06 - jun
  

Infarto intestinal – Isquemia mesentérica

Categoria(s): Emergências, Gastroenterologia




Resenha

Abstract

Acute mesenteric ischemia is interruption of intestinal blood flow by embolism, thrombosis, or a low-flow state. It leads to mediator release, inflammation, and ultimately intestinal infarction. Abdominal pain is out of proportion to physical findings. Early diagnosis is difficult, but angiography and exploratory laparotomy have the most sensitivity; other imaging modalities often become positive only late in the disease. Treatment is by embolectomy, revascularization of viable segments, or resection; sometimes vasodilator therapy is successful.
If diagnosis and treatment take place before infarction occurs, mortality is low; after intestinal infarction, mortality is high, approaches 70 to 90%. For this reason, clinical diagnosis of mesenteric ischemia should supersede diagnostic tests, which may delay treatment.

 

A incidência da isquemia intestinal tem aumentado nas últimas décadas, não somente pelo crescimento da população idosa, mas também pela precisão diagnóstica, através da tecnologia atual.

As manifestações clínicas depende de várias circunstâncias: início e duração da lesão (aguda ou crônica), local e extensão do intestino comprometido, natureza do vaso envolvido (artéria ou veia), mecanismo do processo isquêmico (embolia, espasmo ou trombose), e grau de fluxo sanguíneo colateral.

infarto

A isquemia do cólon (imagem escuras das alças intestinais) é a forma mais comum da isquemia mesentérica, com menor letalidade que a isquemia mesentérica aguda. A isquemia mesentérica aguda envolve a parte intestinal irrigada pela artéria mesentérica superior e seus ramos, sendo mais comuns as causas arteriais que as venosas. As embolias são mais freqüentes que as tromboses, envolvendo grande parte do intestino delgado e do cólon direito. A localização do processo isquemico, se dá cólon em 60%, isquemia mesentérica aguda em 30%, isquemia focal segmentar em 5%, e isquemia mesentérica crônica em 5%.

A presença de isquemia mesentérica aguda deve ser sempre considerada na presença de dor abdominal aguda de forte intensidade, em paciente com cardiopatia, arritmias, insuficiência cardíaca mal controlada, infarto recente do miocárdio ou hipotensão. O achado físico é desproporcional à intensidade do quadro doloroso, pois, geralmente, o abdome apresenta-se plano, flácido e sem sensibilidade dolorosa; na isquemia do cólon, pode-se, também, encontrar evacuação de sangue escurecido e fétido. Com a evolução do quadro clínico, podem-se encontrar manifestações abdominais, com aumento da sensibilidade dolorosa, descompressão abdominal súbita dolorosa presente e defesa muscular, já indicando, de forma enfática, a presença do quadro isquêmico.

Na evolução da isquemia mesentérica não existem achados laboratoriais específicos. Cerca de 75% dos pacientes apresentam leucocitose acima de 15.000 células/mm³ e aproximadamente 50% evoluem com acidose metabólica. Outros achados seriam a elevação de amilase, transaminases, LDH e CPK, sem, contudo, apresentarem especificidade como marcadores laboratoriais.

As radiografias simples do abdome geralmente são normais antes do infarto mesentérico. Com a evolução do quadro, porém, podem ser encontradas alças intestinais edemaciadas, distendidas e com “sinais de impressões digitais”. A tomografia computadorizada de alta resolução juntamente com a ultra-sonografia com Doppler poderão auxiliar no diagnóstico da isquemia mesentérica. A angiografia mesentérica é o principal método diagnóstico, tanto nas formas oclusivas como não-oclusivas da isquemia mesentérica.

Tratamento

A partir da suspeita de isquemia mesentérica, a abordagem clínica inicial deverá ser direcionada para a correção das causas que desencadearam essa situação, como insuficiência cardíaca aguda e das arritmias cardíacas e com correção de volumes devendo preceder aos estudos diagnóstico iniciais.

Pacientes em situações hemodinamicamente alteradas, com hipotensão, não deverão ser submetidos a exames angiográficos, pois haverá a presença de vasoconstrição decorrente do próprio quadro hemodinâmico, interferindo na interpretação dos resultados. A utilização de drogas vasodilatadoras nessa fase também é contra-indicada, pois aumenta a extensão do leito vascular, reduzindo ainda mais a pressão arterial.

A laparotomia é indicada assim que for estabelecido o diagnóstico de isquemia mesentérica, sendo importante a realização da angiografia mesentérica para melhor avaliação da conduta e melhor orientação na terapêutica cirúrgica.

A cirurgia tem como objetivo principal restaurar o fluxo arterial após embolia ou trombose e/ou ressecar uma alça intestinal irreparavelmente danificada.

Embolectomia, trombectomia ou “bypass” arterial precedem a avaliação da viabilidade intestinal, pois, algumas vezes, a alça intestinal que parecia estar seriamente comprometida poderá apresentar recuperação surpreendente após restauração do fluxo sanguíneo. Alças intestinais menores ou que não apresentem melhoras após a revascularização deverão ser removidas, com restabelecimento do trânsito por meio de anastomoses.

Em caso de extenso comprometimento de alças intestinais, somente devem ser ressecadas as alças com processo de necrose, deixando outras, ainda que com alterações visíveis, para uma segunda avaliação com nova laparotomia após 24 a 48 horas. Nesse intervalo, haverá melhor demarcação das áreas potencialmente viáveis, além da possibilidade de melhoria do fluxo sanguíneo local com a utilização de drogas, entre as quais a papaverina.

