24 - out
  

Uso da creatina, L-carnitina e aminoácidos de cadeia ramificada nos idosos

Categoria(s): Bioquímica, Endocrinologia geriátrica, Nutrição




Resenha

Um dos grandes vilões da invalidez é a perda da massa muscular (sarcopenia) que acomete todas as pessoas idosas. Em algumas mais rapidamente que em outras. Apesar do considerado o impacto que a reduzida massa muscular parece exercer sobre a morbidade e a mortalidade, relativamente poucos estudos controlados e randomizados foram realizados com intervenções que promovam a recuperação da massa muscular perdida (atuações ergogênicas). Veja sarcopenia

Em indivíduos saudáveis, a suplementação de substâncias ergogênicas é utilizada para aumentar a tolerância ao exercício, postergar a fadiga, ou estimular a síntese protéica muscular, visando assim à melhora do desempenho físico.

A revisão da literatura mostra que, entre os suplementos ergogênicos avaliados, os esteróides anabolizantes, desde que utilizados em doses adequadas e por tempo limitado, parecem ser os mais promissores. Evidências preliminares também apontam bons resultados com o uso da creatina e da L-carnitina e, em menor grau, com os aminoácidos de cadeia ramificada. O emprego do rhGH parece limitado em nosso meio devido ao custo elevado e à administração parenteral.

O uso de suplementações hormonais e protéicas visa a seus benefícios ergogênicos, especialmente aqueles relacionados com o aumento da síntese e/ou diminuição do catabolismo protéicos.

Esteróides anabolizantes – Os esteróides anabolizantes são hormônios sintéticos semelhantes à testosterona, o mais importante hormônio secretado pelas células intersticiais do testículo. Atuam no desenvolvimento dos caracteres sexuais masculinos, promovendo hipertrofia muscular e redução da gordura corporal. O importante efeito anabolizante dos esteróides estimulou diversos pesquisadores a investigar um possível efeito terapêutico dessas substâncias.

O uso prolongado de altas doses em humanos pode levar à deterioração da função endócrina normal da testosterona e ao aumento da concentração de estradiol, hormônio feminino que promove o desenvolvimento de características femininas. Outros efeitos colaterais podem ocorrer, como: aumento do colesterol com diminuição do HDL-colesterola (high density lipoprotein), lesões hepáticas, hiperplasia prostática, impotência e esterilidade.

Creatina – A creatina é um nutriente encontrado em alimentos, como peixes e carnes, podendo ser sintetizado endogenamente no fígado, rins e pâncreas a partir de outros aminoácidos (glicina, arginina e metionina). A maior parte da creatina está no músculo esquelético, sob a forma de fosfocreatina. A fosfocreatina é a primeira reserva energética degradada durante atividades de alta demanda energética, que variam de dez segundos a cerca de um minuto, porém seus estoques são ressintetizados em poucos minutos, o que a torna importante em exercícios intermitentes.

A suplementação de creatina tem sido muito utilizada por atletas. Contudo, evidências recentes indicam que a creatina pode ser útil no tratamento de doenças, principalmente naquelas que resultam em atrofia e fadiga muscular. Outro aspecto relevante, que justificaria o uso da creatina em pacientes com doenças pulmonares crônicas, é que esta população apresenta redistribuição dos tipos de fibras musculares, com predomínio de fibras do tipo II, que se caracterizam por contrações rápidas e apresentam maior capacidade anaeróbia que as do tipo I. Estudos apontam que as fibras do tipo II apresentam maior utilização de fosfocreatina durante o exercício. Desta forma, a suplementação de creatina pode ser uma alternativa válida, juntamente com o treinamento físico, no intuito de diminuir a intolerância ao exercício.

L-carnitina – A L-carnitina é um metabólito essencial envolvido no transporte dos ácidos graxos de cadeia longa, do citosol para a matriz mitocondrial, onde ocorre a ß-oxidação, ou seja, a oxidação dos ácidos graxos, com produção de energia.

Vários trabalhos foram publicados na literatura esportiva abordando o efeito ergogênico da L-carnitina, visando à melhora do desempenho, já que a mesma pode aumentar a oxidação de ácidos graxos, diminuir as taxas de depleção do glicogênio muscular, e aumentar a resistência à fadiga muscular. Porém, a utilização de L-carnitina por longos períodos em indivíduos saudáveis não treinados não mostrou melhora do desempenho físico.

