22 - jan
  

Doença de Chagas – Tipos de cardiopatias

Categoria(s): Cardiogeriatria




Resenha

A doença de Chagas é um dos melhores exemplos de como a ciência médica depende fundamentalmente da boa propedêutica física e da análise criteriosa dos dados obtidos.
Para compreendermos a importância das descobertas de Carlos Chagas, devemos nos imaginar no início do século onde os recursos tecnológicos a disposição da ciência eram muito escassos é o principal instrumento, além da razão cientifica, era os toscos microscópios mono-oculares de espelho refletor.

A história desta descoberta teve início em 1907 quando por solicitação do Ministro da Saude Dr. Miguel Calmon, no sentido de promover campanha anti-palúdica no Vale do Rio das Velhas (MG), o diretor do Instituto Manguinhos, Dr Osvaldo Cruz, designou o jovem cientista Carlos Chagas para este fim.

Um ano de intensa observação clínica em pacientes palúdicos permitiu a Chagas definir um outro tipo de protozoose até então desconhecida. Chagas consegui caracterizar todas as formas clínicas, hoje amplamente conhecida, sobre tudo as que acometem o sistema cardiovascular. Sem as facilidades da radiologia, da eletrocardiografia, da ecocardiografia e da hemodinâmica conseguiu determinar o protozoário causador da doença e seu ciclo.

Em 1945, Dias, Laranja e Nobrega, em trabalho que se tornou clássico, pois marcou a retomada dos estudos sobre a doença de Chagas, apresentaram uma nova visão sobre as manifestações e as formas clínicas da doença, sobre tudo chamando atenção para a síndrome de Stokes-Adams.

A diversidade de quadros clínicos da cardiopatia chagásica crônica justifica o interesse em reconhecer a forma pela qual a enfermidade se apresenta em cada paciente, não só para uma adequada investigação diagnóstica, escolhendo-se os exames mais úteis para cada caso, como também a orientação terapêutica.

Cardiopatia Chagásica

A doença de Chagas na sua forma crônica se manifesta cardiológicamente com uma ampla diversidade de quadro clínico. Ultimamente classifica-se as suas formas em a) disritmias, b) insuficiência cardíaca congestiva, d) síndrome tromboembólica, e) cardiopatia silenciosa.

Forma arritmogênica – A forma clínica mais freqüente são as arritmias, as quais, por sua vez, se revestem de tantas particularidades que é possível subdividi-las em três subgrupos: as bradidisritmias, as taquiarritmias e as extrassitólicas. Os sintomas mais freqüentes são as palpitações e as tonturas. No grupo de pacientes com arritmia inclui-se a síndrome de Stokes-Adams, seja em sua manifestação clássica com perda da consciência e convulsões, seja nas formas frustas caracterizada por lipotímia ou perda da consciência de curta duração, sem convulsões. Merece referência especial nesta forma clínica a alta prevalência de morte súbita, sendo as taquiarritmias ventriculares o mecanismo fisiopatológico mais importante.

Forma miocardiopática – A insuficiência cardíaca é a forma bem definida, nas quais podemos diferenciar dois subgrupos. Um subgrupo apresentando a forma clássica de insuficiência cardíaca, com algumas particularidades que devem ser ressaltadas. A principal é a inexistência de manifestações de insuficiência ventricular esquerda, dependentes de congestão pulmonar, precedendo a descompensação ventricular direita. A falência cardíaca é global, porém, predominam as manifestações de insuficiência cardíaca direita. Chama a atenção a facilidade com que se consegue compensar tais pacientes nas primeiras vezes que manifestam a ICC. Ressalta-se que a área cardíaca esta sempre aumentada e o eletrocardiograma alterado.
Em outro subgrupo, o que chama atenção é o relato de cansaço aos esforços, sem sinais de ICC. segundo alguns autores esta forma deve ser denominada “síndrome de disfunção sistólica”. Nesta forma esta freqüentemente associada as arritmias, e a área cardíaca é normal ou pouco aumentada.

