26 - fev
  

Derrame pleural

Categoria(s): Caso clínico, DNT, Infectologia, Pneumologia geriátrica, Programa de saúde pública




Interpretação clínica

Senhor de 63 anos, apresenta febre intermitente, perda de peso e dificuldade respiratória há 3 meses. Ao exame clínico e radiológico constatou-se a presença de derrame pleural à direita (figura abaixo), que foi puncionado. A glicemia era 90 mg/dl. Referia ter feito um tratamento para bronquite há 6 meses com vários medicamentos, por 2 meses, quando suspendeu o tratamento por conta própria, por sentir-se melhor.

Ao exame do líquido pleural, observou-se: Cor: amarela; Aspecto: turvo; Coágulo: ausente; Leucócitos: 2560/mm3; Hemacias: 1400/mm3; Linfócitos: 95%; Neutrófilos: 4%; Eosinófilos: 1%; Células mesoteliais: raras; Proteína: 5,3 g/dl; Glicose: 45 mg/dL (VN= 80% da glicemia); LDH: 920 U/L (VN= até 200 U/L); Adenosina deaminase (ADA) 105 U/L (VN= até 49 U/L).

Derrame pleural

Os achados sugerem que patologia?

Discussão

Trata-se de um caso de tuberculose pleural, com coleção de líquido entre as pleuras. O diagnóstico de derrame pleural pode ser suspeitado quando no exame físico observamos, som maciço à percussão e ausência de murmúrio vesicular na base do pulmão afetado, no caso direito. Podemos auscultar um som característico ao pedirmos para o paciente falar “trinta e três” , a pectorilóquia egofônica, ou também chamada de egofônia, que é um som anasalado do “trinta e três” nos limites superiores do derrame.

Os achados laboratorias são compatíveis com exudato linfocitário, que é comumente encontrado nas doenças crônicas específicas ou seja tuberculose (tbc), blastomicose, etc. A presença de glicose baixa firma o diagnóstico de tbc. O achado do bacilo alcool-àcido resistente (Bacilo de Koch) no líquido pleural é difícil, somente em cultura.

O estudo do caso deve observar a febre intermitente, a perda de peso e a dificuldade respiratória há 3 meses. Este quadro sugere uma doença pulmonar crônica. Pode ser de caráter infeccioso ou neoplásico. Existem algumas neoplasias como a Doença de Hodgkin que produz febre intermitente, ou seja, febre de pequena intensidade que melhora expontaneamente.

Outro aspecto é das doenças consuptivas, como que ocorre com alguns tipos de neoplasias que produz um polipetídeo, o ‘Fator de Necrose Tumoral” que tem um ação que promove a caquexia, tanto por alterar o persepção do centro da fome, com por aumentar o metabolísmo. A tuberculose também tem este tipo de característica.

A propedêutica pulmonar é característica de um derrame pleural é somente com a punção e análise deste líquido podemos firmar um diagnóstico.

Tuberculose – aspectos atuais

Os casos de tuberculose têm aumentando nos últimos anos, sendo imputados vários fatores causais, como Síndrome da imunodeficiência adquirida, desnutrição causada por guerras, e sobretudo tratamento inapropriado.

Devido à falta de programas de saúde pública, com tratamento correto, a resistência do Mycobacterium tuberculosis cresce e se propaga no mundo. A Organização Mundial da Saúde estima que há no planeta cerca de 50 milhões de pessoas albergando o bacilo da tuberculose resistente a pelo menos uma droga.

Uma das explicações para o surgimento do bacilo resistente é que os doentes, na imensa maioria, auto-administram os medicamentos sem qualquer vigilância, ocorrendo com muita freqüência irregularidades e abandono do tratamento (índice de 12% a 14% no Brasil). Este fato levou a OMS a recomendar enfaticamente a todos os países membros a adoção, em escala nacional, da estratégia do tratamento dos tuberculosos diretamente controlado pela rede oficial de saúde pública (DOTS – Tratamento de curta duração diretamente supervisionado.

Veja mais – Tuberculose pulmonar nos idosos

Referências:

Bombarda, S et al – Imagem em tuberculose pulmonar. J. Pneumologia São Paulo, v. 27, n. 6, 2001. [on line]

Costa, DC – Considerações sobre a tendência da tuberculose no Brasil. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.1, n.3,1985. [on line]

Leite OHM – Consenso Brasileiro de Tuberculose é Atualizado Pratica Hospitalar V.6 n36 Nov/Dez 2004 [on line]

Tags: , , ,




Comentário integrado ao Facebook:


19 Comentários »

  1. Erica Labanca comenta:

    25 agosto, 2008 @ 11:17 AM

    Bom dia.Faço pos graduaçao em terapia intensiva e desejo receber casos clinicos.bjsss

  2. alessandra comenta:

    11 setembro, 2008 @ 11:48 AM

    Parabéns a todos que elaboraram este site, é excelente. Gostaria de solicitar a vocês casos clinicos de clientes com distúrbios gastrointestinais, hepáticos, biliares ou pulmonares.

    Uma braço.

  3. gislaine comenta:

    12 fevereiro, 2009 @ 9:38 PM

    estou pesquisando tudo sobre Derrame pleural,porque estive na UTI quase fui a óbito por causa de um derrame que pegou o meus dois pulmões,um estava totalmente branco e o outro na metade.Foi feito biópsia onde descobriram uma tuberculose pleural.Eu trabalho na área da saúde,então devo ter me contaminado trabalhando.Gostaria de receber assuntos sobre isso se for possível….