O advento das heparinas de baixo peso molecular, com menor índice de efeitos colaterais que a heparina e sua rotineira utilização profilática em pacientes acaados, reduz sobremaneira a incidência de episódios tromboembólicos.

Referências:

Ornellas AT, Ornellas LC, Souza AFM, Gaburri PD. Hemorragia digestiva aguda, alta e baixa. In: Gastroenterologia Essencial. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara-Koogan; 2001. p.3-20.

Tags: , ,




Comentário integrado ao Facebook:


298 Comments »

  1. Angélica comenta:

    9 março, 2012 @ 6:20 PM

    Bianca, anota meu e-mail é: angelica_moura_quindere@hotmail.com Aguardo retorno. Obrigada Bianca! Que Deus te abençoe!!!

  2. Andre Sousa comenta:

    12 março, 2012 @ 4:31 PM

    Também perdi meu pai. Ele fez um transplante de rim no dia 1 de fevereiro e estava tudo muito bem. Ele até comentou que estava tão bem que estava até preocupado.
    Na seman do carnaval ele começou a vomitar e levamos ao hospital para avaliar.
    Os medicos disseram que era pneumonia e já começou a tomar antibiotico e retirou o imunespressor.
    No outro dia ele sentiu uma forte dor no abdomen e os médicos e enfermeiros falavam que era para ele parar de fazer showzinho.
    Isso me deixou puto, pois 3 dias depois ele foi internado já com sedação, pois sua pressão estava caindo e nada sabia do que se tratava. E ainda fez vários exames.
    Submeteu a cirugia e retirou metade do intestino grosso e sua pressão veio a melhorar. Mas infelizmente meu velho não suportou e veio a falecer 2 dias depois.

    Ele era um exemplo de pessoa humilde e objetividade. Ajudava muita pessoa carente e essa personalidade dele vai deixar muita gente com saudade.

    Eu fico indignado são os comentários e a falta de percepção de alguns médicos já que esta doença deve ser diagnosticada rápido.
    Se ele começou a passar mal e sentiu muita dor há 1 semana antes de seu falecimento, algo deveria ser feito…

    O pior q ele era médico e sabia o que estava passando e acontecendo.

    Saudade eterna

  3. gerlene comenta:

    18 março, 2012 @ 9:36 PM

    meu irmão teve essa maldita doença e faleceu estou muita chocada como essa doença evolue rápido demais sem tempo nenhum de diaguinóstico minha familia está sem conformação pois jamais esperavamos por isso .aqui fica meu desabafo.

  4. Aparecida comenta:

    18 março, 2012 @ 9:43 PM

    Ola gerlene, eu tbem perdi meu filho com 24 anos com essa maldita doenca que apareceu derepente, gostaria de saber qtos anos tinha seu irmao e como foi, isso vai me ajudar muito a compreender se quiser mande – me um email no aperiotto@hotmail.com
    Desde ja muito obrigada, fique com Deus …Aparecida

  5. Cláudia Santos comenta:

    21 março, 2012 @ 7:25 PM

    Que coisa mais triste, li os relatos acima e o que nos dá esperanças são estas pessoas guerreiras que sobreviveram a esta terrível doença. Estou com um amigo internado no cti com este problema. É uma pessoa maravilhosa, tem 50 anos e há uma semana esta nesta luta. Tudo começou com dores abdominais, as quais foram tratadas como infecção urinária, até que na semana passada foi diagnosticado e operado, tendo sido retirado 1,50mt do intestino, 4 dias após voltou a ser operado e retirado mais 0,60cm. Os médicos não nos dão nenhuma esperança, a esposa luta juntamente com os amigos e o filho de 12 anos. Necessitamos de muita oração e se Deus quiser ele sairá dessa. Conto com vocês. Obrigada

  6. gerlene comenta:

    24 março, 2012 @ 2:40 PM

    oi aparecida tudo bem? meu irmão tinha 46 anos era um militar oficial estava trabalhando quando sentiu-se mal com dores fortes de barriga levaram para o hospital onde deram alguns rémedios para dor e em seguida também foram feitas ultrasons a qual n descobriram nada. isso tudo ocorreu de uma quinta prá sexta e na sexta resolveram fazer uma cirurgia p saber o que era e então abriram ele e o intestino já estva comprometido e após algumas horas ele foi a órbito. foi um choque muito grande para mim e minha familia estamos todos ainda sem respostas pois foi muito rápido e nem chegamos a ver ele quando estava com as dores no hospital pois do quartel ele foi p o hospital quando viemos saber ele já estava na sala de cirurgia já quase sem vida amiga estou arrsada poia amava ele de mais esse é meu desabafo e fico triste pelo seu filho tbém muito jovem e o que nos resta é rezar por eles …Deus te abençoi e aqui fica meus sentimentos e um abraço. fica com Deus.

  7. Aparecida comenta:

    27 março, 2012 @ 5:45 PM

    Muito obrigada gerlene, so nos resta chorar e procurar aceitar. pedindo forcas a Deus
    Fique bem, fique na paz do senhor viu???
    Nao esta nada facil …

  8. Noeli Aparecida Klockner comenta:

    7 abril, 2012 @ 4:50 PM

    Olá!
    Peço, por favor, para que algum médico que esteja tirando duvidas, responda-me:

    Minha mãe tem 79 anos e sente muitas dores na cintura, na barraiga, nas costas e na região coquis. Ela fez um exame chamado ressonâcia magnética de Abdômen Total e o diagnóstico foi:
    Provável cisto com conteudo espesso em segmento 6 hepático;
    Cistos renais Bosniak I e II à direita;
    Imagem nodular compativel com adenoma na adrenal esquerda;
    Hérnia parietal em região lombar esquerda;
    Discreta disposição helicoidal de pedículo vascular mesentérico em flanco esquerdo, podendo corresponder a torção mesentérica ou pequena hérnia interna, sendo necessária correlação com dados clínico para valorização deste achado.

