//*** MARCEL => "pub-4189979764094081"; //*** ANA => "pub-2835477731727458"; /*** INDEX ***/ function AdSense_Topo_Index() { } /*** INDEX SEGUNDO POST ***/ function AdSense_Index_Segundo_Post() { } /*** PAGE / SINGLE ***/ function AdSense_Topo_PageSingle() { } /*** LINK ***/ function AdSense_SideBar_Link() { } /*** 404 NOT FOUND ***/ function AdSense_404_Topo() { } /*** 500 ERROR ***/ function AdSense_500_Topo() { //*** EDITE O ARQUIVO 500.shtml } /*** FRAME ***/ function AdSense_Frame_Topo() { //*** EDITE O ARQUIVO frame.htm } /*** SINGLE TOPO ***/ function AdSense_Single_Topo() { } /*** SINGLE RODAPE ***/ function AdSense_Single_Rodape() { } /*** PAGE TOPO ***/ /*** PAGE RODAPE ***/ /*** INDEX SEGUNDO POST ***/ function AdSense_Sidebar_Busca() { echo ( '
Google
' ); } ?> 2007 janeiro 26

Arquivo de 26/jan/2007





26 - jan

Saúde bucal dos idosos

Categoria(s): Conceitos, Demografia, Gerontologia, Odontologia geriátrica, Programa de saúde pública

Resenha

Colaboradora : Dra Mônica Cristine Jove Motti

O estado de saúde de uma população é medido pelos elementos dentários como o número de cáries e a presença das doenças periodontais. Segundo dados da pesquisa mundial de Saúde Bucal no Brasil, divulgada pela Fio Cruz, o País concentra 15,5 milhões de brasileiros totalmente sem dentes. Entre as mulheres acima de 50 anos, este índice chega a ser mais assustador, 56%. Um diagnóstico publicado no ano passado pelo Ministério da Saúde revelou que quase 80% da população apresenta doenças gengivais. O problema se agrava na população mais idosa, onde cerca de três em cada quatro pessoas acima de 65 anos já nem possuem mais os dentes.

Embora grande parte desse quadro seja originário da situação financeira que inviabiliza a visita e tratamento com dentista, outra importante parcela de responsabilidade está na falta de conhecimento de informação da população, que desconhece cuidados mínimos para manter a boa higienização da boca e assim evitar o desenvolvimento de doenças.

O problema da saúde bucal dos idosos passa pelos profissionais que os assistem. Muitas vezes preocupados com a saúde de uma forma geral esquece de fazer uma boa verificação do estado de saúde dos dentes e da boca. Fato este corroborado pelo paciente, que negligencia a higiene oral adequada e nem comenta de problemas bucais para o médico, julga que isto é caso para os dentistas.

A cavidade bucal é composta pelos dentes, esmalte, cemento, dentina, polpa e ligamento periodontal, glândulas salivares, língua, gengiva, nas quais ocorrem modificações naturais com a idade e modificações patológicas por bactérias, fungos, por doenças sistêmicas e por uso de medicamentos (iatrogenia).

A queixa mais freqüente é proveniente da friabilidade da mucosa oral, onde há um grande número de úlceras traumáticas, que se desenvolvem sob prótese dentárias (dentaduras) novas e antigas, levando ao idoso a retira-la. Nesta mucosa há uma desidratação progressiva, as células perdem a nutrição e a vitalidade, as propriedades elásticas do tecido conectivo ficam reduzidas. Portanto, com um maior risco de inflamações e úlceras.

Com a idade observamos que os dentes começam a sofrer desidratacão e dismineralizacão do esmalte que é um fator de risco de fraturas. Em relação a dentina ocorrem calcificações que levam a um processo de diminuição da sensibilidade e elevação do limiar de dor no idoso. O ligamento periodontal torna-se frouxo em idosos desdentados. A cárie nas crianças e nos adolescentes acometem a coroa e a superfície lisa, já no idoso a cárie é de raiz, com progressão rápida devido ao fluxo de saliva diminuída.