  4. tati comenta:

    15 fevereiro, 2009 @ 5:46 PM

    Gostaria de saber mais sobre derrame pleural bilateral, se e contagiosa pois o paciente tem
    89 anos, temos crianças que frequentam nossa casa, para podemos tomar as devidas providencias para k tds nao corram risco. Obrigado.

  5. Maria Lourenço comenta:

    23 fevereiro, 2009 @ 11:59 AM

    Ola faço enfermagem gostaria receber diagnostico de enfermagem e prescriçao para qualquer doenças . grata!

  6. larissa comenta:

    2 março, 2009 @ 2:10 PM

    BOM ESTOU PESQUIZANDO SOBRE DERRAME PLEURAL PQ ESTOU FAZENDO RADIOLOGIA E MINHA PROFESSORA PEDIU UMA PESQUISA CUSTEI ENCONTRAR PQ ELA PEDIU RELATÓRIO DE PESSOA QUE TEM OU TIVERAM DERRAME PLEURAL E NAUM ACHEI GOSTARIA DE SABE SE FOSSE POSSIVEL COLOCAR OQ UADRO CLÍNICO DA PESSOA. OBRIGADA

  7. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    4 março, 2009 @ 7:16 AM

    Larissa,
    Tudo que coloquei no site pode ser usado como ensino e pesquisa. Lembre-se de sempre citar as fontes de referência consultadas.
    Quando você cita a referência de onde voce encontrou a pesquisa o autor nunca poderá dizer que voce se apropriou indevidamente do material científico.
    Boa sorte no seu trabalho.

  8. claudiana batista comenta:

    27 junho, 2009 @ 6:12 PM

    gostaria de saber de que é provocado o DERRAME PLEURAL. pq passaram algumas informações que só tem esse problema quem fuma e eu estou pesquisando e não conseguia encontrar esta versão se é verdade.

  9. Lana comenta:

    25 setembro, 2009 @ 11:07 AM

    Gostaria de saber se a tuberculose pleural é contagiosa.

  10. Eloir comenta:

    3 janeiro, 2010 @ 8:55 PM

    Que tipo de tratamento é feito para combater a tuberculose pleural?

  11. Claudinei S. Lopes comenta:

    17 janeiro, 2010 @ 1:22 PM

    Meu pai está internado a 05 dias com derrame pleural, devido a insuficiência cardíaca, está fazendo tratamento com medicamentos.
    Gostaria de saber, caso ele venha a fazer uma drenagem, se ele fica com o tubo para o resto da vida ou se e so alguns dias ou horas.

    Obrigado

  12. Eloir comenta:

    19 janeiro, 2010 @ 11:02 PM

    Claudinei eu ja passei pela drenagem é um processo rapido q dura uns 30 minutos e não fica com nada dentro da pessoa…após a drenagem é dado um ponto no local e pronto.

  13. Eron Cunha comenta:

    30 março, 2010 @ 6:18 PM

    Olá sou acadêmico de medicina e gostaria de receber mais casos cl[inicos como este.
    grato
    Eron Cunha – UFSM/7º semestre

  14. Ana comenta:

    14 junho, 2010 @ 1:38 AM

    Gostaria de saber se a tuberculose pleural é contagiosa?
    tenho bebës em casa gostaria de saber se eles correm risco de se contaminarem?

  15. viviane comenta:

    27 julho, 2011 @ 12:24 PM

    Gostaria de saber se a tuberculose pleural é contagiosa?

  16. kelly comenta:

    7 setembro, 2011 @ 4:54 PM

    olá nem sei como comerça. mais tudo bem! eu tenho 27 anos e sentindo dores no abdome dores muito fortes e falta de ar fui na emergencia varias vezes e nada , foi quando eu fui fazer um exame de ultrasom e descobril que era derrame pelural. o medico ai mandou fazer um rx do torax e ai deu derrame pleural bilateral , ai ta o problema , nao tenho febre, n tenho tosse, n tenho nada que venha a levar a calsa desse diagnostico, estou aflita mesmo e muito preocupada e sem saber o que fazer . lembrei hj q ttive um problema nos bronquios uma infecção na minha gestação meu bb fez um aninho, nao sei se esta relacionado a isso, já fiz varios exames e nao deu nada. alguem já viu um caso desse na minha idade? pelo amor de Deus nao mim esconda nada . quem pode mim ajudar? desde ja agradeço muitooooo.

  17. Anônimo comenta:

    21 setembro, 2011 @ 1:48 PM

    meu nome e gabriel e gostaria de saber se derrame pleural e grave pois minha vó deu e ela nunca fumou e meu avô FUMAVA FUMO DE ROLO sera que tem alguma coisa a ver!

  18. Jomara comenta:

    13 novembro, 2012 @ 1:41 PM

    Boa Tarde, deu no exame da minha avó derrame na pleura ela tem 88 anos, mas ela não teve febre. É facil de curar é preciso cirurgia ou so medicamentos resolve? vou mostrar os exames da minha avó amanha a medica, mas estou muito anciosa.
    Se alguem puder aliviar minha angustia me escreve algo esclarecendo por favor. Obrigada

  19. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    13 novembro, 2012 @ 6:53 PM

    Jomara
    Existem inúmeras variáveis a ser analisada no derrame pleural, tamanho, localização, tempo de formação, causas que provocaram o derrame, etc.
    Somente o médico que a atendeu poderá falar sobre a real importância do derrame e o tratamento mais adequado.

Deixe seu comentário aqui !