22 - fev
  

Insuficiência aórtica

Categoria(s): Cardiogeriatria, Emergências, Infectologia




Resenha

A insuficiência aórtica resulta da incompetência da valva aórtica em sustentar o sangue da artéria aórtica durante a diástole ventricular, permitindo que este retorne ao ventrículo esquerdo.

A insuficiência pode se instalar de forma aguda, na ruptura de uma de suas três cúspides, como é caso da endocardite infecciosa e nos aneurismas de seio de Valsalva, ou de forma lenta como nos casos de doença reumática, ou mesoaortite luética.

A instalação aguda geralmente e pouco tolerada, pois o ventrículo esquerdo não esta adaptado a esta nova realidade hemodinâmica, entrando em falência rapidamente com baixo débito periférico e edema agudo de pulso, sobretudo por ser este tipo de insuficiência aórtica constituído por grande regurgitação sangüínea.

A instalação lenta permite que haja uma compensação hemodinâmica do coração com hipertrofia e dilatação de sua musculatura ventricular esquerda. Esta insuficiência evolui por longo tempo praticamente sem sintomas. Tornando seu diagnóstico objeto de achado nos exames clínicos por outros motivos.

Após o diagnóstico, 75% dos pacientes sobrevivem em torno de 5 anos e 50% abaixo de 10 anos. Quando os sintomas se acentuam as condições clínicas pioram rapidamente, ocorrendo morte em 4 anos após o início da angina pecturis e 2 anos após a insuficiência cardíaca.

Aspectos clínicos

O paciente procura o médico com queixas compatíveis com angina pecturis, ou seja, dor precordial de forte intensidade, carater constrictiva, com duração variada de até no máximo 15 minutos, que aparece e piora com os exercícios físicos e emoções, e melhora com o repouso.
A angina aparece pela queda da pressão diastólica, condicionando menor fluxo efetivo nas coronárias e conseqüente isquemia miocárdica.

Muitas vezes, o paciente queixa-se de batimentos incomodos das artérias, sobretudo das carótidas, e da crossa da aorta na furcula esternal. Esta pulsátilidade resulta da chamada “danca das artérias” que é resultante a diferencial de pressão sistólica e diastólica muito elevada.

Os pacientes com insuficiência aórtica apresenta facies e pele com tonalidade característica de amarelo palido, conseqüente a adaptação circulatória (constrição em maior extensão e intensidade) da microcirculação periférico resultante da diferencial aumentada da pressão arterial. Devemos lembrar que estes pacientes tem resistência vascular periférica diminuída.

Propedêutica física

O exame do pré-cordio é extremamente importante para definir o grau de gravidade da lesão, sobretudo nas de instalação lenta, pois o ictus (ponto de maior impulsividade na caixa torácia) apresenta-se deslocado para fora da linha hemi-clavicular esquerda no sexto ou sétimo espaco intercostal, com extensão de 3 polpas digitais e impulsivo. Este tipo de ictus é denominado hipercinético, e interpretado como resultante de hipertrofia e dilatação do ventrículo esquerdo. A insuficiência aórtica é a doença que produz o maior aumento da massa muscular cardíaca.

A ausculta é característica, porém necessita de exame cuidados em ambiente silencioso para não passar despercebido. O sopro é holodiastólico no foco aórtico ou aórtico acessório, ou seja inicia-se forte logo após a segunda bulha e vai diminuindo de intensidade até o final da diástole ventricular. Este tipo de sopro recebe o nome de sopro aspirativo. Sua intensidade de ausculta coincide em grande parte com o grau de gravidade da lesão. Para melhor a ausculta faz-se a manobra de colocar o paciente sentado com o tronco para frente e para baixo (posição geno-peitoral) e em apnéia respiratória. Os frêmitos diastólicos (sensação palpatória do sopro sobre a caixa torácica) da insuficiência aórtica geralmente são pouco perseptiveis, mesmo nas grandes lesões valvares.