    Gostaira de saber, lavando em conta todos esses diagnósticos, se ela alguma chance de melhora fazendo algumas cirurgias pois, ela adquiriu uma tuberculose e está muito fragil.
    obs: os médicos só deram medicamentos para ela tomar (morfina e para a tuberculose)

  9. KARLA comenta:

    10 abril, 2012 @ 7:17 PM

    Prezado, gostaria de saber se quem fez cirurgia bariátrica tem mais chances de ter a trombose intestinal e qual é o exame que pode identificar o problema a tempo. Muito obrigada!

  10. IGOR comenta:

    11 abril, 2012 @ 9:14 PM

    PASSEI POR TRÊS CIRURGIA DE ISQUEMIA TENHO APROXIMADAMENTE 50 CM DE INTESTINO DELGADO ESTOU COM 30 ANOS APOS UM ANO DE RECUPERAÇÃO VOLTEI A TRABALHAR QUANDO COMPLETOU UM MÊS QUE HAVIA VOLTADO A TRABALHAR SENTIR DORES ABDOMINAIS COM OS MESMO SINTOMAS DA TROMBOSE FUI AO HOSPITAL E PASSEI POR UMA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA OS MÉDICOS DIAGNOSTICARAM UMA NOVO TROMBOSE FOI UM TOTAL DESESPERO POIS NÃO HAVIA O QUE TIRAR DE INTESTINO PENSEI QUE FOSSE MORRER POREM QUANDO ABRIRAM MEU ABDOME NÃO ERA UMA NOVA TROMBOSE E SIM UMA OBSTRUÇÃO INTESTINAL POR CAUSA DE BRIDA E ADERÊNCIA CAUSADO DEVIDO A CICATRIZAÇÃO DA CIRURGIAS ANTERIORES ESTOU EM RECUPERAÇÃO POREM ESTOU COM MUITO RECEIO POIS SEGUNDOS OS MEDICO POSSO TER UM NOVA OBSTRUÇÃO INTESTINAL JÁ QUE TODA CIRURGIA ABDOMINAL
    A FORMAÇÃO DE ADERÊNCIA QUE PODEM OU NÃO CAUSAR A OBSTRUÇÃO GOSTARIA DE SABER DE ALGUÉM QUE PASSOU POR ESTE TIPO DE CIRURGIA QUAL FOI A ORIENTAÇÃO RECEBIDA DOS MÉDICOS PARA EVITAR ESSE PROBLEMAS PÓS CIRURGIAS SEGUNDO O CIRURGIÃO QUE ME OPEROU CAMINHADAS PODEM AJUDAR MAS NÃO É GARANTIDO QUE NÃO OCORRA UMA NOVA OBSTRUÇÃO AGRADEÇO MUITO A DEUS POR ESTAR VIVO

  11. IDNEIA comenta:

    12 abril, 2012 @ 7:33 AM

    Minha mãe faleceu com isquemia mesentérica dia 09.04.2012, foi internada com fortes dores abdominais, lendo os comentários de várias pessoas o quadro clinico dela foi o mesmo.
    Minha mãe sofreu muito, sem os médicos diagnosticarem corretamente o que ela tinha. A vida dela se foi, procuro o que poderia ter feito a mais para sua sobrevivência.
    Penso que os recursos para a saúde são impróprios, médicos mal preparados até quando nosso sistema de saúde vai tratar os seres humanos desta maneira.
    Vários são os recursos tecnológico na mão de poucos.

  12. Meire Correia comenta:

    13 abril, 2012 @ 10:04 PM

    Vejo que essa maldita doença é fatal,mas gostaria muito de esclarecer algumas duvidas…
    Bom, minha mae 91 anos, passou mal num domingo, levei pro hospital e me disse o medico que ela tava com pneumonia e na idade dela era bem grave, ela chegou sentanda, conversando e até rindo, nunca teve febre,nem dores ,apenas falta ar,passados dois dias ela ja quase nao falava apenas eu entendia oq ela dizia entre outra coisas ela dizia:vou ficar boa, eu quero viver…
    Insisti muito com os medicos pra q ela fosse pra uma uti,mas eles diziam que tava tudo bem com ela, e nao havia necessidade de uti
    na quinta feira com muito custo conseguimos que o Médico pedisse a uti a meia noite,ficamos na espera de um resgate até as 7:30 da manha , em fim foi tranferida para uti de outro hospital… (Minha mae sempre passou mais de 8 dias sem defecar,sempre.)
    Derrepente as 5 da manha me ligaram do hospital chamando la com urgrncia,sem me da nenhuma informaçao, ao chegar la ,me disseram que ela teve a trombose mesinterica ,teve que ser operada mas nao resistiu
    Minha pricipal pergunta onde é feito o corte? Pois me comunicaram que foi tirado do seu intestino 20 metros,mas nao vi nenhum corte, eu banhei e vesti o corpo dela ,procurei e nao vi corte nenhum alguem pode me explica?
    Obrigada

  13. Maite comenta:

    16 abril, 2012 @ 4:02 AM

    Olá pessoal!