A osteoporose que ocorre no organismo também afeta o tecido ósseo de suporte dos dentes, a mandíbula e o maxilar. As alterações degenerativas em relação a articulação temporo mandibular (ATM) levam a mudanças e com isso a dor e a limitação de movimentos.

A língua dos indivíduos desdentados apresentam-se hipertrofiadas, resultado de transferência de algumas funções fonéticas e mastigatórias para ela. Outra manifestação comum é a despapilacão (perda das papilas gustativas) e a formação de fissuras (rachaduras).

Nas glândulas salivares ocorrem alterações regressivas, especialmente a atrofia das células levando a uma redução no fluxo salivar do idoso, na redução da qualidade da saliva (diminuição da ptialina e aumento da mucina). Essa mudança contribui para o crescimento de bactérias cariogênicas, predispondo a doença periodotal.

Outra causa importante de doenças na cavidade bucal é a farmacologia e suas repercussões direta e indiretamente levando : ulcerações, aumento do risco de cáries, xerostomia (ressecamento), sialorréia (aumento do fluxo salivar), hiperplasia gengival, candidíase, sensibilidade dolorosa, mucosite, glossite, problemas nas glândulas salivares, petéquias, sangramento gengival, lesões na cavidade bucal, lesões liquenóides (lesão branca), eritema multiforme, lupus eritematoso, Discinesia Tardia (movimento repetitivo da boca, lábios e língua), mudanças no paladar, angioedema (reação adversa a alimentos e medicamentos), pigmentação e neurite facial.

O tratamento, manejo e prevenção das doenças bucais em idosos é de extrema importância, onde a melhora da condição bucal leva ao bem estar e a saúde geral. As doenças bucais por ser extremamente dolorosas, podem afetar a mastigação, a alimentação, a comunicação e a interação social, gerando um impacto negativo na qualidade de vida.

Referência:

Livro de Geriatria e Gerontologia UNIFESP-autor Luiz R.Ramo,João T. Neto, cap.25, Saúde Oral.

Google-Medcenter.com-Odontologia

Tags: , , , , , , , ,

Veja Também:

Comments (3)    







26 - jan

Osteoprotegerina – OPG

Categoria(s): Avanços da Medicina, Biologia, Bioquímica, Dicionário

Dicionário

A osteoprotegerina (OPG) é uma proteína homologa aos membros da superfamília de receptores TNF (fator de necrose tumoral), que atua como um inibidor solúvel na maturação e ativação dos osteoclastos tanto “in vivo” como “in vitro”.

Esta proteína também é denominada de fator inibidor da osteoclastogênese (OCIF – osteoclastogenesis inibitory factor).

As prostaglandinas E2 (PGE2) e os glicorticoides inibem a expressão da OPG,e a vitamina D3, os íons Ca2+ e o TGFb ativam.

Tags:

Veja Também:

Comments (1)    







26 - jan

Os exemplos da cidade de Framingham – EUA

Categoria(s): Demografia, DNT, Gerontologia, Programa de saúde pública

Tags:

Veja Também:

Comentários    







26 - jan

Paratormônio – PTH

Categoria(s): Dicionário, Endocrinologia geriátrica

Dicionário

O PTH é um hormônio secretado pela glândula paratireóide, cuja função principal é de regular o teor de cálcio e fósforo no organismo. Atua aumentando o número de osteoclastos, promovendo ativa osteólise osteocítica. Atua também modulando a atividade osteoblástica. O PTH funciona aumentando a liberação de cálcio e fósforo dos ossos e diminui a perda de cálcio pela urina e aumenta a excreção urinária de fósforo.

O PTH aumenta a reabsorção do ion cálcio no túbulo renal distal e diminui a reabsorção de fósforo no túbulo proximal. Quando os níveis séricos de cálcio esta baixo ocorre um aumento da secreção do PTH.

A glândula paratireóide é formada por 4 glândulas situada na porção posterior da glândula tireóide.

1. Glândula Tireóide

2. Glândulas Paratireóides

Tags: , , ,

Veja Também:

Comments (127)    




" A informação existente neste site pretende apoiar e não substituir a consulta médica.
Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da sua confiança "
do_action('wp_footer'); ?>