20 - fev
  

Lúpus eritematoso sistêmico – Cardiopatia lúpica

Categoria(s): Cardiogeriatria, Imunologia, Reumatologia geriátrica




Resenha

Abstrat:
Systemic lupus erythematosus (SLE) is a chronic inflammatory disease that has protean manifestations and follows a relapsing and remitting course. It is characterized by an autoantibody response to nuclear and cytoplasmic antigens. SLE can affect any organ system, but mainly involves the skin, joints, kidneys, blood cells, and nervous system.
The diagnosis of SLE must be based on clinical findings and laboratory evidence. Management depends on disease severity and organ involvement.
The Treatment depend on disease manifestations.In general, fever, cutaneous manifestations, musculoskeletal manifestations, and serositis represent milder disease, which may wax and wane with disease activity. These are often controlled with low-potency medications or short steroid courses. CNS involvement and diffuse proliferative renal disease must be recognized as more severe disease manifestations and are often treated with more aggressive immunosuppression. Periodic follow-up and laboratory testing are imperative to detect signs and symptoms of new organ-system involvement and to monitor the response or adverse reactions to therapies.

O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença inflamatória crônica, multissistêmica, de causa desconhecida e de natureza auto-imune, caracterizada pela presença de diversos auto-anticorpos (anticorpos contra as estruturas celulares da própria pessoa). Evolui com sintomas clínicos variados, com período de exacerbação e período de remissão. É uma doença rara, atingindo especialmente as mulheres na proporção de dez mulheres para um homem, com prevalência de 50/100.000 habitantes.

Veja mais sobre Lúpus eritematoso sistêmico

Manifestações cardiológicas

Endocardite lúpica

O lúpus eritematoso sistêmico acomete o coração em até 66% dos casos, sendo mais comum o comprometimento pericárdico, com pericardite fibrinoso ou serosa, e pequeno derrame em alguns casos. A endocardiopatia acomete sobre tudo a valva mitral, conhecida com endocardiopatia de Libman-Sacks, tem evolução lenta e raramente necessita de intervenção cirúrgica. O acometimento miocárdico é raro.

A endocardiopatia ou endocardite de Libman-Sacks é encontrada de 13% a 50% de portadores de Lúpus Eritematoso Sistêmico submetidos a necropsia, mas a disfunção valvar de repercussão hemodinâmica é rara. Vários mecanismos são propostos para a explicar a ocorrência de insuficiência mitral, entre elas, disfunção do músculo papilar, rotura de cordoalhas tendineas, perfuração das cúspides secundárias a vasculite e aderência fibrótica do folheto posterior ao endocárdio subjacente, conseqüente a inflamação.

A valvopatia lúpica pode acarretar insuficiência cardíaca de evolução lenta, ou contrário das endocardite infecciosa (veja abaixo). Raramente a evolução e progressiva a ponto de necessitar substituição valvar. O edema agudo de pulmão e muito raro.

Veja mais sobre endocardite infecciosa nos idosos

Pericardite Lúpica – A pericardite é a forma mais comum de comprometimento cardiovascular lúpico. Estudos necroscopicos detectaram pericardite em 62% dos casos, e estudos clínicos revelaram presença em 25%. A pericardite no estudo ecocardiográfico ocorre em 75% dos casos.

Apesar da pericardite ser freqüente o derrame pericárdico é considerado raro e foi observado em 0.8% dos casos. Derrames pericárdicos não necessariamente de grande volume podem levar a tamponamento cardíaco dependendo da velocidade com que o derrame se acumula.

A pericardite na fase aguda pode ser fibrinosa ou serosa e no estagio crônico tende a ser fibrinosa e raramente com depósitos de cálcio. O líquido pericárdico e geralmente exsudado seroso, mas pode ser serosangüíneo.

Ver mais sobre – Pericardite

Referências:

Ansari A, Larson HP, Bate DH – Cardiovascular manifestation of systemic lupus erythematosus: current perpective. Prog Card Dis,1985;27:421-34.
Dohertt EN, Siegel JR – Cardiovascular manifestation of systemic lupus erythematosus. Am Heart J, 1985;110:1257-65.
Mandell FB – Cardiovascular involvement in systemic lupus erythematosus.
Ansari A, larson HP, Bate DH – Cardiovascular manifestation of systemic lupus erythematosus: current perpspective. Prog Card Dis,1985;27:421-34.
Dohertt EN, Sigel JR – Cardiovascular manifestation of systemic lupus erytematosus. Am Heart J, 1985;110:1257-65.
Mandell FB – Cardiovascular involvement in systemic lupus erythematosus. Semin Arthrists Rheum,1987;17:126-41.
Gebara OCE, D’avila ALB, Mansur AJ et al – Edema agudo de pulmão como manifestação precoce de lupus eritematoso sistêmico. Arq Bras Cardiol 55(3);1990:195-196.
Fauci AS, Haynes BF, Katz P – The spectrum of vasculitis, clínical, pathologic, immunologic and therapeutic considerations. Ann Intern Med,1978;89:660-76.
Costa AG, Mansur AJ, Violante R, Assis C et al – Tamponamento cardíaco fatal em portadora de lupus eritematosos sistêmico associado com vasculite semelhante a poliarterite nodosa. Arq Bras Cardiol,1990;55(3):197-199.

