06 - maio
  

Instituições de Longa Permanência para Idosos – ILPI

Categoria(s): Cuidador de idosos, Enfermagem, Farmacologia e Farmácia, Fisioterapia, Gerontologia, Nutrição, Saúde Geriátrica, Terapeuta ocupacional




Resenha

Colaboradora: Ana Cristina Tosta *

* Enfermeira e pós-graduanda do curso Saúde e Medicina Geriátrica da Metrocamp. Enfermeira da Casa de Repouso “Alan Kardec”.

INSTITUIÇOES DE LONGA PERMANENCIA PARA IDOSOS: o que é, e como funciona.

A velhice sempre esteve relacionada a pobreza, ao abandono, e a perda de laços familiares. Além do que a maioria dos idosos brasileiros vivem em precárias condições de vida, quer do ponto de vista social, quer do ponto de vista financeiro. Enormes são as carências nas áreas de saúde, previdência, educação, cultura e lazer, entre outras (Annunziato,2007). Com o passar dos anos a pessoa idosa esta precisando ainda mais de atenção e cuidados, mas, agora a falta de atenção esta em seus familiares, por não estarem tão mais presentes no seu cotidiano, fato este, devido a uma vida tumultuada e corrida dos membros da família. Na relação pais e filhos, esses últimos, inicialmente numa situação de dependência total vão aos poucos se tornando independentes. Ao chegar à velhice a tendência ao aumento de limitações e incapacidades, faz com que os filhos sejam levados a dispor maior atenção e cuidados a seus pais, invertendo-se os papeis anteriores a relação de autoridade. (Annunziato,2007). Então, optam em acomodá-los em instituições de longa permanência para idosos (ILPIs), ou alguns asilos ou clinicas. Para muitos idosos a ILPI é considerada uma nova família, onde pode resgatar o respeito, segurança, ter novas oportunidades, amizades novas e assistência em suas necessidades.

O primeiro asilo para idosos foi fundado no Rio de Janeiro, em 1782, pela Ordem Terceira da Imaculada Conceição, com capacidade para 30 leitos (Born, 2005). De acordo com a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (Seção São Paulo, 2003), a palavra Asilo define-se (do grego ásylos, pelo latim asylu) como casa de Assistência Social onde são recolhidas, para sustento ou também para educação, pessoas pobres e desamparadas, como mendigos, crianças abandonadas, órfãos e velhos. Considera-se ainda asilo o lugar onde ficam isentos da execução das leis, os que a ele se recolhem. Relacionam-se assim, a idéia de guarita, abrigo, proteção ao local denominado de Asilo, independentemente do seu caráter Social, Político ou de cuidados com dependências físicas e/ou mentais.

Por definição, segundo o manual de funcionamento da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) Seção São Paulo, Biênio 2002/2003. Atualmente as ILPIs ( Instituições de Longa Permanência para Idosos), são estabelecidas para atendimento integral institucionalizado em cuidados prestados a pessoas de 60 anos e mais, dependentes ou independentes, que não dispõem de condições para permanecer com familiares ou em seu domicilio. Essas instituições, são conhecidas por denominações diversas: abrigo, asilo, lar, casa de repouso, clínica geriátrica e ancianato. Elas devem proporcionar serviços na área social, médica, psicológica , enfermagem, terapeuta ocupacional, odontologia, entre outras, conforme necessidades desse segmento etário.

Esse atendimento é realizado em locais, fisicamente adequados e equipados para proporcionar cuidados aos idosos, mediante pagamento ou não, durante um período indeterminado. Estes locais devem reproduzir um ambiente residencial, mantendo as características de um lar. Não devem ser marcados pelo isolamento, afastados da vida urbana, nem ser espaço de uniformização da vida de seus usuários.

Devem prever, na medida do possível, a participação dos usuários na qualidade individual dos ambientes, especialmente naqueles mais íntimos e reservados – os quartos, por exemplo, (Annunziato, 2007). Além disso, esse local deve fornecer o uso de elementos que atuem de forma positiva sobre a memória física dos idosos e,ocasionando uma relação e aprendizagem com o novo lar e novo espaço, deve ser facilitado incluindo objetos que sejam capazes de resgatar antigos hábitos, experiências, recordações, fazendo com que seu cotidiano atual seja o mais parecido com a sua antiga residência. Deve dispor de um quadro de profissionais capacitados para atender às necessidades de assistência social, alimentação, higiene, repouso e lazer dos usuários e desenvolver outras atividades que garantam sua qualidade de vida. Sempre que possível, as atividades deverão ser planejadas em parceria e com a participação efetiva dos idosos, respeitando suas demandas e características sócio-culturais, (Annunziato, 2007). Do que se pensa as ILPIs não ficam omissas diante de certas ausências e apatia do familiar. Procuram estabelecer contatos entre familiar-idosos, justificando que são fundamentais para o bem-estar dessa população (Creutzberg,2007).

