31 - jan
  

Dor crônica – Dor neuropática

Categoria(s): Emergências, Neurologia geriátrica, Psicologia geriátrica




dor

 Dor crônica – Dor neuropática

Editorial

Como explica os casos de dores em membro amputado ou dormente? Acredita-se, que nestes casos o próprio sistema nervoso é capaz de gerar e perpetuar a dor, ou seja, um tipo de dor, chamada de neuropática.

A dor neuropática é freqüentemente intrigante e frustante, tanto para os pacientes como para os médicos. pois parece não apresentar uma causa definida, responde pouco aos tratamentos, pode durar indefinidamente, leva a incapacidade importante e até mesmo se exacerba com as variações climáticas e estados emocionais. Constituem exemplos de dor neuropática a neuropatia diabética, a nevralgia pós-herpética, a dor do membro fantasma, a nevralgia do trigêmio e a lombociatalgia.

São entendidos 4 mecanismos mais comuns para a dor neuropática:

1. Estimulação direta dos neurônios sensíveis à dor – Estes neurônios sensitivos primários são chamados de nociceptivos das fibras C. Eles disparam potenciais de ação em resposta ao estiramento mecânico ou à compressão e a substâncias mediadoras da reação inflamatória como as prostaglandinas (Exs. hérnia de disco, nevralgia do trigêmio). Tratamento – administração de substâncias que alivie a irritação mecânica ou química.

2. Disparo automático dos nervos lesados – A lesão das fibras nervosas por qualque agente pode causar disparo espontâneo tanto no local da lesão como em focos ectópicos ao londo do nervos lesado. (ex. neuropatia diabética). – Este tipo de dor é descrito como lancinantes, agudas ou em pontada. Adquire o caráter de dor contínua em queimação quando são afetadas várias fibras nervosas que disparam assincronicamente.

3. Desaferentação – Normalmente, as sensações seguem uma seqüencia de eventos desde o tecido periférico por intermédio de uma cadeia de neurômnios ao longo da medula espinal, do tronco encefálico e do cérebro. No caso da dor do membro fantasma, a perda de impulsos sensitivos de um membro pode acarretar disparos espontâneos nos neurônios de segunda e terceira ordens, o que resulta na dor.

4. Dor por mediação simpática – Todo tipo de estímulo doloroso pode desencadear atividade autonômica localizada com alterações circulatórias e da temperatura. Este processo pode continuar com fenômenos generalizados como vômitos, sudorese, desregulação circulatória como no infarto do miocárdio.

A dor neuropática geralmente piora a noite, característica que a distingue dos outros tipos de dor. Segue o território de distribuição dos nervos, dependendo de se for causada por neuropatia periférica (Ex. na diabética ou nos alcoolatras) – distribuição em luva e em bota, de radiculopatia (Ex. pós-herpética – distribuição em dermátomos) ou de mielopatia (nível da medula espinal, Ex lombalgia da hernia de disco).

A presença de dor desencadeada por um estímulo tátil discreto ou roçar em determina região do corpo (fenômeno conhecido como alodínia) sugere o diagnóstico de dor neuropática.

O tratamento é bastante frustante e, inúmeros tipos de medicamentos tem sido utilizados. Atualmente, a gabapentina tem sido a droga indicada pelos especialistas. Outros medicamentos são os antidepressivos tricíclicos (amitriptilina, nortriptilina, desipramina) e a sua associação com a gabapentina dão melhores resultados.

Em alguns casos o uso tópico de creme de capsaicina (ingrediente picante da pimenta-malaqueta) promove a libração local de substância P do C-PMN e, se usada 3 a 4 vezes ao dia, pode suprimir a substância P e limitar a transmissão dolorosa.

Referência:

Teixeira MJ – Aspectos gerais do tratamento da dor. Revista Médica 3:104-109, 1998.

Laboratório de Neurociências da USP (Psicologia) [on line]

Tags: , , , , ,




Comentário integrado ao Facebook:


213 Comments »

  1. gerusa fernandes comenta:

    11 outubro, 2012 @ 4:16 PM

    olá gostaria de informaço~es sobre os direitos de quem possue neuropatia fibular motora axonal, e saber também o que é realmente esta doença ,no meu caso expecífico, esse tipo de neuropatia,

    fui diagnosticada com ela e desde então mim sinto perdida, pois leio muito a respeito e cada vez que leio mim assusto mais,não se dou continuidade a minha vida aos meus progetos, pois a dor é insurpotável. E dentre as minhas leituras, vi em um artigo que diz que o portador de neuropatia do tipo axonal é considerado um deficiente , então quero saber se é mesmo. E quais são os meus direitos , no caso de transporte público, concursos públicos, escola, cursos, se devo mim encaixar no quisito “deficiente” quando perguntam se possue alguma deficiência física, pois estou sem saber como responder a tais perguntas. muito grata ficarei pelas respostas, desde já agradeço.

