de saber se tenho direito a algum beneficio enquanto estiver com a doença.

  72. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    22 janeiro, 2013 @ 6:15 PM

    Jocimar
    O WPW é um variação da anatomia do feixe do sistema nervoso do coração. Milhões de pessoas apresentam esta variação anatômica. Algum apresentam episódios de taquicardia decorrente de um rápido estímulo através deste circuito e necessitam de tratamento com medicamentos ou ablação. Assim, não constitui uma doença. Não sei informa-lo se tem direito a algum benefício em decorrente destas taquicardias.

  73. Jocimar Carvalho comenta:

    28 março, 2013 @ 9:43 AM

    Dr. tomo propafenona 300 mg,parece que está em falta caso não acho mais qual outro que possa substituilo.
    Nos dias anteriores estou sentindo muitas palpitações e sinto como se estivese gorfando ar .

  74. marcio macedo comenta:

    6 novembro, 2013 @ 7:45 AM

    eu sou portador da sindro de wpw,sou funcionário da prefeitura gostaria de saber se dar direito a aposentadoria?

Deixe seu comentário aqui !