    Acho que minha história pode dar força a muitos de vocês, vale a pena parar por uns minutos e ler…

    …Tenho 29 anos e era gestante de 5 meses, na tarde do dia 13/02/2012 eu tinha uma consulta pré-natal às 16horas, estava tirando um soninho, pois neste dia eu saí mais cedo do trabalho em virtude da consulta, e por volta das 15:20 acordei com muita dor abdominal e fui direto ao banheiro com uma baita diarreia e ao mesmo tempo em que estava sentada no vaso me deu uma ânsia de vômito horrível e pedi rapidamente que minha irmã alcançasse a bacia, foi feio, muita diarreia seguida de vômitos, após continuei com muitas ânsias e vomitei um líquido escuro parecido com borra de café.

    Detalhe, antes de tudo isso, há dias atrás eu tive prisão de ventre por um período de 7 dias e alguns médicos diagnosticaram como sendo hemorroidas interna, pois quando eu ia ao banheiro só saia uma inflamação amarela com sangue no fundo do vaso sanitário e no ânus, após me limpar com papel higiênico, foi feito um enema onde consegui evacuar o que estava trancado, após uns dias tive dor lateral do lado esquerdo, era uma dor profunda e forte que causava dificuldade para respirar, fui diagnosticada como sendo um possível mau jeito e seguido de dor no nervo, fui medicada com soro na veia, o que era de costume quando eu sentia dores, mas nunca investigavam a causa das dores, e meu caso era um pouco difícil em virtude da gravidez. Fui até em um especialista de intestino que não quis me dar exame algum, sendo que eu pedi, para ver o que estava acontecendo, pois eu não sou uma pessoa que sofro com prisão de ventre, mas ele disse que não precisava e me deu uma solução para minhas fezes saírem mais mole (Munvilax) e disse para eu tomar até o final da gravidez, reforçando que se as prisão de ventre persistisse após o parto faríamos exames para averiguar, imaginem, há essas alturas eu estaria morta e enterrada esperando pela eficácia de seu diagnóstico.

    Dando sequência ao primeiro parágrafo, minha outra irmã me levou na clínica onde eu tinha consulta e a dor só piorava, gente foi a pior dor que senti na minha vida, deram medicação para passar a dor, como de praxe, o que evidentemente naquela situação não adiantou de nada, minha obstetra mandou que eu fosse hospitalizada, fomos para o hospital, eu uma de minhas irmãs e minha mãe, minha outra irmã e meu pai foram depois, lá meus exames deram muito alterado, e o que chamou a atenção da minha obstetra foi o exame de plaquetas, as minhas estavam em 80mil, sendo que o normal é de 140mil a 440mil, se não me engano, chamou um Dr. que é cirurgião da cidade que eu moro, ele na mesma hora mandou que me estabilizassem pois meus sinais vitais não estavam legal, fui transferida com extrema urgência para a cidade de Caxias do Sul, aqui na serra gaúcha, onde chegando lá, fui encaminhada com urgência para a UTI, pois nesse momento meus sinais vitais estavam se entregando.

    Imaginem, minha família, o pai do meu filho e meu chefe, que estava lá para dar apoio a eles, terem que ouvir o médico cirurgião dizer que o bebê já havia falecido, e que precisavam de autorização para me abrir, POIS SE NÃO ME ABRISSEM NO DIA SEGUINTE CERTO QUE ESTARIA MORTA E SE ABRISSEM EU TERIA 1% EU DISSE 1% DE CHANCE DE SOBREVIVER, claro que todos concordaram com a cirurgia, que graças a Deus foi um sucesso, retiraram 1m e 75cm do meu intestino delgado, que estava completamente podre, na quinta do dia 16/02/2012, fui submetida a outra cirurgia, era necessário abrir para limpar e ver se havia sangramento, após fiquei 10 dias na UTI e 27 dias no quarto, totalizando 37 dias de internação, nesse meio tempo eu fiz CIVD (Coagulação Intravascular Disseminada), tive Embolia Pulmonar, tive Pneumonia e Fungo no sangue, eu melhorava de uma coisa e aparecia outra, quase perdi as esperanças em alguns momentos, mas no final deu tudo certo, graças a DEUS e as pessoas da cidade que eu sou natural e minha família mora até hoje, uma cidadezinha do interior gaúcho perto de Pelotas, pessoas estas que oraram muito por mim e todo tempo em uma corrente enorme de fé, eu moro em uma cidadezinha da serra gaúcha, perto de Caxias do Sul, graças a DEUS, cheguei no momento exato de ser operada, mais um pouco de demora não estaria aqui para contar a história.

    DEUS em sua infinita bondade e misericórdia permitiu que eu continuasse VIVA, por isso eu digo a todos que passam por essa maldita doença, que em nenhum momento percam as esperanças, NESSE MOMENTO TEMOS QUE ORAR SEM CESSAR, eu além dela tive outras doenças tão fatais como essa e estou aqui para contar essa história triste com um final quase totalmente feliz, pois perdi meu bebê, mas Deus sabe o que faz, vai ver ainda não era o momento de eu ser mãe, claro que o atendimento de um ótimo cirurgião como o meu, fez toda a diferença, fui muito bem tratada no hospital por todas as equipes que me atenderam, eu sentia uma dorzinha e já era feito um exame como angiotomografia, tomografia, ressonância e etc… Tudo a tempo e hora… Hoje me cuido tomando anticoagulante (Varfarina), remédio para pressão alta (Losartana) e um para o estômago (Novoprazol), estou levando uma vida normal, graças a Deus, como de tudo, menos os alimentos ricos em vitamina K que são coagulantes e aumentam o risco de trombose, e evito frituras, pois todos sabem que elas ajudam nos entupimentos das veias, como bastante frutas e legumes (não os verdes escuros que são riquíssimos em vitamina K), graças a Deus não fiquei com diarreia crônica.