Exame ecodopplercardiográfico

 

 

Insuficiência aórtica

 

 

A insuficiência aórtica crônica pode causar uma deterioração subclínica da função ventricular esquerda. Desse modo, a vigilância clínica, incluindo a avaliação seriada da função ventricular esquerda, a medida que ela se adapta a esta sobrecarga de volume, e extremamente importante. A ecocardiografia bidimensional nos fornece informações anatômicas que podem estabelecer a etiologia e indicar o momento ideal para a substituição da valva.

A ecocardiografia se presta no controle do tratamento das insuficiência aórtica aguda, como no caso da causadas por endocardite infecciosa, onde um grau intenso de regurgitação instala-se em um ventrículo esquerdo pequeno e não preparado, para recebe-lo, causando um abrupto aumento da pressão ventricular. De fato, a pressão ventricular elevada excede a pressão atrial esquerda antes do início da sístole ventricular, resultando no fechamento prematuro da valva mitral. A utilização, precoce, de vasodilatadores como o nitroprussiato de sódio, que diminui a grau de insuficiência aórtica, pode atenuar este fechamento precoce da valva mitral e melhorar a performace hemodinâmica, e o ecocardiograma permite este acompanhamento.

A investigação do ventrículo esquerdo pelo Doppler pulsátil pode estimar a gravidade da insuficiência aórtica. Quanto mais profundamente for registrado o jato da insuficiência aórtica no ventrículo esquerdo, maior o grau de insuficiência. Entretanto, sabe-se bem que o jato regurgitante da insuficiência aórtica pode ser excêntrico e de amplitude variável, o que pode explicar em parte uma correlação subótima entre a angiografia e o ecoDoppler.

A formação de imagens coloridas do jato pelo Doppler aumentou muito a confiança na avaliação do grau de insuficiência aórtica. Tem-se percebido uma melhor correlação com a angiografia, particularmente quando se compara a área do jato regurgitante nos cortes ortogonais do ventrículo esquerdo ou espessura do jato regurgitante, em relação a área da via de saída do ventrículo esquerdo, registrado imediatamente abaixo da valva aórtica.

O Doppler contínuo fornece informações hemodinâmicas, analisando a taxa de deterioração do perfil de velocidade (tempo de meia-pressão e tempo de meia-velocidade). Quando a insuficiência aórtica é grave, o gradiente entre a aorta e o ventrículo esquerdo na diástole dissipa-se mais rapidamente, produzindo um declínio mais rápido na velocidade de fluxo.

Tratamento

Após o diagnóstico, 75% sobrevivem após 5 anos e 50% abaixo de 10 anos, se não houver correção cirúrgica da valva. Quando os sintomas se acentuam as condições clínicas pioram rapidamente, ocorrendo o óbito em 4 anos após o início da angina pecturis e 2 anos depois da insuficiência cardíaca.

1. Lesão mímina – Reavaliação do caso semestralmente, com ecocardiograma para avaliação da função ventricular esquerda.
2. Lesão moderada
2a. com fração de ejeção de 50% a 55% – acompanhamento trimestral com ecodopplercardiograma.
2b. com fração de ejeção menor que 50% – indicação cirurgia de troca valvar.
3. Lesão grave – indicação de troca valvar.

Devemos salientar que a insuficiência aórtica e uma sobrecarga tanto de pressão, como de volume e resposta a substituição da valva aórtica e menos previsível que a troca das demais valvas.

Referências:

Roberts WC – Aortic dissection: anatomy, consequences and causes. Am Heart J. 1981;101:195.

Slater EE, De Sanctis RW – The clinical recognition of dissection aortic aneurysm. Am J Med. 1976;60:625.

Botvinick EH, Schiller NB, Wickramasekaran R, Klausner SC, Gertz E – Echocardiographic demonstration of early mitral valve closure in severe aortic insufficiency: Its clinical implications. Circulation. 1975;51:836-847.

Assey ME, Usher BW, Hendrix GH – Valvulopatia: uso de técnicas invasivas e não invasivas na tomada de decisões clínicas. Conceitos Modernos sobre doenças cardiovasculares. 1990,7(10):1-6.

Heggtvirt HA – Siphilitics aortis. A clinic pathologic autopsy sutdy of 100 cases, 1950 to 1960. Circulation, 1964;29:346.

