31 - jan
  

Dor de cabeça – Cefaléia orgásmica

Categoria(s): Cardiogeriatria, Caso clínico, Neurologia geriátrica




Interpretação clínica

Homem de 52 anos, apresenta-se no consultório médico com queixa de cefaléia pulsátil, em todo cabeça, durante o ato sexual. Junto com leve tontura e disparos no coração. Após alguns minutos a dor foi diminuindo. Não consegui completar o ato sexual. Realiza check up periódico na empresa, onde ocupa cargo de gerente de vendas. Sedentário, nega febre, perda do apetite, problemas urinários ou intestinais. Refere tabagismo e atualmente bastante ansioso com o “ambiente” da empresa. Exame físico geral obesidade abdominal. No exame cardiológico, pressão arterial normal, pulsos normais, freqüência cardíaca de 80 batimentos por minuto. Qual o possível diagnóstico e que exame solicitar para esclarecimento do caso?

Na clínica diária a cefaléia é uma das queixas mais freqüentes. Acredita-se que 90% dos homens e 95% das mulheres sofram de algum tipo de dor de cabeça ao longo do ano. De modo geral, a prevalência de queixas e sintomas aumenta com a idade. Isso decorre de diversos fatores, como o aumento da morbidade médica nos idosos por doenças crônico-degenerativas. Porém, nas cefaléias ocorre um fenômeno inverso. Estudos mostraram que 74% dos homens e 92% das mulheres com idade entre 21 e 34 anos queixavam de dores de cabeça, ao passo que entre as pessoas com mais de 75 anos, esses valores diminuiram para 21%, nos homens, e 55% nas mulheres.

A cefaléia associada à atividade sexual é considerada cefaléia primária, precipitada pelo coito, masturbação e sonhos eróticos. Ocorre mais no sexo masculino, entre 30 e 50 anos de idade, mas pode surgir em qualquer idade. Não depende da técnica utilizada nem de mudança de parceiro. Está associada com o aumento da freqüência ou outras modificações da rotina da atividade sexual. Os pacientes com cefaléia de esforço são mais suscetíveis a apresentarem cefaléia associada com a atividade sexual.

Existem dois tipos de cefaléia associados com a atividade sexual, cada um com características e fisiopatogenia próprias. A cefaléia pré-orgástica e a orgástica.

A cefaléia orgástica é a corre em 73% dos casos, como o nome indica é súbita e severa (explosiva) que aparece no momento do orgasmo. É de início abrupto, occipital ou generalizada, mas pode ser hemicraniana. É latejante e pode ser acompanhada de náuseas e vômitos. A duração da dor é curta, de 5 a 10 minutos, se a atividade sexual for interrompida, mas pode persistir por até 24 horas. Predomina no sexo masculino na proporção de 3:1. A fisiopatogenia está ligada a hipertensão arterial que, no momento do orgasmo, pode atingir valores de 210×135 mmHg em pessoas normais. É, portanto, uma cefaléia semelhante a da crise hipertensiva ou a do feocromocitoma. Em geral aparece em relações sexuais sucessivas (algumas semanas) desaparecendo depois, mesmo sem tratamento.

O médico deve estar atento no diagnóstico diferencial entre o tipo benigno de cefaléia coital e um possível sangramento meníngeo. A atividade sexual é o fator precipitante de hemorragia subaracnóidea em 4% a 8% dos pacientes com aneurisma cerebral e em 4% a 5% dos com malformações arteriovenosas. Os sinais/sintomas que indicam a possibilidade de ser hemorragia meníngea são: vômito, alteração do nível da consciência, meningismo, persistência da dor por mais de 24 horas e déficits neurológicos focais.

A interrupção da atividade sexual quando a dor se inicia evita sua intensificação. O paciente pode ser orientado também para ingerir, uma a duas horas antes da atividade sexual, ergotamina ou indometacina. Na persistência dos sintomas se pode indicar o uso de propranolol (120 a 200 mg/dia) ou diltiazem (60 mg/dia), por algumas semanas.

A cefaléia pré-orgástica (25% dos casos) é em peso, na cabeça e pescoço, e bilateral, que se intensifica à medida que a excitação sexual aumenta. Tem, possivelmente, a mesma fisiopatogenia da cefaléia do tipo tensional. Melhora ou mesmo cessa se o ato for interrompido e realizadas manobras de relaxamento. Se a atividade sexual progredir até o orgasmo, a dor pode tornar-se intensa e permanecer por um a dois dias. Não há necessidade de tratamento profilático. Deve-se orientar o paciente para não realizar atividade sexual em dias que esteja tenso e, se ocorrer a dor, o coito deve ser interrompido.

