05 - fev.
  

Linfangite – Elefantíase, erisipela

Categoria(s): Fisioterapia, Infectologia




Resenha

Linfangite é a lesão infecciosa dos vasos linfáticos de um determinada região. Essa lesão, pode ser causada por uma bactéria (Streptococcus pyogenes grupo A); por um verme (helmintos da espécie Wuchereria bancrofti); por disseminação linfogênica de um câncer; ou por lesões químicas ou irradiações de tumores.

Linfangite estreptocócica ou erisipela

erisipelaNo Brasil a causa mais comum de linfangite é a complicação da erisipela, infecção da pele causada geralmente pela bactéria Streptococcus pyogenes grupo A, mas também pode ser causada por outros estreptococos ou até por estafilococos.

A partir de lesão causada por fungos (frieira) entre os dedos dos pés, arranhões na pele, bolhas nos pés produzidas por calçado, corte de calos ou cutículas, coçadura de alguma picada de inseto com as unhas, pacientes com varizes ou com diminuição do número de linfáticos têm uma predisposição maior de adquirir a doença, como é o caso de pacientes submetidas à mastectomia, portadoras de linfedema. As pessoas portadoras de diabetes ou varizes estão mais propensas a esta infecção.

Os primeiros sintomas podem ser aqueles comuns a qualquer infecção: calafrios, febre alta, astenia, cefaléia, mal-estar, náuseas e vômitos. As alterações da pele podem se apresentar rapidamente e variam desde um simples vermelhidão, dor e edema (inchaço) até a formação de bolhas e feridas por necrose (morte das células) da pele.
A localização mais freqüente é nos membros inferiores, na região acima dos tornozelos, mas pode ocorrer em outras regiões como face e tronco. No início, a pele se apresenta lisa, brilhosa, vermelha e quente. Com a progressão da infecção, o inchaço aumenta, surgem as bolhas de conteúdo amarelado ou achocolatado e, por fim, a necrose da pele. É comum o paciente queixar-se de “íngua” (aumento dos gânglios linfáticos na virilha).

O diagnóstico é feito basicamente através do exame clínico.Exames laboratoriais são geralmente dispensáveis para se fazer o diagnóstico, mas são importantes para acompanhar a evolução do paciente.

A crise de erisipela deve ser tratada com repouso, medidas higiênicas locais e antibióticos, sempre que possível em ambiente hopitalar. Com o tratamento correto, a erisipela não deixa seqüelas. Porém, alguns casos podem evoluir para elefantíase (conhecida com elefantíase nostra).

Veja mais sobre erisipela

Filariose – Elefantíase

ElefantíaseA filariose, ou filaríase, é causada por vermes que parasitam os vasos linfáticos do homem. No caso brasileiro, ela é ocasionada por helmintos da espécie Wuchereria bancrofti. A infecção ocorre quando mosquitos da espécie Culex quinquefasciatus, que ao picarem o homem transmitem larvas da W. bancrofti.

Causadora da elefantíase, a filariose linfática coloca em risco um bilhão de pessoas em todo o mundo. Mais de 120 milhões sofrem da doença, sendo que mais de 40 milhões se encontram gravemente incapacitados ou apresentam deformações. Dos infectados, um terço vive na Índia, um terço na África e o restante na Ásia, Pacífico Ocidental e Américas.

O período de incubação da filariose é de 9 a 12 meses. Os primeiros sintomas costumam ser processos inflamatórios (desencadeados pela morte do verme adulto) localizados nos vasos linfáticos (linfangite), com febre, calafrio, dor de cabeça, náusea, sensibilidade dolorosa e vermelhidão ao longo do vaso linfático – em diferentes regiões independentes de sua localização: escroto, cordão espermático, mama, membros inferiores, etc. São freqüentes os casos com ataques repetidos de linfangite, linfadenite (inflamação dos nódulos linfáticos) e lesões genitais.

A evolução da filariose é lenta. Seus sinais e sintomas são decorrentes principalmente da dilatação (ectasia) do vaso linfático muitas vezes complicada por infecções secundárias. De 10% a 15% dos casos de filariose vão apresentar elefantíase (figura), após 10 a 15 anos de infecção. Na elefantíase, há fibrose (endurecimento e espessamento) e hipertrofia (inchaço exagerado) das áreas com edemas linfáticos, provocando deformações. Geralmente, ela se localiza em uma ou ambas as pernas.

Tratamento

A droga de escolha para o combate à filariose é a dietilcarbamazina. Em países em que a doença coexiste com a oncocercose, usa-se a ivermectina. Em casos específicos de resistência ao tratamento clínico com medicamentos, há indicação de retirada cirúrgica do verme adulto.

Referências:

Ferreira, F.S.C. & Rocha, L.A.C.- Filaríases. In: Veronesi, R. Doenças Infecciosas e Parasitárias, 8a Ed., Rio de Janeiro, Guanabara-Koogan, 1991.