    Resumindo meu caso é um milagre, foi a obra de Deus, graças a ele eu estou aqui, firme e forte, claro que tudo isso mexe muito com o psicológico da gente, imaginem, ainda estou cursando o último ano de faculdade de Administração a distância, e me virando com os trabalhos via internet, pois é difícil a concentração depois de eu ter passado por tudo isso, mas vou indo aos poucos, devagar se chega ao longe… A família se unir e permanecer unida também faz uma baita diferença.

    E é esse meu relato gurizada, espero ter conseguido ajudar alguém nesse momento… Lembrem-se eu tive na porta do cemitério e estou aqui curtindo muito minha família e amigos que amo de paixãooo!!!

    Boa Sorte a todos e questionem os médicos não se cansem de fazer perguntas!!!

    Beijos no coração de todos!!!

  14. Angélica comenta:

    16 abril, 2012 @ 5:07 PM

    Igor deixe seu e-mail, quero me comunicar com você. Agradeço-lhe!

  15. Aparecida comenta:

    16 abril, 2012 @ 9:32 PM

    Ola, Maite, fico feliz por sau recuperacao e desejo-lhe tudo de bom, pois infelismente perdi meu filho com apenas 24 anos com essa maldita doenca , a qual o dignostico rapido e muito dificil, amanha fara 8 meses que ele se foi apos ficar 26 dias numa uti….Que Deus lhe abencoe
    Aparecida

  16. José Roberto - Brasília comenta:

    21 abril, 2012 @ 1:36 AM

    Mal de Alzheimer pode desenvolver/causar trombose mesenterica? Agradeço quem puder esclarecer isso. Obrigado.

  17. Dr. Armando Miguel Jr comenta:

    21 abril, 2012 @ 9:57 AM

    Não.
    A trombose mesentérica é consequente a um problema vascular ou sanguíneo.

  18. Aparecida comenta:

    22 abril, 2012 @ 4:09 PM

    Gostaria muito de saber mais sobre essa doenca e como acontece, pois nao entendo como apareceu isso no meu filho de repente….gostaria que algum medico me explicasse , pois ele nunca reclamou de nada….perco noites de sono procurando um porque…desde ja muito obrigada se algume puder me ajudar

  19. Renato comenta:

    23 abril, 2012 @ 5:04 AM

    Tambem perdi meu pai com esta doença tinha 70 anos, foi tratado como virose.

  20. Villas Boas comenta:

    17 maio, 2012 @ 9:02 PM

    Bom, eu não sei do que minha mãe faleceu, mas ela teve sintomas semelhantes aos descritos aqui.
    Na segunda feira dia 7/5/12 a tarde ela começou a ter diarreia e vomitos, tratou como se fosse uma infecção alimentar semelhante a uma que tivera alguns meses antes, no dia 8 frente ao agravamento do quadro inclusive com desidratação foi para o hospital a noite, desceu da ambulancia caminhando, contou para o médico o que estava sentindo pelas 23h. Lá pelas 2h do dia 9 já estava entubada respirando por aparelhos e veio a óbito algumas horas depois na manha do dia 9. A equipe médica ficou surpresa com a rapidez da evolução do quadro, que eu saiba este tal “infarto” mesentérico não foi cogitado. Ao relatar este quadro para 2 medicos que a acompanhavam há alguns anos ambos, sem saber um do outro, sugeriram a hipotese de isquemia mesenterica. Minha mãe faleceu de águas nos pulmoes devido a uma pneumonia, ocasionada por uma infecção generalizada, da qual não se sabe o motivo. Hipótese: isquemia mesentérica.

    É possível ??????????????

    Eu moro em cidade distante, quando cheguei o corpo já estava sendo velado e eu não soube porque não fizeram uma autopsia. O fato é que minha mãe faleceu menos de 48h depois de aparecerem os sintomas e eu não sei de quê exatamente ela faleceu. Ela tinha 72 anos e exatos 2 meses, aparentemente saudavel, tinha sobrepeso e praticava exercicios.
    A dor da perda é grande, e é ampliada pela violência que é perder um ente querido inesperadamente em poucas horas.
    Obrigado pela oportunidade de me manifestar.

  21. viviane comenta:

    27 maio, 2012 @ 1:24 PM

    Qual a relação entre isquemia mesoentérica e tratamentos estéticos com metacril ?

  22. Cleidiane comenta:

    27 maio, 2012 @ 8:32 PM

    Olá a todos gostaria de saber sobre a recuperação de alguns… pois meu irmão já está a mais de 20 dias na uti com 3 bolsas de colostomia e agora está com a barriga aberta onde os médicos dizem que ela será fechada por segunda intenção…. meu e-mail é edscley@gmail.com por favor algum testemunho do milagre de Deus…. eu creio em milagres….

  23. Cleidiane comenta:

    27 maio, 2012 @ 8:40 PM

    Angelica e Bianca vcs podem entrar em contato comigo no meu e-mail? meu irmão está passando por esta triste situação… aguardo contato

  24. Lino comenta:

    4 junho, 2012 @ 7:59 PM

    Olá, minha esposa tirou 1,20 de intestino necrozado a 90 dias ela continua com muitas colicas, ela toma de 8 em 8 horas 2 comprimidos Imosec, alem disso o Senhor Ernesto usava alguma pomada para irritacao na regiao do anus?
    O senhor usava mais alguma medicaçao ? Por favor me informe se tem algum medicamento que possa aliviar as dores.