Quando da avaliação de qualquer paciente com cefaléia, é primodial excluir os chamados sinais de alarme nas cefaléias, que sempre sugerem que a cefaléia pode ser secundária a uma condição prévia. Dentre os sinais de alarme, devemos atentar para: cefaléia nova ou diferente  ou a declaração do paciente de que “esta é a pior dor de cabeça que eu ja tive”; aparecimento de nova cefaléia após os 40 anos, cefaléias noturnas ou ao acordar pela manhã, sinais sistêmicos (mialgia, febre, perda visual, perda de peso, mal-estar, flacidez dos músculos escapulares, claudicação mandibular), sinais e sintomas neurológicos (confusão, nível de atenção diminuído, meningismo, papiledema, crise apopléticas).

Como no nosso caso, as cefaléias precipitadas por manobra de Valsalva (tosse, espirro, esticar-se, curvar-se) ou com exercício físico ou sexual, deve-se pensar em problemas cardiocirculatórios. Apesar, de incomum a angina pode apresentar-se com cefaléia, devendo este sinal de alarme ser rapidamente investigado com teste de esforço e estudo hemodinâmico, pois este paciente está no chamado grupo de risco, obeso, sedentário, tabagista e estressado.

Veja mais sobre – Angina pecturis nos idosos

Referências:

Waters WE – Epidemiological data relevant to prognosis in migraine in adults. Int J Epidem 1972,2:189-194.
Fischer CM – Late life migrane accompaniments: further experience. Stoke 1986,17:1033-1042.
Ostergaard JR, Kraft, M – Benign Coital Headache. Cephalalgia, 1992, 12:353-5.
Speciali JG – Cefaléias, como diagnosticar e tratar.Rev Bras med 2006,63:6-18.

Tags: , ,




Comentário integrado ao Facebook:


13 Comentários »

  1. wagner Lavigne comenta:

    14 janeiro, 2010 @ 6:46 PM

    Sou um homem de 34 anos. Sou sedentário, me alimento mal, estou acima do peso e trabalho em mais de um emprego, sobrando assim pouquíssimo tempo para atividades físicas. Ontem a noite ( 13/01/2010 ), durante a relação sexual, fui surpreendido com uma dor de cabeça latejante de intensidade imensurável, que quase me levou a loucura. Cessei o coito imediatamente sem chegar ao orgasmo, porém a dor manteve-se por mais de 15 min, momento em que solicitei a minha esposa que fosse levado a uma emergência médica. Ao chegar a emergência, aproximadamente 30 minutos após o início, recebi atendimento imediato e medicação sub-lingual para baixar a pressão, que naquele momento estava em 29/18. Outras medicações foram ministradas mas não as identifiquei. Logo após o início da dor comecei a tossir chegando ao vômito quando já no hospital. A dor de cabeça manteve-se na mesma intensidade por aproximadamente 2 horas, diminuindo gradativamente; entretanto continuo a senti-la, como uma dor fraca, ainda agora 23 horas após o seu início. No hospital foi realizado um exame de tomografia na minha cabeça, porém, conforme o neuro que a avaliou, sem apresentar nenhuma sequela. Cumpre ressaltar, que havia ingerido uma quantidade grande de alimentos 2 horas antes de iniciar o coito. Após ler o diagnóstico acima, estranhei o fato de minha dor ter se mantido no pico por aproximadamente 2 horas. Não deveria ter aliviado logo em seguida, caso tenha eu sofrido da chamada CEFALÉA PRÉ-ORGÁSTICA? Grato, Wagner.

  2. celeste ieda de souza lima comenta:

    24 março, 2010 @ 5:25 PM

    ola!!!! estou com uma dor de cabeça desde outubro e ja estamos em março…. pois bem esta dor nao é constante ´. somente quando eu abaixo a cabeça e o tronco ( posiçao que faço para amarrar o tenis) doi tambem quando eu tusso , quando dou risada, quando grito , quando evacuo, se estiver deitada doi mais ainda , é uma dor muuuuuiito forte mas passa em 15 minutos nao é sinusite , nao é caso de oculistae nao tem nada na tomografia da cabeça … o que pode ser????

  3. Diego comenta:

    13 outubro, 2010 @ 1:46 PM

    Boa tarde, após procurar tratamento uns 05 anos atrás, o Neuro diagnosticou minha dor de cabeça como a Cefaléia pré-orgástica e após cessar sem medicamentos ela retornou após estes anos, diferente, antes ela era na região occipital, latejante e de muita intensidade. Hoje ela aparece na regiao parietal esquerda de intensidade média e dura mais de 24 horas. O que faço?

