//*** MARCEL => "pub-4189979764094081"; //*** ANA => "pub-2835477731727458"; /*** INDEX ***/ function AdSense_Topo_Index() { } /*** INDEX SEGUNDO POST ***/ function AdSense_Index_Segundo_Post() { } /*** PAGE / SINGLE ***/ function AdSense_Topo_PageSingle() { } /*** LINK ***/ function AdSense_SideBar_Link() { } /*** 404 NOT FOUND ***/ function AdSense_404_Topo() { } /*** 500 ERROR ***/ function AdSense_500_Topo() { //*** EDITE O ARQUIVO 500.shtml } /*** FRAME ***/ function AdSense_Frame_Topo() { //*** EDITE O ARQUIVO frame.htm } /*** SINGLE TOPO ***/ function AdSense_Single_Topo() { } /*** SINGLE RODAPE ***/ function AdSense_Single_Rodape() { } /*** PAGE TOPO ***/ /*** PAGE RODAPE ***/ /*** INDEX SEGUNDO POST ***/ function AdSense_Sidebar_Busca() { echo ( '
Google
' ); } ?> 2007 janeiro 27

Arquivo de 27/jan/2007





27 - jan

Aumento do número das plaquetas – Plaquetose

Categoria(s): Dicionário, Hematologia geriátrica

Aumento do número das plaquetas – Plaquetose ou trombocitemia

Abstrat:
Primary thrombocythemia is a disorder when the bone marrow is making too many platelets without a known cause. People with this condition make too many platelets and may have a problem with blood clots (thrombosis). Thrombocythemia may require treatment with a drug that decreases platelet production. Such drugs include hydroxyurea, anagrelide, and interferon-alpha. When the cause of thrombocythemia is known, the disorder is called secondary thrombocythemia. Bleeding, removal of the spleen, infections, rheumatoid arthritis, certain cancers, premature destruction of red blood cells (hemolysis), iron deficiency, and sarcoidosis can cause secondary thrombocythemia. Treatment is aimed at the cause. If the treatment is successful, the platelet count usually returns to normal.

Plaquetose (doença das plaquetas) é um aumento das plaquetas (células sangüíneas responsável pela coagulação) que podem estar presente nas doenças mieloproliferas (Policitemia Vera, Leucemia Mielóide Crônica, mielofibrose com metaplasia mielóide), doenças inflamatórias (febre reumática, artrite reumatóide, colite ulcerativa, etc.) e doenças malignas (carcinomas, Doença de Hodgkin e Linfomas não Hodgkin).

Atualmente a contagem do número de plaquetas existentes no sangue é através da técnica de impedância (resistividade), de forma automatizada. Quando estamos com dúvidas na contagem do número das plaquetas, exemplo número muito baixo, no realizamos a contágem “manual”.

O valor normal das plaquetas é de:

150.000 a 350.000/mm3 – recém-nascidos até 5 meses de idade.

150.000 a 450.000/mm3 – a partir de 6 meses e adultos

Um elevado número de plaquetas no sangue periférico resulta de intensa produção pela medula óssea (hiperplasia megacariocítica).  Os megacariócitos são as células da medula ósse que formaram as plaquetas. Os paciente também apresentam esplenomegalia e  clínicamente pode ocorrer de sangramentos e/ou episódios de trombose.

Os critérios laboratoriais para confirmação diagnóstica são:
1. Contagem plaquetária acima de 600.000/mm3 em duas ocasiões diferentes, com intervalo de um mês; e
2. Biópsia de medula óssea mostrando proliferação da linhagem megacariocítica com número aumentado de megacariócitos grandes e maduros.

Adicionalmente, devem ser afastadas as seguintes doenças policitemia vera (PV), leucemia mielóide crônica (LMC), mielofibrose (MF), síndrome mielodisplásica (SMD) e trombocitose reativa:

O especialista que cuida destas doenças é o hematologista.

O termo trombocitemia significa aumento das plaquetas no sangue.

Veja as páginas:

Estudo de caso Trombocitemia (plaquetose) essencial

Policitemia vera

Tags: , , , , , ,

Veja Também:

Comments (140)    




" A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica.
Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da sua confiança "
do_action('wp_footer'); ?>