Flint A – On cardiac murmurs. Amer J Med Sc,1862;44:29.

Tags: , , ,




Comentário integrado ao Facebook:


72 Comments »

  1. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    16 maio, 2012 @ 7:19 PM

    Eliane aguarde a consulta com o cardiologista. Os exames podem supervalorizar as insuficiências, mas a clínica da pessoa é que dita as necessidades de tratamento ou não.

  2. Selma Lima comenta:

    18 maio, 2012 @ 5:52 PM

    Boa Tarde!!
    Estou desesperada meu cunhado acabou de saber que tem Insuficiência Aórtica grave e não sabemos o que fazer existe possibilidade de Cirurgia ou algum especialista nesta área onde podemos encontrar o que podemos fazer !!!

  3. francisco luiz comenta:

    31 maio, 2012 @ 9:59 AM

    ola bom dia tenho insuficiencia aortica leve a moderada
    no exame aparece dupla lesão na valvula aortica
    descobri quando tinha 34 anos hoje tenho 45 anos e continua
    do mesmo jeito tomei benzetacil e aas infantil por muitos anos
    e depois parei de tomar remedios
    será que corro risco de um ataque fulminante ou coisa parecida
    desde ja muito obrigado
    e se possivel me responda.
    o que me ajuda muito é que sou bem tranquilo e não me preocupo com a doença…abraço a todos

  4. Jonas Pereira comenta:

    20 junho, 2012 @ 4:03 PM

    Olá, fiz o ecograma e lá deu insuficiência aórtica de grau minimo. Isso pode se agravar com esforço físico, por que faço academia, mas depois desse resultado fiquei com medo, tá afetando até meu psicológico. Vou ficar sentindo dores? Por que sinto umas dores chatas no peito e fico até com medo.
    Desde já agradeço a atenção!

  5. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    21 junho, 2012 @ 9:21 AM

    Jonas os aparelhos de ecocardiograma atuais são bastante sensíveis e podem detectar pequenos escapes de sangue pelas valvas cardíacas (mitral, aórtica, tricúspide e pulmonar), muitas vezes estes refluxos não representam nenhuma problema hemodinâmico somente deve ser feito acompanhamento. Em um novo exame pode não aparecer mais nada. Converse com seu cardiologista que ele poderá explicar melhor o seu caso.

  6. alessandra comenta:

    17 julho, 2012 @ 11:51 AM

    dr°,meu marido tem 42 anos e diagnosticado, através do ecocardiograma e cateterismo, com miocardiopatia dilatada ,valvula aortica bicuspide e insuficiencia aortica de grau importante, a pressão arterial maxima chega 22 constantemente sente muita dor no peito ; dr° é caso cirurgico?, e se for, depois da cirurgia ele podera voltar a trabalhar em sua profissão(pedreiro) pos ele está PELO INSS;DESDE JÁ OBRIGADA PELA ATENÇÃO

  7. Renata Gimenes comenta:

    23 julho, 2012 @ 6:02 PM

    Oi? Meu nome é Renata, e tenho:
    -Prolapso da valva mitral, insuficiência mitral de grau moderado e-Insuficiência aórtica de grau moderado, insuficiência tricúspide de grau discreto.
    Tenho pressão altíssima controlada com vários medicamentos.
    Tenho muita arritmia com muita falta de ar;
    Tenho 34 anos.
    Qual o tratamento?
    Obrigada!

  8. vanessa comenta:

    26 julho, 2012 @ 1:05 PM

    Dr.acabo de ler seu artigo e entrar em disispero,por favor me responda…Tenho 31 anos fiz ecocardiograma em 2004 e a conclusão foi regurgitamento mitral fisiologico,Agora a poucos messes fiz outro ecocardiograma comclussão regurgitamento mitral e aortico minimo,com leve aumento de diâmetro interno atrio esquerdo…Li q nesses casos a expectativa de vida é de 5 anos me ajuda dr,pois meu cardiologista disse q posso levar vida normal e não me deu medicação nenhuma.