Parece lógico supor que a suplementação de L-carnitina deva ser utilizada preferencialmente em indivíduos com composição corporal adequada, especialmente no que se refere à reserva adiposa, já que a substância estimula a utilização de gorduras como substrato.

Aminoácidos de cadeia ramificada (ACR) – Os aminoácidos de cadeia ramificada (ACR), leucina, isoleucina e valina, são primariamente metabolizados no músculo esquelético como substratos energéticos, ou utilizados como precursores para a síntese de outros aminoácidos e proteínas. Eles exercem uma influência significativa sobre o metabolismo da glutamina e servem como importante substrato energético para o cérebro, rins, fígado e coração. O aumento da concentração de ACR no músculo esquelético reduz a atividade da glutamato desidrogenase, reduzindo a degradação da glutamina. O glutamato intracelular tem papel central na preservação dos fosfatos de alta energia no músculo e seus baixos níveis intramusculares estão associados à acidose lática precoce durante o exercício. A infusão de ACR estimula a síntese e diminui a degradação protéica, regulando a renovação muscular. Durante exercícios prolongados, os ACR podem servir como substrato oxidativo para os músculos esqueléticos. Em condições de relativa falta de energia, como sepse, trauma e hipóxia, o metabolismo dos ACR encontra-se acelerado no músculo esquelético.

Hormônio do crescimento – O hormônio do crescimento é um polipeptídeo composto de 191 aminoácidos, liberado pela hipófise a partir de certos estímulos fisiológicos específicos. Através de técnicas de engenharia genética, pode-se obter sua forma sintética, o hormônio de crescimento recombinante (rhGH). Esta substância pode acelerar a oxidação dos ácidos graxos e aumentar a captação de aminoácidos, além de exercer um efeito diabetogênico, secundário à diminuição do transporte de glicose através da membrana celular. Outros efeitos colaterais relacionados ao rhGH são: edema periférico, hipotiroidismo e ginecomastia.

O hormônio do crescimento estimula o fígado a produzir o fator de crescimento insulina-símile 1, uma molécula que se liga a proteínas carreadoras plasmáticas. Este fator de crescimento constitui o mais importante mediador anabólico do hormônio de crescimento, tendo função central na regulação do metabolismo e na proliferação e diferenciação celulares. Portanto, o emprego do hormônio do crescimento pode ser potencialmente benéfico na sarcopenia.

Referências:

Casey A, Greenhaff PL. Does dietary creatine supplementation play a role a role in skeletal muscle metabolism and performance? Am J Clin Nutr. 2000;72(2 Suppl):607S-17S.

Freund H, Hoover HC Jr, Atamian S, Fisher JE. Infusion of branched chain amino acids in postoperative patients. Anticatabolic properties. Ann Surg. 1979;190(1):18-23.

Gosker HR, van Mameren H, van Dijk PJ, Engelen MP, van der Vusse GJ, Wouters EF, et al. Skeletal muscle fiber-type shifting and metabolic profile in patients with chronic obstructive pulmonary disease. Eur Respir J. 2002;19(4):617-25.

Neder JA, Nery LE. Fisiologia do exercício: teoria e prática. São Paulo: Artes Médicas; 2003.

Persky AM, Brazeau GA. Clinical pharmacology of the dietary supplement creatine monohydrate. Pharmacol Rev. 2001;53(2):161-76.

Platell C, Kong SE, McCauley R, Hall JC. Branched-chain aminoacids. J Gastroenterol Hepatol. 2000;15(7):706-17.

Rodrigues LP, Padovan GJ, Marchini JS. Uso de carnitina em terapia nutricional. Nutrire. 2003;25:113-34.

Schols A. Nutritional modulation as part of the integrated management of chronic obstructive pulmonary disease. Proc Nutr Soc. 2003;62(4):783-91.