  2. cátia rodrigues comenta:

    10 novembro, 2012 @ 4:44 PM

    olá gostaria de saber a medicina já descobriu algum tratamento para a paraparesia espástica familiar, além de fisioterapias, aplicações de botox ajudam? cirurgias? minha mãe esta com esta doença faz muitos anos que ela já anda devagar e caia fácil spo que agora ela está perdendo o equilibrio e quando cai não consegue levantar, e sente dores anda arrastando as pernas e os médicos que fomos não conhecem a doença e quando conhecem é muito pouco. Por favor me ajude!sou muita grata se puder me ajudar, por ser uma doença rara encontro dificuldades em encontrar informações!

  3. Lindolfo comenta:

    7 março, 2013 @ 3:40 PM

    Eu sentia muitas dores neuropaticas, e comecei por conta propria a tomar o acido tiòcitico, e obtive mais de 70% de melhoras nas dores, pesquisem..

  4. Ricardo Bagli D´Andrea comenta:

    23 março, 2013 @ 10:00 AM

    Olha, hérnia de disco em L-4 e L-5, fortes dores que irradiaram dois anos e 5 meses consecutivamente sem ao menos ficar um dia sem dor, depois de 1 anos, desiste de remédio via oral, mais uns dois meses, foi a vez de desistir de medicamentos endovenoso, conviver com dor se tornou normal.
    As pessoas da família sempre viam e todos falavam: ” Nossa você é tão novo, como assim, ainda está com dor ? ” …em fim, já estava até evitando parecer que tinha dor, até algumas reportagens de escola de atores pesquisei, foi bom, pois aprendi algumas técnicas de representar, ou melhor mentir.
    Então, como já estava dizendo, fiz de tudo, fisio, hidro, osteopatia, acupuntura, umas 25 sessões, pilates piorou, fiz pouco, em fim, desisti. Comecei a escutar com dois anos com fortes dores que o único jeito era cirurgia, ficava assustado, pois um médico já até me adiantou que poderia comprar carro com desconto, pois como seria um aposentado precoce, o governo tem uns incentivos fiscais pra ajudar essa galera que sofre com esses tipos de dores….achei mui legal…saí de lá muito feliz……querendo comprar um calibre 12, isso sim…..
    Foi quando me falaram do MAKENZZIE, uma técnica fisioterápica que vem do nome de quem descobriu, e descrente do que viria ser o resultado, dessa vez, nem fui fazer, e muito menos pesquisar sobre esse método. Nessa época, depois de 2 anos e pouco, já tinha conseguido ter o hábito de saber como me comportar frente a família, interpretar e mentir quando as pessoas me perguntavam se havia sarado…..
    ……..mudava de assunto e resumindo, pra um meio entendedor um semblante basta.
    Quando um dia resolvi pesquisar e fui fazer uma sessão de MAKENZZIE, na segunda sessão DEUSA QUE SE CHAMAVA SOLANGE, POIS A CHAMO DE DEUSA, POIS PEDIA MUITO A DEUS, E ELE COLOCOU UMA DEUSA EM MEU CAMINHO.
    Resumindo para vocês que tem dores como eu tive, na quinta semana, uma vez por semana, não irradiava mais minha dor e estava sem dores…..eu não acreditava…cheguei a chorar uns dias sozinho em casa de alegria, voltei a sonhar, estudar, ter prazer, até me emociono quando lembro …
    Essa é minha estória.
    Ricardo A. Bagli D´Andrea facebook RicardoBagliDandrea

  5. hebe macedo comenta:

    27 março, 2013 @ 11:35 PM

    Prezado Dr.
    Ha tres anos que venho com os pes doido, ja fui a tantos medicos que perdi a conta, finalmente encontri um medico que disse estar com neuroma de Morton, tinha que operar. certo operei e fiquei com o pe dormente o pe direito. O ESQUERDO EU SINTO DORMENTE e as vezes queima e arde. Por favor me de uma sugestao.
    Agradeço
    hebe macedo

  6. edna santos de moura comenta:

