25 - jul
  

Dietas – Diabetes Mellitus: Controle dietético e energético

Categoria(s): Bioquímica, DNT, Endocrinologia geriátrica, Gerontologia




Revisão

Colaboradora: Angela Terezinha Faveri Fornari *

* Nutricionista e pós-graduanda do curso Saúde e Medicina Geriátrica da Metrocamp

O Diabetis mellitus é uma doença crônica caracterizada por uma elevada taxa de glicose (açúcar) no sangue e por uma falta parcial ou total de insulina. Esta doença é bastante freqüente na população idosa e pouco diagnosticada e tratada nesta idade. A grande maioria dos diabéticos tem mais de 45 anos e no Brasil existem em torno de 5 milhões de diabéticos. O aumento do diabetes no envelhecimento se deve principalmente a obesidade e a falta de atividade física, a maior ingestão de carboidratos (massas, pães, batatas) e uso de remédios como corticóides.

Papel da hormonal

A glicose é uma das principais fontes de energia para nossas células, mas para as células do sistema nervoso, é a única fonte. Para essas células, ficar sem energia por tempo prolongado pode produzir danos severos e irreversíveis. Para garantir o bem estar e o bom funcionamento do organismo, como um todo, a glicemia deve ser mantida dentro de limites estáveis, o que se consegue através da interação entre ingestão de glicose, sua liberação de depósitos endógenos e a liberação de vários hormônios. Hormônios da família dos glicocorticóides, adrenalina, glucagon, hormônio de crescimento e a insulina participam da regulação dos níveis de glicose sérica.

Insulina

insulina

Dentre os hormônios, o mais importante é, sem dúvida nenhuma, a insulina. A insulina é produzida pelas células beta, localizadas nas ilhotas de Langerhans, no interior do pâncreas, e tem a função de regular a quantidade de glicose existente no organismo.

A glicose penetra nas células graças à ação da insulina. No diabetes há falta de insulina e portanto a glicose não penetra nas células permanecendo na circulação. O nível normal de açúcar no sangue é de 70 a 110 mg/dL. Acima de 110 e até 126 mg fala-se em intolerância à glicose e após 126mg – diabetes mellitus.

Ações da insulina

insulina tem importantes ações na econômica energética, tais como:

1. Aumento da síntese do glicogênio – a insulina força o armazenamento da glicose nas células do fígado (e dos músculos) na forma do glicogênio; os níveis baixos de insulina faz com que as células do fígado convertam o glicogênio em glicose e excrete para o sangue. Esta é a ação clínica da insulina que é diretamente útil em reduzir níveis elevados do glicose do sangue como no diabetes.
2. Aumento da síntese do ácido graxo – a insulina força as células gordurosas a recolher os lipides do sangue que são convertidos nos triglicerides; a falta da insulina causa efeito ao contrário.
3. Aumento da esterificação dos ácidos graxos – a insulina força o tecido adiposo a sintetizar gorduras (isto é, triglicerides) a partir dos esteres do ácido graxo; a falta da insulina causa o efeito inverso.
4. Diminuição da proteinolise – a insulina promove a redução da degradação das proteínas; a falta da insulina aumenta a degradação da proteína.
5. Diminuição da lipólise – a insulina reduz a conversão dos estoques lipídicos das células gordurosas em ácidos graxos sangüíneos; a falta da insulina tem efeito inverso.
6. Diminui a gliconeogenese – diminui a produção da glicose oriundas de vários substratos, no fígado; a falta da insulina causa a produção da glicose de vários substratos no fígado e em outras partes do corpo.
7. Aumento da “captura” de amino-ácido – forças células à absorver aminos-ácido circulantes; a falta do insulin inibe essa absorção.
8. Aumento da “captura” do potássio – a insulina força as células a absorver potássio sérico; a falta da insulina inibe esta absorção.
9. Ação no tônus do músculo das artérias – a insulina promove o relaxamento dos músculos das arterias, aumentando o fluxo sangüíneo, especialmente nas artérias da microcirculação; a falta da insulina reduz o fluxo sangüíneo permitindo que estes músculos se contraiam.