Hoje as ILPIs devem estar adaptadas e regulamentadas perante as leis para manter um padrão mínimo de funcionamento. A ANVISA (Agencia Nacional Vigilância Sanitária) estabelece normas a serem aplicadas em todas ILPIs, governamental, ou não, destinadas a moradia coletiva com pessoas de 60 anos ou mais, com ou sem suporte familiar. Atendendo pessoas idosas com variações de dependência, ou seja, aquelas que requerem o auxilio de outras, e equipamentos especiais para realização das atividades da vida diária (AVDs).

Para se manter uma assistência adequada em cuidados específicos para os idosos, as ILPIs, segundo a RDC,2005, devem manter um quadro de profissionais capacitados dependendo do grau de dependência de cada paciente:

– grau de dependência I – são independentes, mas precisam de equipamentos de auto-ajuda, portanto, um cuidador para cada 20 idosos, com carga horária de 8 horas/dia;
– grau de dependência II – são dependentes com ate três atividades de autocuidado para AVDs, portanto, um cuidador para cada 10 idosos,ou fracionado por turno;
– grau de dependência III – são idosos com dependência que necessitam da assistência em todas as atividades de autocuidado para as AVDs, ou com comprometimento intelectual, portanto, um cuidador para cada 6 idosos, ou fracionado por turno.

A Política Nacional do Idoso, promulgada em 1994 e regulamentada em 1996,
assegura direitos sociais à pessoa idosa, criando condições para promover sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade e reafirmando o direito à saúde nos diversos níveis de atendimento do SUS (Lei nº 8.842/94 e Decreto nº 1.948/96) MINISTÉRIO DE ESTADO DA SAÚDE.

“As ILPIs são considerada um sistema social organizacional” (Creutzberg,2007), promovendo uma assistência que atende as necessidades mais amplas possíveis, desde os cuidados básicos da enfermagem à integração da equipe multidisciplinar, que também está envolvida no planejamento e execução dos cuidados, levando ao bem-estar e satisfação dos idosos.

As ILPIs adaptadas e regulamentadas estão cada vez mais em evidencias vem se empenhando para os serviços prestados aos idosos,e em, profissionais capacitados especializados na área de geriatria.O objetivo não é substituir as famílias ,mais sim em garantir e proporcionar uma qualidade de vida aos idosos satisfatória e digna. Porem, algumas instituições são carentes de recursos financeiros, com isso, procuram mão-de-obra não-qualificada na área por serem mais barata, os chamados cuidadores formais (BORN,2006). Particularmente, ficam muito comprometedor os cuidados designados pelo enfermeiro geriatra a esse pessoal não qualificado, em relação ao processo inevitável do envelhecimento, pois a capacitação e o conhecimento técnico-teórico são de real importância para os cuidados oferecidos aos idosos, principalmente se esses profissionais forem especializados na área de saúde na função de técnico/auxiliar de enfermagem ao idoso. ”

Referências:

Annunziato, MPHL – Atividade Física com idosos em Instituições de longa Permanência. 2007. Disponível em: <http://www.google.com.br

Born, T. O que é uma ILPI? Portal do envelhecimento, 29 de nov.2005.

Born, T. A formação de cuidadores formais e informais: acompanhamento e avaliação. Portal do envelhecimento, Caldas, nov. 2006.

Creutzberg, M.; et al. A comunicação entre a família e a Instituição para Idosos. Revista Brasileira Geriatria Gerontologia,v.10,n.2.Rio de Janeiro,2007.

Tags: ,




Comentário integrado ao Facebook:


63 Comments »

  1. Lucas Eduardo comenta:

    25 junho, 2012 @ 9:32 AM

    Muito boa essa resenha, porém queria saber se as ILPIs tem como assegurar os idosos de maior dependência sendo nível 3 com maiores complexidades, nas propiás ILPIs sendo que caracteriza idoso hospitalares e não assistencial limitando o tratamento e colocando a ILPIs em riscos não conseguindo ter profissionais/materiais capacitados por 24hs. Será que os hospitais de retaguarda não seria uma alternativa boa, não misturando dependência e deixando um publico mais homogêneo. O que seria trabalho continuado e plano de ação? Obrigado.

  2. Rangel comenta:

    26 junho, 2012 @ 12:52 PM

    Boa Tarde.