Forma trombogênica – Outra forma clínica é a cardiopatia chagásica crônica tromboembólica. A presença de trombose na cavidade ventricular esquerda, com embolia cerebral, renal, mesentérica ou dos vasos dos membros, torna fácil o reconhecimento desta forma clínica.

Na avaliação diagnóstica a área cardíaca esta normal ou aumentada e o eletrocardiograma freqüentemente alterado. Tanto o ecocardiograma como a ventrículografia mostra áreas discinéticas e trombos intracavitários.

Recentemente tem-se observado um tipo de manifestação da doença de Chagas, cujo dado clínico principal é a ausência de sintomas cardiovasculares apesar da sorologia positiva.
Este tipo de pacientes podem ser subagrupados nos que não possuem nenhum exame não invasivo alterado (também denominada forma indeterminada da doença) e no subgrupo onde existe alteração no eletrocardiograma pressupondo alguma alteração cardiológica.
O diagnóstico é o tratamento de cada uma desta forma depende da análise clínica do caso.

Forma indeterminada – O portador da forma indeterminada da doença de Chagas caracteriza-se por apresentar sorologia e/ou xenodiagnóstico positivo, em ausência tanto de manifestações clínicas, cardíacas, digestivas ou nervosas, como de alterações eletrocardiográficas, radiológicas do coração e do tubo digestivo. Não se inclui, nesta definição, qualquer investigação invasiva.

Aneurisma apical – A lesão apical do coração foi descrita por Carlos Chagas, em 1961. Diversas publicações denominaram este acometimento com aneurisma ventricular, nódulo fibroso da ponta, lesão necrótica da ponta do coração, lesão atrófica do vortex, fibrose da ponta do ventrículo esquerdo e suas proximidades, adelgaçamento da ponta, aneurisma apical, lesão vorticilar, lesão fibrótica apical e aneurisma da ponta. A designação de lesão apical é a mais amplamente utilizada, pois abrange os vários aspectos morfológicos.
Sua freqüência é muito variável oscilando entre 30% e 86,9% em estudos de necropsia e de 40% a 77% em avaliações cineventriculográficas. Este envolvimento da ponta não é exclusivo do ventrículo esquerdo, podendo também ser encontrado no ventrículo direito, com incidência entre 9 a 19,4%. Os aneurismas são áreas arritmogênicas, havendo indicação de cirurgia nos casos em que ocorre episódios tromboembólicos, arritmias graves ou grande “roubo” da sístole cardíaca.

ECO -O estudo ecocardiográfico pode mostrar um coração de aspecto anatômico normal até os quadros de grandes cardiomegalias dilatadas. Revelando em muitos casos a lesão apical com trombose, que quando exclui-se o diagnóstico de cardiopatia isquêmica, fecha o diagnóstico de cardiopatia chagásica.

Referências:

Chagas C, Vilela EA – Forma cardíaca da tripanosomiase americana. Mem Inst Oswaldo Cruz. 1922;14:5.

Dias E, Laranja F, Nobrega G – Doença de Chagas. Mem Inst Oswaldo Cruz. 1945;43:495.

Chagas C – Processos patogênicos de tripanozomiase americana. Mem Inst Osw Cruz,1916;8:5-37.

Albanesi Fo FM – Aneurismas mamilares apical na cardiopatia chagásica crônica. Arq Bras Cardiol,1991;147-149.

Porto CC, Rassi S – Formas clínicas da cardiopatia chagásica crônica. Arq Bras Cardiol. 1989;52(5):235-237.

Decourt LV, Sosa EA, Pilegi F – Estudos eletrofisiológicos cardíacos na forma indeterminada da doença de Chagas. Arq Bras Cardiol. 1981;36:227.

Marins M, Silva CT, Motta VP et al – Estudo hemodinâmico em indivíduos chagásicos sem cardiopatia aparente. Arq Bras Cardiol. 1981;37:463-466.