    Muito Grato !

  25. Cleidiane comenta:

    17 junho, 2012 @ 2:31 PM

    Lino sua esposa ficou com bolsas de colostomia?

  26. lino comenta:

    17 junho, 2012 @ 5:01 PM

    nao ela naoficou com bolsa mas passou trei meses com muitas dores e disinteria mas agora supero p quarto mese enfin esta sen dores e sen disinteria esta se alimentando ben mas com orientacao com nutricionista posso diser que em breve tera una vida normal , grasas a deus tenha fe que seu irmao tamben vae se recuperar a dieta e muito importante um abraço lino

  27. jose carlos messias comenta:

    17 julho, 2012 @ 10:01 PM

    Bom sabado passado 15/07 12 minha mae levanto com muita dor na barriga mais como éla é muito rececada e ja tem 84 anos dei um comprimido de 46 ai começo uma diarreia, esperei que foçe o efeito do comprimido mais a dor foi piorando entao levei pro pronto atendimento que emcaminharao pro hospita, fizerao uma tomografia e disserao que éra uma esquemia e tinha que ser feito uma cirurgia laparotomia exploradora e colocarao uma bolsa e até hj éla esta na uti sedada entubada e esta muito inchada.
    os medicos disem que é muito grave
    devo ter esperança?

  28. Angélica comenta:

    21 julho, 2012 @ 5:34 PM

    Tive uma isquemia mesentéria há um ano e cinco meses, peço que me respondam se tem alguém que teve, e que pode me responder, se tem alguém com problemas de muitos gases. Pois no momento, não teve médico ainda que resolvesse. Peço por caridade que alguma pessoa me dê uma luz. Meu e-mail é esse: angelica_moura_quindere@hotmail.com Obrigada, Deus os abençoe.

  29. Angélica comenta:

    22 julho, 2012 @ 12:51 PM

    Eu voltei aqui para ajeitar um erro, o nome isquemia mesentérica, na hora de digitar eu errei. Mais uma vez peço que me respondam, pois tenho sofrido demais. Me empata até de me alimentar e de sair para os médicos que muitas vezes preciso ir. Minha vida não está nada fácil, esta doença deixa a pessoa debilitada e cheia de mazelas!!!

  30. Jeane Cametá comenta:

    3 agosto, 2012 @ 7:44 PM

    Minha mãe faleceu no dia 23/11/2011, no hospital Quinta Dor no Rj, foi submetida a uma tomografia e exames laboratoriais. Após os resultados me disseram uma infecçâo intestinal aguda, permaneceu algumas horas na emergência tomando antibióticos e medicação para dor, mas nada passava, depois foi para o quarto e no dia seguinte para UTI. Quando fui visitá-la a dor era demais, a colocaram no como induzido e depois o diagnóstico infarto do mesentério. no dia seguinte faleceu. Nunca ouvi falar sobre isso. Até hoje não entendo, porém o meu conforto só vem de Deus. Acho que os médicos não estão preparados para tal doença.

  31. Ligia comenta:

    13 agosto, 2012 @ 4:18 PM

    Minha avó faleceu dia 2/8/2012.
    Em 24hrs apenas demostrando sintomas. =/

    H.I.P

  32. Inês Rutecki Almeida comenta:

    17 agosto, 2012 @ 3:12 PM

    Eu foi operada agora dia 09/07/2012 mas primeiro eu ia me operar para retirar o utero que tinha um mioma,quando os médicos me abriram que viram que eu estava tbm com essa doença.Estou me recuperando bem a médica está super adimirada com a minha recuperação.pois estava bem critico . Antes de eu fazer a cirurgia uns 7mese atras sentia dores no meu abdomem mas sempre falava que era por causa da menstruação que estava para vir.ou dizia que era porque meu intestino não tinha funcionado ainda,e foi deixando,numa consulta de rotina cm a ginecologista ela me pediu um exame e descobriu que eu tinha um mioma e tinha que operar e a dor foi aumentado minha perna começou a prender para caminhar.mas achei que era por causa do mioma,e pela ninha surpresa na cirurgia foi visto que não, a dra falou que mais uns dia seria tarde de mais.Então eu falo que quando tiver problema para evacuar que tenham que tomar laxante meio que direto e começar a ter dores abdominal e sentir visgada na perna comecem a procurar ajuda. porque quase foi tarde para mim,não como vai ser de agora diante .Só para lembrar no ano de 2010 eu tive a primeira crise com dor abdominal e um médico disse que era os intestino que embolou e me deu uns remedios era um clinico geral do sus,e não procurei um especialista e fui deixando .Graças a DEUS estou salva agora e espero que não me aconteça de novo só sei que tenho que me cuidar muito agora mudar muitas coisas principalmente na alimentaçãoSinto muito pelas pessoas que não tiveram descoberto a tempo a doença,e espero que ajude agora outras pessoas tm jeito nós que não podemos dar explicação para toda a nossa dor,temos que procurar sempre um médico e fazer sempre todos os preventivos e os exames de rotina com mais frequência .,DEUS abençoe todos

  33. Rogerio vieira comenta:

    14 setembro, 2012 @ 6:31 PM

    meu pai faleceu em 24hrs com essa doença,passou mau num dia e morreu no outro. Por favor divulguem mais essa doença para que possa-mos nos previnir mais. hoje estou triste,sem meu pai,não quero que outras pessoas passem pelo que passei, é muito dolorido ver pessoas que amamos sofrendo de dores,sem poder fazer nada.