Villaça DS, Lerario MC, Dal Corso S, Neder JA – Novas terapias ergogênicas no tratamento da doença obstrutiva crônica. J Bras Pneumol 2006;32(1):

Tags: , , , , ,




Comentário integrado ao Facebook:


19 Comentários »

  1. Edson Silva Filho comenta:

    22 dezembro, 2007 @ 12:55 PM

    Gostaria de saber se o uso correto de aminoacidos, de acordo com o fabricante, proporciona efeitos colaterais no organismo, e quais são? Ocorre alguma alteração no desempenho sexual em decorrencia do uso de aminoacidos, ou não influencia em nada?

  2. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    23 dezembro, 2007 @ 6:36 PM

    Edson, Os aminoácidos são produtos naturais e, muito importante para o nosso organismo. Mas, como qualquer produto deve ser administrado sob supervisão médica. As orientações colocadas pelos fabricantes são genéricas, não serve para todas as idades e dependem de inúmeras variáveis, como doenças associadas, alérgias, doenças hepáticas, intestinais, etc.
    Como os aminoácidos são as bases da proteínas, inclusive hormônios, é possível melhora no desempenho sexual, mas ele não é usado com esta finalidade.

  3. alessandra borella comenta:

    28 janeiro, 2008 @ 6:54 AM

    Ainda referindo-me a este assunto sobre uso de aminoácidos e proteínas,minha pergunta é: seria possível um paciente que faz uso desses produtos com intuito de ganhar massa muscular, e sem indicação medica, por excesso nas doses, apresentar algum tipo de náuseas e sentir diminuir o apetite e ao ingerir alimentos, novamente sentir enjôos?
    Partindo do princípio de que tais produtos em excesso do uso, podem sobrecarregar o fígado,seria isso então possível?
    Grata.

  4. lene comenta:

    23 abril, 2008 @ 9:42 AM

    Gostaria de saber sobre o L- Carnitina se o uso ataca o figado e se tem algum efeito colateral para quem teve diabétes gestacional e se pode usar em período de amamentaçao?

  5. Ana comenta:

    30 abril, 2008 @ 12:01 PM

    Quais sao os efeitos indesejaveis dos aminoacido?

  6. nivaldo comenta:

    2 novembro, 2008 @ 12:15 PM

    em primeiro lugar quero agradeçer. pela atenção e por tirar nossas duvidas. o que eu gostaria de saber ,é faço uso dos seguintes medicamentos. para transtorno bipolar. são eles . ( tripitanol 300mg)( rivotril 2mg) (alprazolan 2mg) mas mesmo com esses medicamentos tenho dificuldade em dormir. mas o que não me impede de praticar exercicios fisicos. como andar de bike e um pouco de musculação. é claro que com um pouco de dificuldade, pois os medicamentos me deicham um pouco desanimado mas mesmo assim sou percistente queria saber se o uso do suplimento aminoacidos para ajudar no meu rendimento pode prejudicar ainda mais o meu (sono) desde ja grato pela atenção. e obrigado.

  7. N comenta:

    2 fevereiro, 2009 @ 5:21 AM

    o uso de creatina em comprimido da “GOLD nutrition” antes do treino de karate faz mal ou nao?
    E quais os beneficios que trás?

  8. simone purificação comenta:

    11 maio, 2009 @ 1:12 PM

    Gostaria de saber L,carnitina em liquido o efeito é mais rápido do que a comprimido e quanto tempo ver o resultado.
    desde já agradeço

    simone

  9. jo comenta:

    21 julho, 2009 @ 10:44 AM

    tenho hernia de hiato!e arriscado tomar GH?

  10. ana paula comenta:

    29 setembro, 2009 @ 7:51 AM

    gostaria de saber quais os produtos da oxidação dos aminoácidos de cadeia ramificada? ( leucina, isoleucina e valina), grata!

  11. Marta Regina Gonzaga comenta:

    30 novembro, 2009 @ 12:08 PM

    Olá, eu tenho 51 anos de idade e descobri que tenho distrofia muscular de cinturas, há 14 anos tive o tratamento pra polimiosite e nesse tempo eu perdi muita massa muscular e quase nem estou conseguindo andar mais, estou com problemas de coluna tbem, pois ando com dificuldadee forçou muito a coluna.
    Gostaria de saber se posso tomar o L-carnitina, pois tenho Esteatose Hepática, mas não aguento mais ficar aqui em casa sem poder sair, pois dependo de ajuda pra andar e tenho lido muito sobre esse produto e gostaria de saber se posso administrá-lo.
    Agradeço a atenção.