Tags: , ,




Comentário integrado ao Facebook:


7 Comments »

  1. Gisele cristina comenta:

    9 março, 2009 @ 9:51 PM

    Boa noite!
    lendo o documentário uma grande duvida me rondou, sou portadora de vasculite á quatro anos tenho 25 anos agora, ao descobrir a doença em 2005 quase entrei em obito pois os medicos não sabiam ao certo o que eu tinha … logo após a alta hospitalar fui encaminhada a um reumatologista para tratamento da doença….tratei a doença com meticortem e antak melhorei com esse tipo de tratamento porém meu medico nunca me disse o tipo de vasculite que eu tinha ….os sintomas era dores de cabeça insuportavéis , inchaço nas articulações e purpura por todo o corpo chegaram a suspeitar de lupus mas nada era conclusivo……se algum medico ler meu comentario por favor como faço pra saber o tipo de vasculite que tenho……..pois não aguento mais tomar corticoides……..

  2. Indaiá Rocha Ranieri comenta:

    9 abril, 2009 @ 9:15 AM

    Bom dia!
    Entrei aqui para saber um pouco mais sobre a doença (lúpus) Eu tenho lúpus eritematoso e descobri com 29 anos, que foi quando surgiu em minha vida essa doença. não tem casos na minha família, tive muitas dores nas juntas, emagreci muito…
    agora estou com 39 anos e tive uma recaida em 2006 que tive que ficar um longo tempo internada, porque atingiu o rins. Tive nefrite lupica. Agora estou tomando diariamnete Reuquinol , trancilona e clortalidona. Mas quero saber mas sobre a doença. Meus riscos e o que eu posso evitar para não piorar meu caso.
    Tenho 2 filhas e morro de medo de morrer cedo, deixando as duas só. Tenho abusado um pouco esquecendo de tomar todos os dias os remédios e gosto muito de tomar uma cerveja nos fins de semana. Mas estou escrevendo porque tenho percebido que amanheço bem e a tarde estou muito inchada dos quadris pra baixo… O que eu posso evitar para isso não acontecer? Fico com um quadril enorme. Estou trabalhando muito e fico muito tempo sentada. Será que é isso?

    Obrigada e se puder me respondam.

  3. felipe comenta:

    4 maio, 2009 @ 10:25 AM

    como eu descubro que sou uma pessoa cardipata?

  4. paula margarida comenta:

    22 maio, 2009 @ 9:42 AM

    olá chamo me paula e sou portadora de lupus eramatomoso sistémico.descobri esta doença á 1 ano e isto para mim ainda é uma nuvidade.gostaria de contaquetar com pessoas com a mesma doeça para ver se fico mais esclarecida. pôr favor deixe o seu comentario.

  5. Marivalda Monteiro comenta:

    18 agosto, 2009 @ 5:20 PM

    Descobri que tenho lupus eritematoso sistemico em 2003, foi um dagnóstico difícil por que o resultado do FAN dava muito baixo, tive derrame do pericardio, derrame da pleura, infecção generalizada, insulficiência renal e hepatite medicamentosa. Hoje a doença está controlada, não tenho nem uma manifestação na pele. Gostaria de saber por que tenho muita sede, amanheço com os olhos ressecados, boca tão ressecada que chega a partir.
    Favor me responder se existe alguma relação com o lupús e se tem algum tratamento para esse caso.
    Grata
    Marivalda

  6. ozanamodestodesouza comenta:

    5 novembro, 2009 @ 7:56 AM

    Há um ano descobri que sou portadora de lupos e estou gravida de quatro meses durante os tres primeiros meses passei muito mal por um lado estou melhor por outro minhas pernas começarao a inchar muito e aparecer muito manchas avermelhadas minhas pernas formigam demais tenho q ficar com elas p o alto e agora meu medico pediu o exame de cardiopatia lupica oque e isso por favor estou tao feliz com minha gravides corro riscos quais?

  7. AnaMaria S.Mees comenta:

    14 junho, 2010 @ 2:01 PM

    Sou por tadora de Lupus ha 20 anos.Ja tive de tudo: pneumonias, manchas na pele, dores generalizadas, catarata, retirei a visicula,mas resisti a tudo.Agora aos quase 60 anos, o que me incomoda são a osteoporese acentuada na coluna e hosteopenia tambem acentuada no femur, o que ocasiona muitas dores.Mas o que eu gostaria de saber è sobre os dentes. Meus dentes estão amarelos, fracos, quebram com facilidade, não consigo usar protese nãoenhuma (pinos, chapa, pontes, nada) pois logo desenvolvo uma rejeicão e perco o dente.Com a falta de dentes, fica dificil a matigacão e isto resulta em problemas com o intestino e estomago.O que posso fazer?

Deixe seu comentário aqui !