  9. Rosa Lucia comenta:

    6 agosto, 2012 @ 10:15 PM

    Dr.Armando Miguel , por favor estou com muito medo ,fui ao medico pegar o resultado do ecocardiograma e a conclusão foi insuficiência minima das valvas mitral e aórtica e a fração de ejeção 65% é grave isso? Obrigado Rosa.

  10. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    7 agosto, 2012 @ 7:53 PM

    Rosa
    A fração de ejeção mede a performaçe do coração e no valor de 65% está normal.
    O equipamento de ecocardiografia é muito sensível e estas pequenas insuficiências podem não representar nada e pode ser encontrada em pessoas normais.

  11. marta jerusa de oliveira comenta:

    20 agosto, 2012 @ 11:27 AM

    ola dr td bem, tenho 51 anos tive febre reumatica aos 12 anos de idade tomei mbenzetacil durante algum tempo, ho a conclusao do eco e o seguinte. AUMENTO DAS CAMARAS CARDIACAS. ESTENOSE MITRAL DE GRAL DISCRETO. INSUFICIENCIA MITAL DE GRAL MODERADO. ESTENOSE AORTICA DE GRAL DISCRETO. INSUFICIENCIA AORTICA DE GRAU MODERADO. FUNÇAO SISTOLICA NORMAL. GOSTARIA MUITO DA SUA OPINIAO. POIS FALAM MUITO BEM DO SENHOR. DESDE JA AGRADEÇO, FIQUE COM DEUS, TCHAU.

  12. Midiam Kappaum comenta:

    11 setembro, 2012 @ 1:53 PM

    Olá tudo bem, tenho 23 fis um Eco Color Doppler Cardíaco,
    e apareceu Regurgitação mitral minima e Regurgitação aortica minima, como meu médico eh só para mes q vem gostaria de saber oq significa e se tenho q ter algum cuidado… Desde já agradeço..

  13. maria das graças comenta:

    16 setembro, 2012 @ 5:45 PM

    Olà,por favor me ajude!
    Faz uma semana que li o rsultado do meu eco deu insuficiencia mitral discreta,to aqui morrendo falta de ar ,muito mal estar,serà que estou com insufiencia cardiaca?
    Parece que a minha vida acabou,e medico è mes que vem.Me ajude por favor.
    Obrigada

  14. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    17 setembro, 2012 @ 10:49 AM

    Maria das Graças,
    Os aparelhos de ecocardiografia são muito sensível e podem mostrar pequenas insuficiências da valva mitral que na prática nnao causam nenhum problema. Assim, sua falta de ar pode ser por outro problema. Insuficiência cardíaca só ocorre que a insuficiência mitral for moderada a grave.

  15. waldemar trujilho filho comenta:

    1 novembro, 2012 @ 11:50 PM

    perdi meu pai e minha mãe com problemas cardiacos,e preciso de ajuda, tenho um irmão com 55 anos, que a 8 anos sofreu um enfarto,causando-lhe a colocação de cinco safenas,retiradas de uma veia da perna,devido ao diabetis, ele tornou a enfartar. Os médicos que o acompanham na uti, dizem que não podem fazer mais nada.Colocaram dois stentes, consertaram mais um ja existente, e agora dizem que está nas mãos de Deus.Peço ajuda, será que nada mais pode ser feito? ele tem um netinho que ama muito e o que ele pede é só mais um pouquinho de vida.Tenho certeza que ele está nas maos de Deus, mas peço que algum medico cardiologista receba as mãos de Deus e faça algo por meu irmão. Desde ja agradeço e Deus abençoe.

  16. waldenise comenta:

    4 novembro, 2012 @ 3:39 PM

    Estou muito curiosa por que fiz um exame de ecocardiograma e o resultado foi insuficiencia aortica discreta,fiz outro exame com o nome de duplex scan carotidas a cores e o resultado foi que tenho bifurcação carótida pervia, com placa fibrotica e estenose de 30 a 40%. Quais sao os tratamentos para estes problemas. Meu nome é Waldenise. Tenho 49 anos

  17. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    5 novembro, 2012 @ 9:54 AM

    Waldenise
    Os exames laboratoriais complementam o exame clínico realizado pelo médico. Somente ele deve completar a sua consulta finalizando o diagnóstico suspeitado e instituir o tratamento. O site pode fornecer informações de forma genérica e não interferir na relação entre o médico e seu paciente. Assim, infelizmante não podemos fornecer nenhuma orientação do seu caso baseado nos exames. Isto não pode ser feito nem mesmo pelos médicos que realizaram os exames, somente o médico que te consultou.