    Preciso desenvolver um Plano de Atenção Integral a Saúde do Idoso e gostaria de saber se pode me fornecer um modelo para que eu possa desenvolver para minha instituição. Obrigado

  3. Piera comenta:

    22 outubro, 2012 @ 3:01 PM

    Olá, boa tarde. Sou RT em um residencial geriátrico que está passando por um ajuste de conduta. Tudo que foi solicitado já consegui organizar, porém este Plano de Ação Integral à Saúde não é encontrado em local algum e nenhum profissional que eu conheço já teve acesso a este tipo de documento. Seria possível alguém ajudar-me? Ficarei muito grata. Aguardo ansiosa.

    Obrigada!

  4. Piera comenta:

    24 outubro, 2012 @ 9:45 AM

    Bom dia, por favor, mande-me um modelo de como fazer o Plano de Ação Integral à Saúde do Idoso, pois isso não consta em local algum. Muito grata, aguardo ansiosa o retorno.

  5. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    25 outubro, 2012 @ 7:05 PM

    Piera,
    O Plano de Ação Integral à Saude do Idoso é desenvolvido por cada estado do Brasil.
    Veja o exemplo do Estado de Pernambuco.

    http://200.238.107.83/c/document_library/get_file?uuid=e61490ce-c9d5-4dd5-b966-790fcf56ac10&groupId=17459

  6. EDESIO MOREIRA DA SILVA comenta:

    11 dezembro, 2012 @ 2:39 PM

    PREZADOS DIRETORES DO ILPI, VENHO A V.SA PERGUNTAR-LHES COMO FAÇO PARA INTERNAR MEU PAI DE 75 ANOS QUE TEM PROBLEMA PSIQUIÁTRICO E FICA NERVOSO COM QUALQUER COISA, ELE FAZ USO DE FERNOBARBITAL DE 100 MG.
    TODA NOITE QUANDO VOU TENTAR DORMIR EU ESCUTO ELE BRIGANDO COM MEU SOBRINHO E MINHA IRMÃ POR CAUSA DE PROGRAMAÇÃO NA TV, É QUE MEU PAI GOSTA DE NOVELAS E QUANDO MINHA IRMÃ VAI FALAR ALGO PARA MINHA MÃE ELE FICA FURIOSO E XINGA PALAVRÕES. UM ABRAÇO. EDESIO

  7. Davis Soares comenta:

    21 janeiro, 2013 @ 3:51 PM

    se for possível mandem me um modelo do plano de ação integral a saúde do idoso e um plano de ação.

  8. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    22 janeiro, 2013 @ 5:46 PM

    Davis
    Veja o comentarío feito pela Elizabeth – em 24 de junho 2011

    Pessoal, para vocês que precisam montar um Plano de Atenção Integral à Saúde do Idoso, no site da Secretaria de Saúde de Minas Gerais tem um modelo que talvez possa ajudá-los: http://www.saude.mg.gov.br/publicacoes/linha-guia/linhas-guia/LinhaGuiaSaudeIdoso.pdf
    Abraços.

  9. fabiano antunes comenta:

    4 março, 2013 @ 7:42 PM

    Oi trabalho em uma ILPI e preciso urgentemente fazer uma Plano de Atenção a Saude, se possivel, gostaria que me enviassem um modelo, porque na cidade onde estou ninguem tem nenhuma referencia. Agradeço desde já´.

  10. Andreia Baldissarelli comenta:

    16 maio, 2013 @ 4:15 PM

    sou RT de uma instituição de longa permanencia de idosos preciso fazer um plano de atenção integral à saúde, normas e rotina,gostaria de um modelo se possível

  11. Monica wallor comenta:

    21 outubro, 2013 @ 11:42 AM

    Olá!! Estou precisando também fazer um Plano de Atenção Integral a Saúde do Idoso e gostaria de saber como faço para montar um bom plano. Estou começando o trabalho em uma ILP e preciso deixar isso pronto o quanto antes.
    Um forte abraçõ e agradeço desde já!

  12. mariana comenta:

    3 novembro, 2013 @ 8:51 PM

    Oi trabalho em uma ILPI e preciso urgentemente fazer uma Plano de Atenção a Saude, se possivel, gostaria que me enviassem um modelo.
    . Agradeço desde já´.

  13. Cláudio Stucchi comenta:

    28 janeiro, 2015 @ 3:57 PM

    Sou advogado e consultor de ILPI’s. Minha empresa: Previner Consultoria é pioneira no Brasil em prestação de serviços de consultoria, assessoria jurídica e de gestão documental para as ILPI’s. Fico a disposição. Site: http://www.previnerconsultoria.com.br Visitam também nossa página no facebook: Previner Consultoria. Abraços.

Deixe seu comentário aqui !