Dreyer G, Rocha A. Filariose Bancroftiana. In: Ferreira, AW, Ávila SLM (ed) Diagnóstico Laboratorial: avaliação de métodos de diagnóstico das principais doenças infecciosas e parasitárias e auto-imunes. Correlação clínico-laboratorial. São Paulo, Guanabra Koogan, p.194-200, 1996.

Amaral F, Dreyer G, Figueredo-Silva J, Norões J, Cavalcanti A, Samico SF, Santos A, Coutinho A. Live adult worms detected by ultrasonography in human Bancroftian filariasis. American Journal of Tropical Medicine and Hygiene 50:753-757, 1994.

www.erisipela.com.br

Tags: , , , ,




Comentário integrado ao Facebook:


169 Comments »

  1. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    6 outubro, 2012 @ 8:20 AM

    Madalena.
    Elefantíase é um termo descritivo que indica pernas com aspecto de pernas de elefantes. Existem inúmera causas para elefantíase. Ela ocorre nas fazer avançadas da doença que acomete os vasos linfáticos da perna. Quando está na fase de elefantíase a perna fica contantemente inchada e dura. Não desincha. Seu problema pode ser falta de retorno venoso do sangue das pernas, ou seja, problemas com a circulaçnao venosa (varizes externa ou internas).

  2. fatima goncalves comenta:

    30 novembro, 2012 @ 6:14 PM

    Dr. Armando Miguel
    Gostaria de saber se a erisipela atinge os rins e o coracao pois a minha irma foi diagnosticada sendo erisipela e apos 15 dias sofreu uma parada cardiaca e insuficiencia renal.
    Teria como se, diagnosticada precocemente evitar essa falencia de orgaos? E ainda no caso especifico ha possibilidade de cura?
    Obrigada e aguardo resposta anciosamente

  3. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    5 dezembro, 2012 @ 6:21 AM

    Fátima.
    A erisipela geralmeante é causada por uma bactéria, o estreptococos. Existem vários tipos e subtipos de antígenos desta bactéria. O nosso organismo produz anticorpos contra estes antígenos das bactérias, que geralmente está na parede da membrana da bactéria. Algumas vezes estes antígenos têm a mesma característica de estruturas das nossas células,o que pode causar lesão nos rins, coração, articulações, etc.

    Antígenos são proteínas ou estruturas existentes nos microrganismo que servem para nossas células de defesa (linfócitos) produzirem anticorpos que destroem estas bactérias.

  4. thiago da mata alves comenta:

    8 janeiro, 2013 @ 2:18 PM

    OI meu nome e thiago peguei elefantiase no haiti ja fiz 2 tratamentos e continuo com a doença moro no rio de janeiro e ainda trabalho sendo q passo muito mal com os sintomas,tem cura?tenho q trabalhar msm asim ?

  5. Edvania Fernandes comenta:

    23 março, 2013 @ 2:38 PM

    Tenho elefantiase desde os 17anos esó descobri oque era depois aos 23anos.fiz muitos exames e nâo tive melhora Atualmente faço uso de meias sigvaris e venalot .Será que tem algum medicamento para esta enfermidade?Tenho 43 anos e sofro muito preconceito me ajude por favor.

  6. miriam comenta:

    29 março, 2013 @ 9:10 AM

    Depois de 10 anos,erisipela voltou em minha perna, mas eu tenho a graça de Deus e so ele me da força pra entender que NUNCA mais voltara em nome de jesus.So uma pergunta me ajudem por favor como fazer para acabar com o linfedema que ficou desde a primeira vez me ajudem por favor me respondam por email agradeço.

  7. eliana comenta:

    8 maio, 2013 @ 5:57 PM

    boa tarde dr tenho linfedema a 29 anos começou quando tinha 11 anos tenho nas duas pernas e gostaria de saber se posso fazer drenagem linfatica elas estao muito grande ajuda a melhorar obg

  8. Prof. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    8 maio, 2013 @ 7:30 PM

    Sim, Eliana.
    A drenagem ajuda a melhorar.

  9. noelia lopes de souza comenta:

    23 maio, 2013 @ 7:06 PM

    já estive pela 2 vez e dessa vez ta pior na perna direita ñ foi tão dolorosa . e ñ mim deixou marcas? mais agora tive na perna esquerda e só jesus. eu nãop posso nei ficar muito tempo em pé porque fica logo inchada. e orrivel

  10. luiza comenta:

    29 maio, 2013 @ 9:31 PM

    TENHO LINFEDEMA SECUNDARIO E JÁ TIVE 3 CRISES DE LINFANGITE,
    TRATO COM ANGIOLOGISTA,E ESTOU TOMANDO ANTIBIOTICOS E BENZETACIL.
    C
    MAS COMO MEU MEDICO ESTÁ VIAJANDO, QUERO SABER SE POSSO JÁ ESTAR USANDO MEIAS DE COMPRESSÃO.
    AGUARDO RESPOSTA, OBRIGADO.
    LUIZA

  11. Sebastiana Gonçalves comenta:

    16 julho, 2013 @ 6:54 PM

    Receita

    Um palmo de um fumo de rolo, bom, forte, (20 cm).