Sousa ACS, Marin-Neto JA, Maciel BC et al – Disfunção sistólica e diastólica nas formas indeterminadas, digestivas e cardíaca crônica da moléstia de Chagas. Arq Bras Cardiol.1988;50:293.

Cançado JR – Doença de Chagas. Belo Horizonte, Universidade Federal de Minas Gerais, 1968.

Tags: ,




Comentário integrado ao Facebook:


9 Comentários »

  1. MIGUEL FERREIRA DA PAZ comenta:

    22 fevereiro, 2008 @ 5:14 PM

    SIM AMIGOS ESTOU AFASTADO PELO MUE MÉDICO DA UNIMED DA PM ESTOU COM BLOQUEIOS ALVEOLARES DIREITO E ESQUERDO, ARRITMIA CARDICA E DOENÇAS DE CHAGAS. TENHO PALPITAÇÕES E CANSAÇO MESMO DEITADO E TONTURA E QUANDO FAZIA ANTES DE SABER DA DOENÇA SENTIA UMA TONTURA E FALTA DE AR. PENSAVA QUE FOSSE POR CAUSA DA ASMA QUE TIVE NA INFÂNCIA. PARECE QUE VOU ME REFORMAR DOS QUADROS DA PM QUANDO FECHAR OS 2 ANOS. LEI ESTADUAL. MEU MEDICO EM 6 E EM 6 MESES FAZ OS EXAMES ROTINEIROS, ELETRO, HOLTER, ECO, ESTEIRA. SANGIUE A DOENÇA DE CHAGAS ESTA ESTAGNADA E NÃO POSSO BEBER, NEM FAZER ESFORÇO FÍSICO
    NEM CORRER, NEM TER RAIVA E MEU COLESTEROL DEVE SER BAIXO E NÃO COMER GORDURA ETC.

  2. ANNY comenta:

    14 novembro, 2008 @ 3:42 PM

    NÃO GOSTEI MUITO DESSA MATÉRIA,VEM CONTANDO POUCA COISA,EU QUERIA QUE FOSSE MAIS DETALHADA.JÁ ENCONTREI SITES MELHORES.

  3. enibaldo dos santos comenta:

    15 julho, 2009 @ 7:23 PM

    gostaria de saber como acabar com arritmia em curto espaço de tempo se isso e posivel como devo proceder

  4. Dany comenta:

    3 setembro, 2009 @ 9:26 PM

    Existe algum tratamento fisioterápico que possa ser feito no paciente que apresenta a doença de chagas?

  5. janete a o lima comenta:

    9 fevereiro, 2010 @ 7:48 AM

    se doenca de chagas e ou nao considerada cardiopatia, eu tenho e uso marcapasso, eu posso solicitar aposentadoria, como fazer?

  6. Sandra VSP comenta:

    24 fevereiro, 2010 @ 7:07 PM

    Minha última ressonancia acusou disfunção ventricular esquerda discreta/moderada, aneurisma apical e realce tardio compatível com cardiopatia chagásica, gostaria de saber a possibilidade de me aposentar?

  7. rebeca comenta:

    14 março, 2010 @ 7:37 PM

    e como um fisioterapeuta trata de uma pessoa acometida com esta doença (chagas)?

  8. rose comenta:

    2 setembro, 2011 @ 8:06 PM

    vc podia explicarde uma forma mas clara.
    ficou a deseja muitas coisas.
    vc não acha.vou apresenta um trab e gostaria que fosse mas explicado.

    grata.
    Rose

  9. Rosangela de Camargo M.Assis comenta:

    11 abril, 2013 @ 6:00 PM

    Descobri que meu pai está com o coração grande devido a doença de chagas,e não sei como agir,perdi o chão,tenho medo dele morrer,gostaria de saber mais sobre o tratamento,se ele tem chances de viver mais.
    Tá tudo muito vago,e ele é um cara que não gosta de ficar parado,e precisa se manter calmo.
    Me orientem.

Deixe seu comentário aqui !