Diabetes e seu controle nos idosos

No idoso o diabetes não é só dependente da insulina sendo de mais fácil controle e em geral é benigno, evoluindo muito bem quando o tratamento for bem administrado.
A prevenção é feita principalmente em pessoas com antecedentes familiares. O tratamento do diabetes na 3ª Idade em geral é feito com dieta pobre em carboidratos, atividade física e às vezes, com o uso de medicamentos que diminuem os níveis de glicose no sangue. Eventualmente faz-se uso da Insulina .
O controle do diabetes está na dependência de importantes mudanças de hábitos alimentares e atividade física, principalmente. A dieta é muito importante e se baseia na restrição de carboidratos, incluindo-se aí o açúcar, a batata, a beterraba, etc. O controle de peso é fundamental pois a obesidade pode desencadear o diabetes.
Apesar da dieta ser de grande importância no tratamento do diabetes, é de difícil aplicação nos indivíduos idosos pela dificuldade de modificar o hábito alimentar praticado há anos. Nos idosos que freqüentemente apresentam-se desnutridos, deve-se suprimir os açúcares de absorção rápida como balas, doces, refrigerantes, bombons, chocolates, mel, melados, bolos, tortas, pudins, geléias, biscoitos, bolachas doces, leite condensado, sorvetes e manter os amidos (pães, massas, arroz, batata) associados a fibras (grãos e leguminosas, cascas e bagaço de frutas), frutas , proteínas (carne, leite, ovos e derivados), legumes e verduras. Fazer no mínimo 4 refeições ao dia (sendo que o ideal é de 5 a 6 refeições/dia).

Complicações do diabetes nos idosos

É muito importante seguir à risca a orientação médica pois o diabetes mellitus pode levar a complicações tanto crônicas como agudas.
As complicações agudas do diabetes são aquelas que se instalam rapidamente, em horas ou dias. As mais graves são o coma ceto-acidótico, o coma hiperosmolar e a hipoglicemia. Todas elas são graves e implicam risco de vida, caso o paciente não seja tratado a tempo. As complicações agudas do diabetes em geral são dramáticas, pois os pacientes estão bem e, em pouco tempo, parecem estar gravemente enfermos.

Referências:

ALBUQUERQUE Reginaldo. Hipoglicemia. Sociedade Brasileira de Diabetes. [on line]
Diabetes Mellitus. [on line]
FAJANS, Stefan S. Diabetes Mellitus; Hipoglicemias. Manual Merck, Seção 13 – Distúrbios Hormonais, Capítulo 148 – Hipoglicemia. [on line]
Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Seção Conteúdo Público. O que é Diabetes? [on line]
Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Diabetes Mellitus. [on line]

Tags: , ,




Comentário integrado ao Facebook:


12 Comentários »

  1. juraci rodrigues comenta:

    20 dezembro, 2007 @ 7:09 AM

    meu nome Juraci Rodrigues, tenho pressão alta, glicose alta, qual a fruta que posso comer?
    grato

  2. larissa guida comenta:

    3 setembro, 2008 @ 12:43 PM

    gostei mesmo do site, algo pequeno mas bem vago nas ideis, bem detalhado e facil de entender,
    fiz pesquisas e garanto que me ajudou muito nela.

  3. FERNANDALINS comenta:

    28 outubro, 2008 @ 6:09 PM

    estava buscando os dados qu achei aqui.Obrgada.Bem suscinto mas esclarece bem.Sucesso e continuem.

  4. Roberta Costa comenta:

    5 janeiro, 2009 @ 11:00 AM

    Bom Dia !
    Gostaria de parabenizar o site , por esses artigos, são de fundamental importância.
    Sou Enfª do Programa de Atenção á Pessoa Idosa do município de Nova Iguaçu, estou iniciando uma serie de palestras direcionada tanto aos idosos como aos profissionais e me sinto grata a vocês pelos conhecimentos adquiridos. Muito obrigada.
    Que 2009 seja um ano de bênçãos para vcs.

  5. crislayne comenta:

    18 fevereiro, 2009 @ 10:32 AM

    so queria deixar um recado deixe o açuca de lado doçes e etc…

  6. Afonso Henriques soares comenta:

    3 setembro, 2009 @ 2:41 PM

    Muito bom artigo! Obrigado!

  7. maria comenta:

    9 janeiro, 2010 @ 6:44 PM

    achei fantastico o artigo, estou a fazer um trabalho para a escola, e ajudou-me imenso .
    por isso muito orbrigado .

    Lisboa, Portugal

  8. mariane comenta:

    20 fevereiro, 2011 @ 4:26 PM

    preciso fazer um trabalho de diabetes no idoso

  9. Naara comenta:

    17 junho, 2011 @ 10:06 PM

    Olá, sou estudante de Nutrição e curso o segundo ano, estou fazendo uma pesquisa para meu curso de extensão de Dietoterapia e diabetes, gostei muito desse site, continuem assim!

  10. vitorhenrique comenta:

    21 junho, 2011 @ 8:45 PM

    Tenho que fazer um trabalho sobre diabetes com idosos e consegui tudo o que preciso!

  11. Daiana comenta:

    26 agosto, 2011 @ 1:05 PM

    preciso fazer um relatório de diabete em idoso, pode me enviar algo?

  12. Natasha comenta:

    4 maio, 2012 @ 10:06 PM

    Informacif3n Bitacoras.com Valora en Bitacoras.com: Jon Gabriel, autor del me9todo Gabriel nos habla, en este video, sobre el azfacar en la sangre y la inulsina, la hormona inulsina, y tambie9n un poco sobre la diabetes tipo 2. Haz clic aqued para descubrir me1s sobre el me9to

Deixe seu comentário aqui !