  12. Andréa Ansaloni comenta:

    10 fevereiro, 2010 @ 7:18 PM

    Quero saber se L-CARNITINA ATACA O FÍGADO E PROVOCA ENXAQUECA?

    FAÇO TRATAMENTO DE ENXAQUECA POR CAUSA DO FÍGADO, SE EU TOMAR L-CARNITINA PODE ATACAR MEU FIGADO E PROVOCAR ENXAQUECA?
    OBRIGADA ANDRÉA

  13. Enxaqueca comenta:

    14 junho, 2010 @ 11:24 AM

    Gostei muito do site irei freqüentá-lo mais vezes. Sofri muitos anos de enxaqueca, hoje estou livre já vai fazer uns 2 anos, não é propaganda não mas uma dica que eu dou é o site http://cefaleias.com.br/enxaqueca , tem muita informações sobre enxaqueca, ansiedade, depressão, dor de cabeça, e cefaléia em salvas. Dicas sobre tratamento, http://cefaleias.com.br/blog/tratamento-da-enxaqueca etc. Espero que gostem da dica e que eu tenha ajudado.

  14. CARMEN VARGAS comenta:

    1 julho, 2010 @ 12:07 AM

    Há oito anos fui diagnosticada como portadora de distrofia muscular tipo cinturas. Fui perdendo a força muscular nos membros inferiores e, mais tarde, nos membros superiores e, atualmente, fico de pé e dou alguns passos com muitadificuldade e com a ajuda de outras pessoas. Por conta da imobilidade fui desenvolvendo obstrução das carotidas na faixa de 50a 70%. Faço dieta rigorosa com acompanhamento de nutricionista e faço uso de antiplaquetario. Já perdi 12 KG. Gostaria de saber se o uso de L carnitina pode me ajudar, seja na questão muscular ou na aterosclerose que parece estar me acometendo?? em que doses posso tomar?? em que horáio é o mais indicado?? Me coloco a disposição para informações adicionais. antecipadamente agradecida.
    Carmen Lucia Vargas

  15. val comenta:

    5 novembro, 2010 @ 3:22 PM

    ola eu queria saber por quanto tempo um ser tem que tomar l carnitina para sua definição ? na maioria das vezes as pessoas tem que tomar ppor quanto tempo? uito obrigada! aguardando resposta .

  16. Marilda comenta:

    9 novembro, 2010 @ 1:43 PM

    Gostaria de saber se posso colocar o l carnitina em cremes corporais de uso diário e se isso ñ traria nenhum problema…
    uma vez q existe cremes contendo o l carnitina, mas geralmente são caros.Pois gostaria da ação de queima de gordura de
    forma localizada.

  17. kazumi tagomori comenta:

    15 maio, 2011 @ 4:08 AM

    gostaria de saber os efeitos de aminoácidos e tioglícoláto de amonio
    utilizados em produtos de alisamento de cabelo
    sou professor cabeleireiro e me preocupo muito com o que passar
    aos alunos;
    evito falar em alizantes contendo formol,o que são prejudiciais
    muito obrigado ! aguardo resposta

  18. Rui Fernandes comenta:

    22 maio, 2011 @ 7:32 AM

    Olá! Eu gostaria de saber por quanto tempo se tem que tomar l carnitina para sua definição (na maioria das vezes as pessoas tem que tomar ppor quanto tempo?) e se o uso de creatina em comprimido da “GOLD nutrition” antes do treino de karate faz mal ou nao, e quais os beneficios que trás.

    Muito obrigado! Aguardando resposta .

  19. Sérgio Ishisaki comenta:

    15 março, 2012 @ 8:16 PM

    Boa Noite
    Tive esteatose hepática que consegui reverter com uma dieta e exercícios. Tinha na época 103,200 e cheguei a 82,900
    Volei a engordar e agora decidi firmemente conquistar o peso ideal. Faço dieta alimentar e 4 caminhadas diárias de 3.5Km. Comecei com 94,400 e estou com 90,000 em 22 dias de dietas e caminhadas
    A minha dúvida é: posso fazer uso de L carnitina, como poderia fazê-lo e em que dosagem.
    Antecipadamente agradeço pelas orientações

Deixe seu comentário aqui !