    DIVULGUEM MAIS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  34. Andrea comenta:

    6 outubro, 2012 @ 3:20 PM

    Ola!! meu marido teve infarto no intestino necrosou devido a trombose , ficou oito dias na UTI, hoje esta em casa em recuperação seguindo uma dieta nutrcional , ele tem 34 anos e gracas a Deus sobreviveu a essa barreira , mas estamos na Fe para que ele melhore ainda mais . Se alguem ja passou por isso e pudermos compartilhar por favor me contate , grata, andreaxbarros@ig.com.br

  35. marcio comenta:

    20 novembro, 2012 @ 5:04 PM

    ola, essa doença maldita, levou minha mae 01 11 2012
    ela estava internada, fez exames ate ai tudo ok, voltou pra casa so foi piorando nao andava mais so deitada com dor forte , foi num prazo de 7 dias de sofrimento eu sofria junto com ela, vc impotente nessa hora cuidei dela ate ultima dia de vida dela, ate hoje esta dificil de aceitar ela longe de mim, era minha compaheira de estrada, deus os abencoe!!

  36. Aparecida comenta:

    23 novembro, 2012 @ 9:43 PM

    realmente maldita doenca que levou meu filho embora, ainda nao me conformo

  37. alex comenta:

    6 janeiro, 2013 @ 3:25 AM

    Oi Aparecida, imagino sua dor. Essa doença do inferno também levou minha mãe há dois meses. Também não me conformo….

  38. alex comenta:

    6 janeiro, 2013 @ 3:29 AM

    Tantos de nós perdemos pessoas que amávamos por causa dessa doença; a mãe do Marcio morreu um dia depois da minha. Deveríamos formar um grupo e denunciar na mídia o desprepraro do sistema de saúde pára lidar com isso.

  39. anderson comenta:

    17 fevereiro, 2013 @ 1:58 PM

    minha mae faleceu por motivo dessa maldita doença foi muito triste nunca vi nada igual uma dor de repente fez varios exames e nada de descubri tiverao que abri ela e la descubrirao infecçao de intestino perdeu 60% do intestino mais ai pegou infecção essa maldita de levou a morte nossa que dor perder alguem que amamos mais que Deus tenha ela perto dele e todos que passarao por esse motivo abraço a todos

  40. Meire de Paula comenta:

    28 fevereiro, 2013 @ 10:27 PM

    Minha cunhada de 57 anos está entrando na quata cirurgia amanha, a primeira foi 23/02, após 48 hrs, a segunda, a terceira ontem 27/02 e amanha 01/03 a quarta vez.
    Estava a quase um mes na cama gemendo de dor, ia de hospital em hospital, medicavam faziam alguns exames e mandaram embora. Até q não aguentando foi a outro e repetiram exames: infecção na urina, medicaram. Nada. Infecção no intestino:medicaram: Nada. Tiveram que abrir para descobrir a trombose mesentérica. Ninguém sabe quanto foi tirado do intestino. Mas um dos médicos disse que ela ficou com apenas 70 cm. Mas não fecharam ainda, pois estão observando se não tem nada a cada 48 hrs. Muito stress e sofrimento… Pra ela, e pra toda família.

  41. Maria Lizie comenta:

    28 maio, 2013 @ 9:42 AM

    Ernesto me identifico com sua historia quero conversar pelo telefone com vc meu email e hendrikabittencourt@gmail.com.br

  42. carla comenta:

    25 novembro, 2013 @ 10:01 PM

    Existe infarto abdominal? e o que levou a isso? e forma de previnir?obrigada

  43. adolf hitler comenta:

    25 março, 2014 @ 6:12 AM

    hail!

  44. Vanda Lucia comenta:

    27 maio, 2014 @ 9:11 AM

    Bom dia a todos
    É, infelizmente tb perdi minha Mãe com 56 anos, por esta maldita doença, e pelo que pode ver nos depoimentos é pior que o câncer, pois não maioria dos casos o diagnóstico é descoberto somente na anatomia (quando abrem a pessoa), dai não há mais o que fazer, pois o intestino ja esta todo podre e então o paciente tem falência múltipla de órgãos por septicemia. Minha Mãe sofreu muito e eu sofro até hoje, mesmo após dez anos, não me conformo. Lamentavél, algo precisa ser feito, mais estudos a respeito dessa doença. etc…

  45. Fernanda Freitas comenta:

    17 agosto, 2014 @ 11:57 PM

    Olá. Boa noite perdi minha mãe dia 30 de junho por esquemia mesenterica, foi tudo muito rápido ela começou a senti Dores no dia 28 e fez cirurgia no outro dia. 1 mês antes ela fez cirurgia de aneurisma abdominal ocorreu td bem, e depois de 30 dias apos essa cirurgia ela começou a sentir dores lateral e diarréia o.medico achou q era rins dai veio uma serie de exames q constatou q um rins q estava bom comecou a parar de funcionar comecou a dialise no sábado 28 06 14 antes tentaram desobristruir a artéria renal mas não foi bem sucedida. Hj penso ao ver esses relatos se não foi erro médico? Mas ela ja tinha problemas sérios de revascularização acho que minha mãe poderia estar viva ainda. E mto triste questão de 48h saber q essa maldita doença matou minha mãe. Penso.tds os dias se foi erro médico. Não sei mais o q pensar pq ela estava tão bem e derepente aconteceu isso tdo em 2 dias.

