//*** MARCEL => "pub-4189979764094081"; //*** ANA => "pub-2835477731727458"; /*** INDEX ***/ function AdSense_Topo_Index() { } /*** INDEX SEGUNDO POST ***/ function AdSense_Index_Segundo_Post() { } /*** PAGE / SINGLE ***/ function AdSense_Topo_PageSingle() { } /*** LINK ***/ function AdSense_SideBar_Link() { } /*** 404 NOT FOUND ***/ function AdSense_404_Topo() { } /*** 500 ERROR ***/ function AdSense_500_Topo() { //*** EDITE O ARQUIVO 500.shtml } /*** FRAME ***/ function AdSense_Frame_Topo() { //*** EDITE O ARQUIVO frame.htm } /*** SINGLE TOPO ***/ function AdSense_Single_Topo() { } /*** SINGLE RODAPE ***/ function AdSense_Single_Rodape() { } /*** PAGE TOPO ***/ /*** PAGE RODAPE ***/ /*** INDEX SEGUNDO POST ***/ function AdSense_Sidebar_Busca() { echo ( '
Google
' ); } ?> 2007 maio 02

Arquivo de 2/maio/2007





02 - maio

Insuficiência cardíaca congestiva – Prognóstico

Categoria(s): Cardiogeriatria, DNT

Editorial: Insuficiência cardíaca congestiva

A insuficiência cardíaca é uma doença de elevada prevalência e grande impacto na morbidade e mortalidade em todo o mundo, especialmente nos idosos. O prognóstico em longo prazo ainda é ruim, com sobrevida em 5 anos menor do que 50%.

iccDe acordo com o DATASUS, em 2004, no Brasil ocorreram 340.000 admissões por insuficiência cardíaca, responsáveis por 28% de todas as hospitalizações por doenças cardiovasculares e 3% das causas totais.

É possível que os progressos na terapia médica e cirúrgica da insuficiência cardíaca, bem como o envelhecimento populacional, tenham contribuído para aumentar a taxa de internação de casos mais avançados da doença, os quais podem ainda ser agravados pela coexistência de outras doenças crônicas. Há 3 décadas a etiologia mais freqüente era a Doença de Chagas, atualmente é a cardiopatia isquêmica (seqüela de infarto do miocárdio e miocardiopatia).
No Brasil, a letalidade hospitalar para insuficiência cardíaca em instituições da rede pública de saúde é 7,5%. Quais os fatores prognósticos preditivos da letalidade no momento da internação?

Em pacientes com insuficiência cardíaca grave admitidos em unidade intensiva, demonstrou que a história prévia de acidente vascular encefálico, disfunção renal e hiponatremia na admissão, idade >70 anos e fibrilação atrial em eltrocardiograma inicial são potenciais preditores. Também, a anemia, a hiponatremia, a elevação dos níveis séricos de uréia e creatinina achados na admissão hospitalar são reconhecidos como preditores de mau prognóstico em pacientes com insuficiência cardíaca grave, tanto a curto como a longo prazo.

Referência:

DATASUS 2004. Ministério da Saúde-SIH/SUS [on line]

Cleland JGF, Gemmell I, Khand A, Boddy A. Is the prognosis of heart failure improving? Eur J Heart Fail. 1999;1:229-41.

Mady C. Heart failure. Natural history and prognosis. Arq Bras Cardiol. 1994;63:515-7.

Association Task Force on Practice Guidelines (Writing Committee to Update the 2001 Guidelines for the Evaluation and Management of Heart Failure). American College of Cardiology [on line]

Latado AL, Passos LCS, Braga JCV, Santos A, Guedes R, Moura SS, Almeida D – Preditores de Letalidade Hospitalar em Pacientes com Insuficiência Cardíaca Avançada Arquivos Brasileiros de Cardiologia – Volume 87, Nº 2, Agosto 2006 185-192. [on line]

Tags: ,

Veja Também:

Comments (2)    




" A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica.
Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da sua confiança "
do_action('wp_footer'); ?>