    Modo de fazer

    1) Previamente lave bem um garrafa pet transparente, esterelize com água fervida sem danificá-la, pique todo fumo e esfarele bem, coloque um litro de água para ferver, quando ainda estiver em ebulição adicione o fumo, mexa bem tampe e apague o fogo, deixando esfriar espontaneamente, coe utilizando um pano limpo ou filtro de papel e coloque na garrafa e deixe sempre tampado à sobra em local limpo, seco e arejado.

    2) Lave bem o local afetado com água e sabão, esfregando levemente para que fique bem limpo, lave em seguida com a calda de fumo com o auxílio de algodão limpo, deixar secar naturalmente e não deixe cair água. Fazer esse procedimento 3 X dia.

    O fumo como muitos conhecem é uma fungicida, bactericida e defensívo agrícola natural, muito potente.

    Essa receita conheço desde criança, no tempo que manipulávamos nossos próprios medicamentos, pois dinheiro só ouvíamos falar em rádio, porque pra nós, nem tv existia.

    Nos anos 90 minha irmã, teve erisipela em um dos pés, um vermelhidão e inchaço enormes, que coçava, queimava e doía, nenhum medicamento que médico receitava dava certo, lembrei-me da infância e da receita, ela passou e curou.

    Tenho um amigo que está com a enfermidade há 2 anos, nenhum procedimento médico/hospitalar surtiu efeito, quando ele me falou há um mês, passei a receita pra ele que já usou 1 litro da calda de fumo, quando voltou ao médico estava tudo sarado que o médico se surpreendeu mais do que o paciente. Pediu que ele volte em 2 meses, e pra garantir, eu pedi ao meu amigo que ele use mais dois litros para acabar com qualquer vertígio da bactéria ou fungo, se for o caso.

    Boa sorte.

    Me fale depois.

  12. Francisco Rafael comenta:

    30 julho, 2013 @ 7:32 AM

    Tenho elefantíase desde 2005, o meu pé esquerdo está inflamar cada vez mais e não consigo obter cura por favor ajude me estou morrendo aos pouco sem nada poder fazez

  13. ROZA GOES comenta:

    23 setembro, 2013 @ 11:24 AM

    MINHA MÃE TEM 83 ANOS, TEVE ERISIPELA HA 04 MESES, AINDA NÃO CONSEGUE ANDAR, ELA DIZ QUE SENTE MUITA DOR NO TORNOZELO. ELA FICOU INTERNADA DURANTE 30 DIAS, A PARTE DO PE CONTINUA PRETA. QUE DEVO FAZER, POR FAVOR ME AJUDE.

  14. kriskeli comenta:

    28 outubro, 2013 @ 1:52 PM

    eu tive a em outubro erisipele e ficou uma enorme ferida kero saber como eu trato as feridas doi muitoe estou tomando antibitico de 6 em 6hs nossa foi um susto tenho medo de voltar .elefantiase e de familia herança genetica obrigado !

  15. wellington comenta:

    23 julho, 2014 @ 10:15 AM

    tb tenho essa doença,ao ir ao médico ele me indicou a bezetacíl é o melhor medicamento pra combater e curar esta doença,graças a DEUS tomei 6 injeções durante 15 dias e o resultado foi cura total.

  16. irene comenta:

    27 dezembro, 2014 @ 6:13 PM

    meu esposo esta com erisipela bolhosa,estamos querendo ir para a praia no ano novo.queria saber se ele pode ir para a praia

  17. analia rocha comenta:

    22 janeiro, 2015 @ 4:35 AM

    Minha mae esta com erisipela a muito tempo,por ultimo esta com a bolhosa,já se internou 2 vezes tomando oxacilina e vanconicina na veia mas saiu do hospital com bolhas,ainda continua com bolhas ,mas não tem febre,não queria mais interná-la ela tem 82 anos e é cega,sofreu muito com as internações no momento não esta tomando nada e é hipertensa,não sei mais o que fazer.

  18. paulo ricardo comenta:

    5 abril, 2015 @ 3:25 PM

    Tive um erisipele bolhosa me recuperei estou bem mais minha perna continua inchando quando ando muito e faz mais de 49/dias que fiquei bom da erisipele mais a perna incha nao dor só sinto que está inchada pode ser o que ?

  19. ione Novais comenta:

    15 abril, 2015 @ 3:42 AM

    Meu irmão tem 50 anos ele teve todos esses sintomas de febre ancia de vômito e com poucos dias a ferida cresceu. Ele fez a cirurgia e o médico diagnosticou como linfagite neocrocia. Ja tem três meses e meio a cirurgia falta pouco para fechar mas agora ao redor esta criando uma casquinha amarelo Gostaria de saber se é normal? O curativo é feito todos os dias com soro,óleo de girassol apenas o remédio que o angiologista passou foi dipirona.

Deixe seu comentário aqui !