  4. cristóvão comenta:

    23 junho, 2011 @ 7:39 PM

    Boas tardes, estou com 34 anos, vida sedentária e acima do peso médio uns 20 kg, bastante stressado e até hoje sempre tive uma vida sexual bastante activa, mas desde o ultimo fim de semana que em resultado de uma noite de festa e uns wiskies a mais, surgiu uma terrivel enxaqueca das habituáis, mas que desaparecem no segundo dia, só que desta vez e já fazendo 5 dias a enxaqueca tem permanecido não sendo aguda, mas para minha surpresa ao tentar relações com minha mulher a mesma dor se tornou insuportável, interrompi o coito e a dor foi graduálmente baixando, realizo minhas tarefas do dia a dia normalmente, mas sempre que tento nem que seja me masturbar, a enxaqueca volta com bastante força. Não sei que fazer? Alem de tudo trabalho num país Africano em que os cuidados médicos são muito precoces, vou de férias dia 5 de Julho e em meu país penso fazer todos os exames, mas tenho receio de que seja algo grave e não aguente até lá…Bem não sei que fazer, agradecia uma possivel solução???? Obrigado

  5. Thiago Costa comenta:

    14 novembro, 2011 @ 4:58 PM

    Tive uma breve mas intensa dor de cabeça imediatamente após o orgasmo há uns três dias atrás, quando mantinha relações com minha namorada. Ontem senti a mesma dor aguda, mas desta vez com maior intensidade, ao tentar me masturbar. É horrível. Nunca senti isso antes. E ainda não passou a dor na região da nuca e cabeça. Não estou acima do peso e faço exercícios. Os medicamentos comuns para as dores de cabeça podem auxiliar na diminuição dos sintomas? Há algum risco maior? É muito grave? E por que a dor acontece?

  6. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    14 novembro, 2011 @ 5:27 PM

    Thiago, Faça uma consulta com um médico cardiologista. Voce pode estar sofrendo de pico de hipertensão arterial com o esforço físico. Existe uma cefaléia chamada de cefaléia osgásmica, mas esse diagnóstico é feito excluíndo-se as outras causas.

  7. Caroline comenta:

    5 janeiro, 2012 @ 3:56 AM

    Olá,
    tenho 17 anos e suspeito estar ter a cefaléia orgásmica.
    A primeira vez que senti uma forte dor de cabeça durante o ato sexual- que depois do orgasmo ela não se prolongou- que persistiu alguns dias, foi há 4 meses atrás. Achei que fosse por conta de uma cirurgia (Otoplastia) que tinha já fazia algumas semanas, por isso não me preocupou muito.
    Nunca mais aconteceu, mas ontem senti as mesma dor de cabeça durante o ato, mas se prolongaram depois do orgasmo, então tomei Dipirona e melhorou. E hoje tive que interromper a relação, antes mesmo de chegar ao orgasmo, pois a dor estava muito forte e me preocupou, e a dor persistiu.

    Dei uma pesquisa, e me preocupou o fato dessa cefaléia ser mais comum em homens e apartir dos 30 anos.
    É claro que procurarei um especialista, mas ficarei grata se puder me dar alguma informações sobre o caso e assim ficarei mais calma até a consulta médica.

    Obrigada.

  8. Vanessa comenta:

    20 janeiro, 2012 @ 5:19 PM

    Tive esse problema na semana passada, que dor terrível, também tenho essa dor na hora do orgasmo, e durou uma semana, minha cabeça ficou até meio dormente, com dores frequentes…
    Fui ao neuro fiz uma angioressonancia e ainda bem que nada de mais grave aconteceu, mas olha nem sabia que podia existir uma dor tão forte…
    Agora vou ter que tomar medicamento meia hora antes da relação, ainda não fiz o teste, mas espero nunca mais sentir a mesma dor, se eu puder ajudar alguem fico a disposição.

  9. Jão , comenta:

    18 setembro, 2012 @ 2:19 PM

    Affz, eu tenhu 16 anos eu achei uma parceira, pra poder iniciar minha vida sexual e ja, tenhu esse negocio ai quando vou me masturbar sinto uma puta dor na nuca, eee tb queria faser academia mas, quando faço flexoes de series, quando estou nas ultimas eu sinto a mesma dor na nuca , quero saber quanto tempo demora pra isso parar .

  10. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    18 setembro, 2012 @ 4:24 PM

    João, Faz uma avaliação com médico cardiologista para saber qual o seu real estado de saúde.

  11. Rita Couto comenta:

    24 outubro, 2012 @ 9:12 AM

    Tenho 52 anos, sofro de enxaqueca a alguns anos, porem nunca havia sentido dores de cabeça durante o ato sexual. A cerca de uns quatro meses, senti pela primeira vez, fiquei um período sem sentir, porém agora, durante o ato sexual, conforme vai aumentando a excitação, começo a sentir uma pressão na nuca que espalha pela cabeça toda. A dor é tão incômoda que preciso interromper o ato.
    Gostaria de mais esclarecimento sobre o assunto. Obrigada!

  12. Paulo comenta:

    30 janeiro, 2013 @ 9:35 PM

    gostaria de saber que medico devo procurar a principio para ver sobre a Cefaleia Orgasmica, vista que já sou hipertenso. abraços

  13. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    31 janeiro, 2013 @ 8:19 PM

    Consulte médico neurologista. Porém é possível que a sua cefaléia seja decorrente da hipertensão. Cheque com seu médico cardiologista esta possibilidade.

Deixe seu comentário aqui !