  46. Luciane comenta:

    25 novembro, 2014 @ 5:02 PM

    Boa tarde!
    Achei os posts muito interessantes e resolvi compartilhar minha história com vocês.
    Eu tenho hoje 34 anos, e com 33 anos tive trombose mesentérica e isquêmica aguda. Fiquei 2 meses indo ao médico com dores abdominais, inhaço abdominal e só me tratavam para gastroenterite e depois começaram a suspeitar de gastrite ou úlcera. Eu tinha dores muito fortes e foi numa 6ªeira dia 29 de agosto tive uma dor mais forte que as outras fui em um gastro renomado aqui em porto alegre e ele sem ao menos me examinar pediu uma endoscopia, realizei meu exame no sábado pela manhã, meu abdômen estava completamente inchado, e eu já não conseguia comer, apenas tomava líquidos, o médico me diagnosticou com gastrite aguda e me deu tratamento. Fui dispensada para ir pra casa As dores só pioraram e foi na madrugada de terça para quarta dia 04/09/13 que passei os piores momentos da minha vida minha barriga ficou tão inchada que parecia uma gestante de 9meses, comecei a vomitar um líquido branco e a sangrar muito nas fezes a diarreia e os vômitos não paravam. Fui diagnosticada com trombose de veia porta mesentérica e isquêmica aguda. Meu médico, que foi um herói pra mim, pois acertou em cheio no meu tratamento simplesmente me disse que eu poderia morrer, entrar em coma, começar sangrar sem parar que o caso era muito sério. Ali descobri o sentido da frase lutar pela vida. Eu estava no último ano da graduação de nutrição e naquele momento o mundo parecia desabar na minha cabeça. Fiquei internada por 31 dias, inicialmente fiquei em uma unidade de internação tipo UTI, em npo total fazendo morfina quase que a cada hora pois a dor era infinita. no 2dºia fui para o quarto e ali continuava com a dor, os vômitos, a diarreia a cada exame(tomografia) que eu fazia o diagnóstico piorava. Então meus médicos optaram por iniciar NPT, pois meu intestino já não estava mais aguentando. Usei NPT por 22 dias e evolui muito bem. Hoje faço os exames para controle, continuo com o tratamento com anticoagulante, que será por tempo indeterminado pois foi constatado que tenho deficiência nas proteínas C e S. Mas é só isso, minha alimentação é normal, não precisei retirar nenhuma parte do intestino.

  47. Luciane comenta:

    25 novembro, 2014 @ 5:04 PM

    Boa tarde!
    Achei os posts muito interessantes e resolvi compartilhar minha história com vocês.
    Eu tenho hoje 34 anos, e com 33 anos tive trombose mesentérica e isquêmica aguda. Fiquei 2 meses indo ao médico com dores abdominais, inhaço abdominal e só me tratavam para gastroenterite e depois começaram a suspeitar de gastrite ou úlcera. Eu tinha dores muito fortes e foi numa 6ªeira dia 29 de agosto tive uma dor mais forte que as outras fui em um gastro renomado aqui em porto alegre e ele sem ao menos me examinar pediu uma endoscopia, realizei meu exame no sábado pela manhã, meu abdômen estava completamente inchado, e eu já não conseguia comer, apenas tomava líquidos, o médico me diagnosticou com gastrite aguda e me deu tratamento. Fui dispensada para ir pra casa As dores só pioraram e foi na madrugada de terça para quarta dia 04/09/13 que passei os piores momentos da minha vida minha barriga ficou tão inchada que parecia uma gestante de 9meses, comecei a vomitar um líquido branco e a sangrar muito nas fezes a diarreia e os vômitos não paravam. Fui diagnosticada com trombose de veia porta mesentérica e isquêmica aguda. Meu médico, que foi um herói pra mim, pois acertou em cheio no meu tratamento simplesmente me disse que eu poderia morrer, entrar em coma, começar sangrar sem parar que o caso era muito sério. Ali descobri o sentido da frase lutar pela vida. Eu estava no último ano da graduação de nutrição e naquele momento o mundo parecia desabar na minha cabeça. Fiquei internada por 31 dias, inicialmente fiquei em uma unidade de internação tipo UTI, em npo total fazendo morfina quase que a cada hora pois a dor era infinita. no 2dºia fui para o quarto e ali continuava com a dor, os vômitos, a diarreia a cada exame(tomografia) que eu fazia o diagnóstico piorava. Então meus médicos optaram por iniciar NPT, pois meu intestino já não estava mais aguentando. Usei NPT por 22 dias e evolui muito bem. Hoje faço os exames para controle, continuo com o tratamento com anticoagulante, que será por tempo indeterminado pois foi constatado que tenho deficiência nas proteínas C e S. Mas é só isso, minha alimentação é normal, não precisei retirar nenhuma parte do intestino. Foram 31 dias internada e 29 dias com diarreia.

  48. reginaldo comenta:

    14 janeiro, 2015 @ 12:07 PM

    meu pai ficou enternado 14 dias e precisou operar urgente por causa dessa doença ele sofreu muito e a gente tambem ficou 4 dias na uti e nao aquenteu e acabou falecendo 10 /01/2015 eu sinto muito falta dela e fora 4 anos numa cama e cadeira de roda por causa do derrame

Deixe seu comentário aqui !