    24 outubro, 2013 @ 3:48 AM

    Ola! Por favor preciso de ajuda… quando estava gravida de 7 meses meu pai faleceu e fiquei muito abalada emocionalmente e apartir disso comecei a sentir dores na planta dos pes, quando completei 8 meses de gestaçao minha filha amada de 6 anos tambem faleceu, ai meu mundo desabou e aquelas dores na palnta dos pes se intessificaram…. send o: dores fortissimas no peito do pe, dedao e dorso do pe extremamente doloridos, inchados, queimaçao, uma dor insuportavel a ponto de nao dormir…. apos o nascimento da minha filha, as dores nos pes pioraram hoje ja nao ando, procurei diversos medicos todos dizem que nao sabem o que eu tenho que e psicologico, fiz ressonancia magnetica e tudo normal, mostrou apenas uma leve inflamaçao no tendao devido ao forçar da marcha… exames de sangue para reumatismo, artrite, artrose, gota, deu tudo negativo. nao estou tomando nenhum medicamento, e tudo que eu tomo parece que piora….
    Sintomas hoje sao:
    -dores fortes e constante, nao para nunca nos pes, sendo mais intensa no peito do pe, dedao, segundo e terceiro dedo, dorso do pe, arco do pe.
    -queimaçao, inchado, dormencia, pontadas, agulhadas.
    -espasmos involuntarios dos dedos dos pes.
    -dormencia na panturrilha, coxa, inchada, e quando fico de pe ou sentada tambem apresenta ateraçao de cor ficando vermelho escuro/roxo.
    -leve dormencia nas maos.
    -alteraçao da cor dos pes, quando sentada ou em pe, ficando vermelho escuro, tipo roxo.
    -nao consigo esticar as pernas, sinto como se o nervo tivesse curto, alem das fisgadas que sinto.
    -nao estou mais andando.
    -sinto o nervo puxando os dedos.
    -nao durmo ja faz mais de 3 meses.
    -meu pe ja esta ficando deformado.
    Alguem por favor pode me ajudar, pois os medicos da minha cidade, nao sabem o que eu tenho….. ja nao aguento mais…

  7. edna santos de moura comenta:

    24 outubro, 2013 @ 3:54 AM

    Meu e-mai ednasantosdmoura@gmail.com
    Lembrando que eu tenho estas dores nos dois pes e o mais problematico e o pe direito, ele doi muito mais…
    E que a noite as dores pioram, beirando ao insuportavel….

  8. bma comenta:

    12 agosto, 2014 @ 11:54 PM

    Pessoal, antes de operar qualquer doença relacionada a dor neuropática. Peçam uma segunda opinião, ok? Geralmente cirurgia para dor só causa mais dor e agrava um fenômeno chamado Wind Up; Os sinais elétricos se elevam na medula e aumentam ainda mais a dor.

  9. bma comenta:

    12 agosto, 2014 @ 11:54 PM

    Pessoal, antes de operar qualquer doença relacionada a dor neuropática. Peçam uma segunda opinião, ok? Geralmente cirurgia para dor só causa mais dor e agrava um fenômeno chamado Wind Up; Os sinais elétricos se elevam na medula e aumentam ainda mais a dor.

  10. maria almeida comenta:

    6 setembro, 2014 @ 8:44 AM

    Pessoal…chamo-me Maria em vez de tomarem medicação para se matarem aos poucos. Tenho um link para voces. Sofrer, sofrer dia apos dia e não vemos resultados. Desde doenças cronicas, por favor tentem pelo menos ler e mudar uma bocadinho a vossa vida.

    https://www.drmcdougall.com/index.php

    Este médico é excelente mudou muita coisa na minha vida. Também fui operada c5 c6. Tenho dores residuais e atrofia acentuada por esperar muito tempo sem ser operada. Tive um acidente de carro e fiz o movimento de chicote.
    Mas estou a recuperar ando na hidroterapia que me esta ajudar a recuperar massa muscular. Continuo com dores residuais por culpa de um seguro que não me operou quando devia. Agradeço ao meu neurocirurgião que me operou de urgencia que é excelente e muito humano. Continua ajudar-me muito.
    Mas leiam esse link…
    Melhoras para toda a gente que sofre e não tem qualidade de vida.
    Beijinhos e braços para todos
    Maria

  11. Maria da Penha comenta:

    24 fevereiro, 2015 @ 6:14 PM

    Adormecimento de pés e mãos, fisgadas, choques, caímbras, dores neuropáticas, pés e mãos em formato de garra (qualquer um destes sintomas), pode ser Síndrome de Charcot Marie Tooth, para ter certeza peça ao Neurologista o exame de eletroneuromiografia da perna. Mais informações visite o site da associação http://www.abcmt.org.br . “Pior do que sentir dores, é não saber o que a gente tem, ou ter um diagnóstico errado”. A fé na cura é o primeiro passo de uma vida melhor, não desanime.

  12. Ana maria comenta:

    15 abril, 2015 @ 12:51 PM

    Minha mae fez ha mais ou menos um mes ,cirurgia de coluna (hernia ) ela esta tomando varios remedios, gabapentina, tramal, dipirona. tem queixas constantes de queimaçao, nope esquerdo , e muita dor.E normal

  13. Angelica ssilva comenta:

    11 julho, 2015 @ 11:48 PM

    eu fiz uma artrodese coloquei quatro pinos a 1 mes e agora estou com dor neuropatica na perna ando parcendo que tive um derrame fora que da varios choques sera que tem cura e o que posso fazer alguem me ajude pois estou com minha rotina de vida toda modificada ja nao faço mais nada .

Deixe seu comentário aqui !