    Insuficiência aortica – A valva aórtica ao se fechar impede que o sangue oxigenado que é “empurado” pelo ventrículo esquerdo do coração para o corpo, volte para o ventrículo esquerdo. Quando a valva tem um defeito e não se fecha bem pode ocorrer a volta de sangue para o ventrículo esquerdo. Isso é chamado insuficiência aórtica.
    Discreta – lesão pequena, quase insignificante.
    Carótidas – Artérias do pescoço que leva o sangue oxigenado para o cérebro. Sai da artéria aorta como um vaso único e se divide (bifurca) em duas carótida interna e carótida externa.
    A artéria é considerada pérvia com o fluxo de sangue passa por ela sem nenhum problema ou obstrução.
    Estenose – diminuição da luz da artéria. A estenose que limita o fluxo de sangue so ocorre quando a obstrução é de mais que 75% da sua luz (obstrução grave), acima de 90% (obstrução gravíssima); estenose de 30 a 40% (obstrução leve); estenose de 40 a 70% (obstrução moderada).

  18. rutelene comenta:

    21 novembro, 2012 @ 8:03 PM

    boa noite me chamo Rutelene, e gostaria de saber se existe relação do lupos eritematoso com o resultado do exame que fiz (insuficiencia mitral, aortica e tricuspide de grau discreio) ECO. e o tratamento é diferenciado de pacientes sem lupos, desde ja grata

  19. Marcos comenta:

    29 abril, 2013 @ 4:35 PM

    Boa tarde, peguei o resultado do ecocardiograma e estou muito preocupado, pois deu insuficiência mitral fisiológica ao Color Doppler e insuficiência aórtica fisiológica ao Color Doppler. É grave ? Por favor me responda, pois estou com muito medo.

    Desde já obrigado

  20. marias da costa comenta:

    5 maio, 2013 @ 11:19 AM

    bomdia, fui no cardiologista e ele me solicitor alguns exame.fis e fui da o resultado; os exames deu q eu tenho.insuficiencia mitral leve e insuficiência moderada. gostaria de saber si è muito grave….me responda por favor..

  21. DALVA DIAS comenta:

    2 outubro, 2013 @ 10:55 PM

    GOSTARIA DE SABER O SEGUINTE MEU PAI FEZ ECOCARDIOGRAMA, E DEU SINAIS DE AORTOESCLEROSE E HIPERTROFIA CONCENTRICA DO VENTRICULO ESQUERDO ,E ELE ESTA SENTINDO UMAS AGULHADAS NA LATERAL DO PEITO PERTO DO BRAÇO ,GOSTARIA DE SABER SE E MUITO GRAVE,LEVEI O RESULTADO AO MEDICO ELE PASSOU CARDIOVILOL DE 6,125 E NAO DISSE MAIS NADA ,GOSTARIA DE SABER MAIS SOBRE ISSO E O QUE DEVO FAZER .ESTOU PREOCUPADA.

  22. eduardo kurtz comenta:

    6 fevereiro, 2015 @ 12:49 PM

    PASSEI PELO CARDIOLOGISTA ELE DISSE QUE EU ESTAVA OTIMO ME DEU ATE PARABENS , MAIS ME MANDOU EU TOMAR MEDICAMENTO , LOSERTANA 50MG DUAS VEZ AO DIA , MEDICAMENTO CONTINUO. AO LER O ECOCARDIOGRAFIA TRANSTIRCICA VI UMA CONCLUSAO QUE DIS O SEQUINTE,INSUFICIENCIA VALVAR AORTICA MINIMA . GOSTARIA DE SABER SE ALGUEM PODE ME AJUDAR A ESCLARECER OVRIGADO

Deixe seu comentário aqui !